Como e Por que Treinar os Abdominais?

Este texto sobre como e por que treinar os abdominais foi escrito como uma colaboração especial da nossa amiga e expert em treinamento físico Giovana Kaupe – a famosa Gigi Kaupe.

(Mais informações sobre o trabalho da Gigi estão listadas logo após o texto dela.)

Com a palavra, Gigi:


Oi gente! Estreio hoje uma série de textos aqui no site e vamos falar sobre tópicos diversos dentro do treinamento físico, de acordo com o que mostra a ciência, e também a minha experiência como treinadora.


Como e por que Treinar os Abdominais?

treinamento abdominal prancha

Os músculos abdominais são o foco de grande parte das pessoas que treinam visando a objetivos estéticos.

Sendo que exercícios para os abdominais podem ser realizados de várias formas.

As mais tradicionais e conhecidas são realizando flexões de tronco, em ângulos e velocidades diferentes, com ou sem sobrecarga externa.

E é importante lembrar que treinar sempre é útil, mas treinar certo é melhor do que treinar de qualquer jeito.

Por isso, sempre digo que o treinamento físico deve se submeter à função, antes de se submeter à estética.

Ou seja, com exceção de atletas fisiculturistas, o treinamento deve ser pensado com objetivo principal da funcionalidade.

A estética será uma consequência secundária, mesmo que importante para a maioria das pessoas.

Nesse contexto é que devemos pensar os exercícios abdominais. A musculatura abdominal (transverso, reto e oblíquos) tem a função primária de estabilização.

Eles estabilizam o tronco durante a postura em pé, a marcha e durante rotações da coluna (oblíquos) e tracionam as vísceras (principalmente transverso abdominal).

É claro que eles também tem a ação de flexionar o tronco.

No entanto, passamos muito mais tempo precisando de estabilização (o tempo todo em que estamos em pé, sentados, carregando pesos, caminhando, dentre outros) do que de flexão (ao levantarmos da cama, por exemplo).

Por isso, exercícios como pranchas são importantes no treinamento, principalmente no período de base (início) – e há uma incrível variedade de exercícios estabilizadores, com intensidades diferentes.

Pranchas frontais e laterais ajudam a estabilizar o tronco e podem ser feitas sem aparelhos ou utilizando bosu, bola suíça, fita de suspensão, elásticos, carga, slide, etc.

Além delas, exercícios antirotacionais (como pallof press) e hipopressivos são eficientes e geralmente esquecidos nas academias.

Depois que essa função primária é bem dominada, pode-se inserir exercícios de flexão do tronco também.

Particularmente, dou preferência a poucas repetições, feitas com muita concentração e velocidade lenta, a fim de maximizar a segurança da coluna dos meus clientes, sem perder a eficiência.

É importante que haja ativação abdominal na maioria dos exercícios de levantamento de pesos também, do agachamento ao supino.

Todo exercício feito com consciência absoluta é melhor do que feito descontroladamente, só para cumprir uma quantidade alta de repetições.

Não é essa quantidade que irá trazer bons resultados e sim intensidade e execução corretas.

Bons treinos!


Sobre a Giovana

A Giovana Kaupe é educadora física (UFRGS), pós-graduada em fisiologia do exercício (UFRGS), palestrante e estudiosa do treinamento físico desde 2007. Trabalha com treinamento personalizado de força e corrida de rua através de consultoria online.

Para saber mais sobre a Giovana você pode acessar seu Instagram ou Snapchat:

Save

Save

Save