Alimentação Saudável Para Seu Pet: Como Alimentar Seu Cão Ou Gato Com Comida De Verdade Para Uma Vida Mais Longa E Feliz

Paleo Pet – FACETHUMB1

No semblante de um animal que não fala, há todo um discurso que somente um espírito sábio pode entender.

– Mahatma Gandhi

Se você é como 91% dos proprietários de animais, você provavelmente considera o seu pet uma parte importante da família.

E esse afeto tem raízes antigas: alguns pesquisadores estimam que começamos a domesticar os cães há mais de 12.000 anos, quando ainda éramos uma espécie de caçadores-coletores.

Sendo que atualmente o IBGE estima que 44,3% dos lares brasileiros possuem pelo menos um cachorro.

São cerca de 52,2 milhões de cachorros no Brasil, ou seja, uma média de 1,8 cachorro por domicílio (dos que declararam, no censo, ter pelo menos um).

Apenas para comparação, no mesmo ano da pesquisa, foi constatado que havia 44,9 milhões de crianças até 14 anos.

Ou seja: há mais cachorros do que crianças nos lares brasileiros!

Sendo que nós mesmos do Senhor Tanquinho passamos mais da metade da nossa vida rodeados por pets.

No caso, o Roney desde os 12 anos viveu com a Cristal, uma “salsicha” fofinha da raça Dachshund (que atualmente está prestes a completar 14 anos).

E o Guilherme passou a maior parte da sua vida (dos 11 aos 25 anos) cercado pelo carinho da Babi, uma Schnauzer simpática e amorosa (embora desconfiada de estranhos :P ).

(Não resistimos e espalhamos algumas fotos das nossas amáveis cachorrinhas ao longo deste post.)

E é também por todo esse afeto que nos preocupamos com a saúde dos cães e gatos que recebem o amor de tantas pessoas.

Até porque ela parece estar cada vez pior – e a alimentação tem um papel fundamental nisso.

Por isso, o post de hoje é bastante especial para nós.

Porque queremos atender as dúvidas que surgem em muitos leitores quando migram para uma alimentação baseada em comida de verdade.

  • Comida de verdade não é melhor para os seus pets também?
  • Como cães e gatos evoluíram comendo?
  • Quanto mal comer ração realmente faz?
  • Como fazer a transição de ração para comida de verdade?

E lendo o texto até o final você terá todas essas respostas.

Neste momento, vale fazer um aviso.

A Babi

O de que nós não somos médicos, nutricionistas, e nem mesmo veterinários.

E que o conhecimento apresentado neste post não foi criado e desenvolvido por nós.

Na verdade, nós nos baseamos em três artigos de autoria de pesquisadores e veículos conceituados do universo da comida de verdade:

  1. Este artigo postado no site Paleo Leap,
  2. Este artigo postado no site Paleo Diet,
  3. Este artigo postado no blog do Mark Sisson.

Lembrando que o site Paleo Leap é muito visitado e traz diversos resumos práticos e dicas para quem está iniciando uma dieta paleo (inclusive já traduzimos outros posts deles, como este sobre os malefícios do trigo e este sobre saúde da tireoide).

Que o site Paleo Diet é do Loren Cordain, considerado o fundador da Dieta Paleo.

E que o Mark’s Daily Apple é do Mark Sisson, grande pesquisador da dieta Primal.

Porém, antes de começar a leitura e fazer qualquer mudança na alimentação do seu cachorro ou gato de estimação, entenda que essas informações não são prescrições.

E que qualquer problema de saúde que seu pet tenha tem de ser tratado por um veterinário.

Por isso, o que sugerimos é que leia este post para se informar e poder conversar com seu veterinário de confiança sobre possíveis mudanças.

Tendo dito tudo isso, vamos falar um pouco sobre como uma alimentação baseada em comida de verdade provavelmente vai ajudar seu pet a ser muito mais saudável – e ter uma vida muito mais longa e feliz.

Dieta Saudável (“Paleo”) Para Animais De Estimação

Peleo Pet 1

Em um primeiro momento, pode parecer estranho falar de dieta para animais de estimação.

Especialmente quando os nossos pets estão saudáveis.

Afinal de contas, muitas pessoas têm a impressão de que uma preocupação com a “dieta” do seu pet só deveria acontecer caso ele estivesse com algum problema específico.

No entanto, nós imaginamos que muitos dos nossos leitores sejam adeptos de uma alimentação saudável para si mesmos – por vezes excluindo grãos e carboidratos refinados, e caprichando nos vegetais, carnes e alimentos pouco processados em geral.

Isso porque o ser humano existe há aproximadamente 2,5 milhões de anos – e o que evoluímos comendo nesse tempo como caçadores e coletores é o que nossos corpos estão adaptados a ingerir.

Sendo que a agricultura surgiu há apenas cerca de 10 mil anos (praticamente nada perto de 2,5 milhões de anos), e os alimentos ainda estão nos matando.

Por outro lado, a ração comercial só surgiu há cerca de cinquenta anos – imagine como os cães devem se sentir!

Por isso, pode fazer bastante sentido alimentar nossos cães, gatos e outros bichinhos com o que o organismo deles está adaptado a comer.

E não com uma fórmula comercial criada para gerar lucro às indústrias.

Afinal de contas, apenas na América do Norte, o mercado pet movimenta mais de 60 bilhões de dólares por ano – sendo cerca de 22 bilhões de dólares apenas em comida!

Sendo assim, é possível que muitos interesses sejam contrários às pessoas começarem a questionar a crença de que ração é o alimento mais saudável para o seu cãozinho ou gatinho.

Mas você sabe o que vai na ração?

Dieta Saudável Para Pets – Afinal De Contas, O Que Vai Na Ração?

Peleo Pet 2

Foi a partir de 2007 que muitas pessoas começaram a se fazer essa pergunta.

Isso porque, naquele ano, diversas marcas tiveram de retirar seus produtos das lojas e mercados (em um caso de recall) por apresentarem níveis de toxinas acima do permitido.

Por exemplo, a melamina e o ácido cianúrico – o que pode levar à insuficiência renal tanto em gatos quanto em cachorros.

Isso levou a novas questões sobre os problemas dentro do processo de fabricação.

É claro que alguém poderia argumentar que essa serragem seca e extremamente processada que é a ração para cachorros hoje “funciona bem”.

E, de fato, ela realmente deixa os cães gordinhos e vivos.

Nesse contexto, a dieta ocidental à base de grãos também nos mantém gordinhos e vivos – mas todos sabemos como nos sentimos com essa escolha dietética.

“Comida” de cachorro comprada no mercado funciona para eles porque eles não fazem muito mais do que sentar e dormir.

Além disso, vemos mais um paralelo com os seres humanos.

A tendência da indústria farmacêutica em prescrever paliativos para mascarar a natureza prejudicial da nutrição moderna.

Ela está refletida no fato de a comunidade veterinária dar a impressão de que câncer, problemas ósseos e outras doenças caninas acontecem por acaso para o melhor amigo do homem.

Sendo que a alimentação, de acordo com eles, não estaria fortemente relacionada com esses problemas.

Mas, caso eles surjam, aí a recomendação é trocar por alguma outra ração bem cara (hipoalergênica, com ingredientes especiais, o que for) porque ela sim cumpriria todas as necessidades dietéticas do seu cão.

Porém, antes de acreditar cegamente nessa ideia, confira os ingredientes na embalagem.

Você ficará chocado ao ver que a maior parte das rações consiste basicamente em fontes baratas de proteínas de baixa qualidade, repletas de grãos e aditivos, incluindo adoçantes como xarope de milho rico em frutose.

Será que são estas as fontes de alimento que nós realmente escolheríamos para aqueles que amamos?

Dê uma olhada no rótulo da ração que você compra e você poderá ver alguns dos seguintes principais ingredientes:

  • Refeição à base de subproduto de frango. Um produto processado seco feito de resíduos provenientes dos matadouros, consistindo de pés, bicos, penas, ovos subdesenvolvidos e todo o resto – com exceção dos melhores cortes que foram aproveitados.
  • Restos de cordeiro. De acordo com a Wikipedia, é “a parte seca e processada de tecidos de mamíferos, preparados para fins de alimentação por vapor ou processamento seco”.
  • Milho e trigo. Muitas vezes contaminados com mofo resultante das condições de cultivo ou armazenamento prolongado. Estes mofos, muitas vezes, crescem facilmente e produzem aflatoxinas, uma substância cancerígena muito perigosa. A exposição a estas toxinas, mesmo em pequenas doses, pode causar anemia, insuficiência renal ou hepática, câncer e morte prematura.
  • Farinha de soja. Uma leguminosa geneticamente modificada, criada como um subproduto da produção de óleo de soja, e comumente encontradas em rações para animais de criação industrial, atuando como um agente de volume e uma fonte de proteína.

Sem contar ingredientes como farinha de arroz, sorgo, e outros, dependendo da marca.

Assim, você consegue perceber que a comida comercial de gato e de cachorro está repleta de cereais, leguminosas e produtos químicos de vários tipos diferentes.

Ela é basicamente o equivalente animal das comidas prontas.

Sendo que, depois de todo esse processamento, o pouco valor nutricional restante da “carne” não consegue possivelmente contrabalancear os ingredientes aditivos.

E me responda: Por que você alimentaria um carnívoro com grãos?

Garanto a você que felinos e cães selvagens não ficam por aí descascando milho e colhendo arroz.

E claro, seu pet provavelmente vai se fartar e ficar até feliz (afinal, todos nós sabemos que os cães comem qualquer coisa e já ficam com um sorriso estampado no rosto deles), mas o déficit nutricional só vai aumentar.

Sendo assim, você pode continuar dando ração, mas prepare-se para uma vida de contas de veterinário, de dentistas caninos (a despesa mais evitável que existe) e grandes quantidades de fezes com um cheiro insuportável.

Além disso, alguns outros malefícios podem incluir:

  • alergias,
  • problemas de pele,
  • artrite,
  • diabetes,
  • câncer,
  • ansiedade,
  • obesidade, e
  • doenças crônicas.

O que leva a contas veterinárias astronômicas, e muito sofrimento desnecessário – tanto para você quanto para o seu pet.

Por Que Nossas Cachorras Migraram Para Comida De Verdade?

Paleo Pet 3

Conforme a Cristal e a Babi foram ficando mais velhinhas, diversos problemas de saúde foram aparecendo.

No caso da Cristal, além de estar acima do peso, o que afetava sua coluna – um problema que é típico da raça – ela também começou a apresentar problemas cardíacos e de insuficiência renal.

Após a mudança para uma alimentação baseada em legumes, frutas, carne moída ou frango desfiado, e até mesmo caldo de pé de galinha, ela emagreceu bastante, cerca de 3 kg (pesando atualmente 8,5 kg).

Seus problemas no coração e nos rins melhoraram consideravelmente.

Mas vale ressaltar que, aliada à mudança alimentar, houve também a introdução de alguns suplementos específicos que apenas um veterinário fazendo um acompanhamento personalizado poderia recomendar.

A Babi também estava com problemas nos rins e no coração, e foi buscando uma solução para eles que acabamos nos deparando com uma veterinária que prescreveu uma alimentação mais baseada em comida de verdade.

(Por coincidência, foi a mesma veterinária que atendeu a Cristal – mas nós nem sabíamos disso na época.)

Um “efeito colateral” dessa mudança foi que os problemas de pele da Babi também desapareceram (ou diminuíram muito).

Sendo que ela tinha passado a maior parte de sua vida comendo ração hipoalergênica, justamente por ser a única que minimizava esses problemas.

E nós mal desconfiávamos que a solução era muito mais simples, barata e saudável do que uma ração importada.

Ok, já entendi que rações são um lixo. Mas então, o que eu dou para o meu pet?

O Que É Uma Dieta Para Pets Baseada Em Comida De Verdade?

Peleo Pet 4

Uma dieta natural e alinhada com a evolução de seu animalzinho de estimação, seja ele um cão ou um gato, muito provavelmente seria constituída principalmente por carnes de outros animais.

Não existem (até onde sabemos) estudos conclusivos comparando esse tipo de alimentação com uma baseada apenas em rações.

Mesmo assim, fica fácil perceber que cães e gatos são geneticamente projetados para seguir uma dieta constituída por:

  • carnes;
  • carnes de órgãos;
  • juntas e cartilagens;
  • alguns legumes e frutas (no caso dos cães).

O que forneceria inclusive um equilíbrio correto entre ácidos graxos anti-inflamatórios ricos em ômega 3.

Pensando um pouco, principalmente se você já tem uma alimentação baseada em comida de verdade, acaba sendo intuitivo que a ração comercial processada pode afetar a digestibilidade e a biodisponibilidade de nutrientes, e que ela não é segura para o consumo.

Basta ver a real composição das rações para pets, conforme falamos mais acima, ou mesmo tomar como exemplo os lobos, parentes bem próximos aos cães (ou mesmo os felinos selvagens, parentes próximos do gato).

Nesse caso, podemos observar que a primeira coisa que essas espécies procuram em sua presa são os órgãos – carnes altamente nutritivas, ricas em micronutrientes importantes para a saúde dos animais.

A verdade é que eles preferem as carnes mais baratas, gordas, e com mais nutrientes.

Sendo assim, é possível alimentar seu cão ou gato com uma variedade de cortes de animais sem gastar muito (vamos entrar em detalhes mais abaixo).

(Também é verdade que os lobos e felinos selvagens comem uma grande variedade de carne de animais selvagens – mas claro que ninguém vai alimentar seu pet com antílopes, alces e veados regularmente.)

Portanto, um plano de alimentação mais natural para cães deve consistir principalmente de carne de órgãos, ossos com carne crua (como carcaças de frango ou pescoço de peru) e carne de músculo.

Claro que a preferência deve ser dada a animais criados no pasto, se possível (assim como seria ideal para os humanos).

(E, se você se chocou quando mencionamos os ossos, continue lendo. Porque respondemos essa pergunta mais abaixo.)

Algumas opções de cortes bem acessíveis incluem:

  • Peru: pescoços, costas, asas, coxas, moelas, corações
  • Frango: carcaças, costas, pescoço, pernas, asas, órgãos, ovos
  • Peixes inteiros, ricos em gordura: sardinhas, anchovas, arenque, cavala
  • Carne de Vaca: carne moída, órgãos, joelhos.

Na verdade, qualquer produto animal é aceitável, e os pets não precisam de filé mignon para levar uma vida feliz e saudável.

Relacionado: Aprenda com uma veterinária especialista em alimentação saudável como tratar o seu pet

Os Benefícios De Seguir Uma Dieta “Paleo” Para Seu Animal De Estimação

Paleo Pet 5

A melhor maneira de ter certeza dos benefícios de uma alimentação baseada em comida de verdade é experimentá-la por um tempo.

Por outro lado, exemplos não faltam para comprovar esse ponto – e você pode usá-los para “tomar coragem” caso ainda esteja em dúvida.

Por exemplo, cachorros de corrida Greyhound e cães que puxam trenós (isto é, cães de alta performance) são conhecidos por um terem uma alimentação baseada em alimentos crus.

Ou seja, eles se alimentam da maneira que os cães evoluíram comendo – o equivalente animal à dieta Paleo que muitos humanos praticam.

Sendo que foi justamente a partir desse exemplo que o conceito de uma “alimentação forte” foi ganhando fama para os animais domésticos.

Por meio de proprietários que procuravam melhorar a saúde de seus pets.

E donos cujos animais de estimação seguem uma dieta com alimentos crus acreditam que isso:

  • aumenta sua energia,
  • melhora a saúde em geral,
  • melhora sua função imunológica,
  • melhora a condição da pele,
  • melhora a qualidade do pêlo,
  • e alivia problemas crônicos digestivos, alérgicos e metabólicos.

Como outro exemplo do que os animais realmente gostariam de comer, podemos citar o instinto caçador de cães e gatos: basta ver algo se movendo para eles quererem caçar.

E esse instinto não é por acaso: ele vem de centenas de milhares de anos sobrevivendo na floresta e tendo de conseguir seu próprio alimento.

Quanto a outros aspectos, podemos dizer que cães e gatos são verdadeiros seguidores do estilo de vida Paleo: eles dormem o suficiente, não têm empregos estressantes e ficam extremamente felizes ao comerem um punhado de carne.

Por outro lado, é evidente que os problemas de saúde de nossos companheiros peludos aumentaram com a vida moderna.

Especialmente à medida que eles ficam cada vez mais confinados em apartamentos minúsculos, são alimentados com um fluxo constante de alimentos processados e enlatados, e também submetidos aos mesmos agentes estressores de seus donos.

Assim, as consequências da vida moderna são, basicamente, as mesmas em animais e nos seres humanos.

Pois os animais domésticos estão cada vez mais acima do peso e inativos, e alguns cães e gatos estão até mesmo desenvolvendo diabetes.

Por isso, trocar a alimentação do seu fiel companheiro pode ser o primeiro passo para melhorar, e muito, o bem-estar dele.

Os resultados falam por si só, mas alguns benefícios comuns incluem:

Pêlos brilhantes e macios

Um plano de alimentação paleo/primal para cães irá deixar seu amigo com um pêlo brilhante e bonito.

As pessoas e os outros cães irão até mesmo parar para admirá-lo no parque.

Sendo que alguns donos optam por suplementar a dieta de seus pets com óleo de peixe para tornar isso ainda mais perceptível (embora não seja necessário para colher esse benefício).

Dentes mais brancos

Paleo Pet 6

Comer alimentos limpos e mastigar ossos crus vai limpar quaisquer depósitos de placa bacteriana e deixar os dentes do seu cão mais brilhantes.

Contas menores no veterinário

Dar a comida que seu cachorro é evolutivamente projetado para comer vai cuidar de alergias e outras doenças menores que fazem você ir várias vezes ao veterinário.

Custos mais baixos

Comprar carne por atacado e comprar ossos e carnes de órgãos é consideravelmente mais barato do que comprar ração comercial “premium” – isso sem falar de rações hipoalergênicas.

Seu melhor amigo feliz e com uma longa vida

O cão mais velho que já existiu era um pastor australiano chamado Bluey que jantava exclusivamente carne de canguru e ema.

(Outros cães que também ganharam o título de cão mais velho do mundo pelo Guinness também se exercitavam bastante e comiam comida de verdade, como é o caso do Otto e da Chanel.)

Ou seja, as chances são grandes de que seu cachorro vai ter uma vida mais saudável e mais satisfatória com um plano de alimentação Primal.

Fezes mais firmes e inodoras

Em um plano de alimentação paleo ou primal baseado em alimentos crus, os cães não tem muito o que “não aproveitar”.

Isso significa que as fezes serão menores, mais firmes e sem muito odor – o que também torna a limpeza muito mais fácil.

Além disso, a tensão adicional de evacuar fezes mais duras naturalmente irá melhorar as glândulas anais do seu cão – o que significa novamente, menos idas caras ao veterinário.

Comida Paleo Para Seu Cãozinho (e Gatinho, e Passarinho, e Peixinho)

Paleo Pet 7

Agora que provavelmente você já está convencido que uma alimentação à base de comida de verdade é realmente a melhor opção para seu pet, vamos dar alguns exemplos de como isso poderia funcionar na prática.

Dieta paleo/primal para gatos

Os gatos são necessariamente carnívoros, verdadeiros caçadores por natureza.

Na verdade, eles morreriam em uma dieta vegetariana estrita, porque precisam de uma fonte dietética para vários nutrientes e aminoácidos que são encontrados apenas em produtos de origem animal, como a taurina e certas vitaminas do complexo B.

Gatos apenas conseguem sobreviver à base de ração vegetariana se eles também forem alimentados com suplementos para estes nutrientes essenciais.

Porém não há nenhuma razão para dar suplementos artificiais ao seu animal de modo a mantê-lo vivo em uma dieta não-natural, quando você pode simplesmente alimentá-lo com a comida que ele foi projetado para comer: carne.

Dieta paleo/primal para cães

Os cães também devem ter uma dieta baseada em carne.

No entanto, como eles são naturalmente onívoros (assim como os seres humanos), eles também devem comer uma grande variedade de outros alimentos, incluindo ossos, verduras, legumes e algumas frutas (evite as frutas muito ácidas), por exemplo.

Ao passo que existem alguns alimentos que cães absolutamente não deveriam comer (incluindo delícias Paleo como macadâmia, abacate e xilitol), eles se saem muito bem com uma dieta variada de carne crua e legumes – sem os grãos cozidos e leguminosas presentes na ração convencional.

Descubra a maneira correta de alimentar cães e gatos seguindo orientações de uma veterinária que já tratou mais de 5000 pets.

Dieta pale/primal para passáros

Aves tendem a ter uma dieta bem variada – claro, dependendo da espécie.

Periquitos comem grãos em estado natural, enquanto os papagaios podem comer uma surpreendente variedade de alimentos, incluindo frutas, legumes, nozes, pequenos insetos, sementes e até mesmo flores.

Mas isto não significa que você pode deixar seu pássaro limpar o seu prato depois do jantar.

A melhor maneira de começar uma dieta estilo paleo para um pássaro é fazer uma pesquisa sobre a espécie em questão, e tentar imitar a dieta que ela naturalmente teria quando solta na natureza.

Dieta paleo/primal para outras espécies

Paleo Pet 8

Outros tipos de animais pequenos, como furões, coelhos, hamsters, ratos e camundongos também se saem melhor quando não estão se alimentando com rações “modernas”.

A verdade é que a alimentação desses animais menores ainda não foi tão estudada quanto a de cães e gatos.

Então talvez a saída seja você fazer algumas pesquisas e experiências para descobrir o que melhor funciona para seu pet.

Um bom lugar para começar sua busca é olhar tudo o que seu animal de estimação come na natureza, e introduzir lentamente os alimentos na sua dieta regular, certificando-se de ficar de olho em quaisquer sintomas digestivos.

Como Fazer A Transição Da Alimentação De Seu Pet

Paleo Pet 9

Se você já está acostumado a preparar refeições à base de comida de verdade para você mesmo, então fazer essa transição para seu animalzinho não deverá ser um grande problema.

Além de ser bem fácil: não precisa cozinhar, nem temperar e nem mesmo perder muito tempo preparando.

Por exemplo: no caso de cachorros, baseie-se no que os lobos comem (carne) e parta desse princípio.

(Porém nós sugerimos que você procure um veterinário especializado caso esteja com dúvidas.)

De todo modo, existem duas escolas de pensamento principal a respeito da transição, e nós vamos falar delas agora.

Forma #1 de transição: ir aos poucos

Esta forma de pensar é defendida por alguns pesquisadores paleo.

De maneira resumida, eles defendem que mudar a dieta de uma vez pode ser chocante para o organismo do animal.

E que, assim como no caso de crianças, os pets devem ser introduzidos gradualmente na dieta.

Com isso, você aumentaria aos poucos a quantidade de comida de verdade na dieta do seu animal, e diminuiria a quantidade de ração comprada.

Nesse caso, certifique-se de prestar atenção a evidências de problemas digestivos ou outros sinais de que você deveria mudar as coisas ainda mais lentamente.

Por outro lado, alguns pensadores como o próprio Mark Sisson defendem uma abordagem oposta a essa.

Forma #2 de transição: mudar de uma vez

Sair da ração tradicional para a alimentação crua pode ser um pouco difícil para os iniciantes – tanto para os donos, que têm de se acostumar com a ideia, quanto para os próprios pets.

Como Mark Sisson diz, tente resistir àquele impulso de fazer uma transição “meio-a-meio”, ou seja, trocando aos poucos parte da ração por carne crua.

Isso só vai confundir o aparelho digestivo do cão, o que pode levar a uma diarreia bem complicada.

Lembre-se: você não está trocando de ração, está substituindo veneno por comida de verdade!

Por isso, você pode trocar a ração por carne de uma vez, e não se preocupar mais.

Pois filhotes são bem adaptáveis e entrarão na dieta imediatamente.

Embora alguns cães mais velhos possam precisar de uns dias para se acostumar com a nova comida.

E você talvez veja uma real “desintoxicação” se seu cão está vivendo à base de ração há muito tempo.

Nesse caso, vômitos, diarreia, mau hálito e coceira podem fazer parte do processo.

Não se preocupe… apenas continue!

Um bom começo são alimentos bastante básicos, como pescoços de frango e de peru.

Os cães adoram roer e mastigar ossos, então isso será natural para eles.

Se seu cão come muito rápido (e muitos acostumados com ração fazem isso), não dê ossos para ele enquanto ele come, de modo a promover uma mastigação adequada.

Assim que ele (re)descobrir como mastigar, você pode começar a adicionar diferentes carnes, e vai descobrindo aos poucos o que o seu pet prefere.

Custeando Uma Dieta Paleo Para Seu Pet

Infelizmente, boa comida de animal de estimação, assim como boa comida de gente, também é significativamente mais cara do que lixos processados.

Então, uma dieta Paleo para seu animal de estimação pode assustar o seu bolso.

Custear uma dieta inteiramente à base de carne para um cão de grande porte pode custar quase tanto quanto comprar comida para uma outra pessoa – e, para alguns donos, isso pode não encaixar no orçamento de maneira alguma.

Mas mesmo se o Rex não puder comer o melhor fígado de vacas criadas no pasto em uma bandeja de prata, você não precisa necessariamente comprar qualquer coisa no mercado.

Afinal de contas, qualquer passo na direção contrária a rações comerciais à base de grãos será um bônus para o seu animal de estimação.

Nem que seja apenas mudar para uma marca livre de grãos, uma marca Paleo com carne proveniente de vacas de pasto, ou uma dieta total à base de carne.

Algumas pessoas também melhoram a dieta do animal suplementando uma ração estilo Paleo com carne crua e ossos eventualmente.

(Nota: nós não conhecemos nenhuma “ração paleo” aqui no Brasil. Se você conhecer, nos avise!)

Você também pode manter o custo mais baixo estocando cortes baratos de carne, quando eles estiverem em promoção.

Dado que o seu animal de estimação irá comer a carne crua, não tem problema incluir ossos (ossos cozidos são frágeis e perigosos, mas não os ossos crus – que são uma grande fonte de cálcio).

Então exemplos como pescoço e asas de peru ou frango são grandes refeições para seu animal de estimação – sem ser muito pesadas para o seu bolso.

Experimente uma variedade de carnes, incluindo peixe, ovos crus e carnes de órgãos – e veja o que funciona melhor para o seu pet.

Adicionalmente, vale fazer algumas observações.

A primeira é de que os cães e gatos são “paleo”, e não apenas low-carb: por isso, evite qualquer tipo de alimento processado (como linguiças e salsichas), e foque em carne e vegetais mais próximos de como são encontrados na natureza.

E você não precisa ser nenhum MasterChef das receitas para agradar seu pet: pois deve usar pouco ou nenhum sal e temperos no preparo.

Adicionalmente, falando sobre custos, lembre-se que ração hipoalergênica é bem mais cara que alimentos de verdade como frangos inteiros e cenouras.

Sendo que estas sim são opções mais em conta, e que ainda vão deixar seu pet muito mais saudável.

Por fim, se você ainda assim achou caro fazer essa transição, pense na economia das contas do veterinário.

Com tudo isso, a conta deve fechar a favor da comida de verdade – e pode até mesmo sair mais barato!

E, se ainda assim parecer caro – bem, ninguém mandou você ter um pet.

Agora que tem, é sua responsabilidade cuidar bem dele – e com as dicas acima, não será tão custoso ajudá-lo a ter uma vida mais longa, saudável e feliz.

Dica: Aprenda com a Veterinária Patrícia Tassinari a entender como cuidar bem do seu pet sem gastar fortunas.

Atividade Física Para Seu Cão Ou Gato

Paleo Pet 12.1

Idealmente, além de fornecer ao seu animalzinho uma alimentação saudável,você também deve fornecer bastantes opções de exercício apropriadas para a espécie dele.

Os cães, por exemplo, adoram correr com sua matilha – muitos cães maiores ficarão muito felizes em correr com você ou até mesmo correr ao lado de uma bicicleta.

São atividades simples e que trazem benefícios até mesmo para a sua saúde.

Lance uma bola no parque, desfrute de algum cabo de guerra cão-humano ou veja quanto tempo ele leva para destruir um frisbee.

Isto não é apenas fisicamente saudável para seu animal, mas também é ótimo para resolver problemas de comportamento e obediência.

Afinal, assim como as pessoas, cães não são projetados para ficar em casa o dia todo sem sair: eles vão ficar menos estressados e mais felizes se você levá-los para brincar.

Se os cães são famosos por sua sociabilidade, os gatos já são conhecidos exatamente pela sua atitude contrária.

Nem mesmo a dieta paleo mais luxuosa fará com que a maioria dos gatos corra atrás de uma bola de tênis, muito menos saiam com você para correr (embora existam exceções)!

Mas isso não significa que eles não precisam de atividade física regular em suas vidas.

Brinquedos que incentivam os gatos a se moverem e a pular de um lado para o outro são ótimas maneiras de alongar os músculos do seu bichano, e lugares seguros para saltar e subir (como postes específicos para isso) também podem ajudar a manter o gatinho ocupado enquanto você está fora de casa.

Animais De Estimação E Estilo de Vida Saudável

Paleo Pet 13

Divirta-se com seu pet – animais de estimação podem ser ótimas fontes de afeto, e ver a saúde deles melhorando a cada dia é uma verdadeira alegria.

Até porque uma alimentação à base de ração não é apenas um problema para os animais de estimação: seus donos também estão perdendo todas as alegrias de ter um companheiro saudável.

Animais domésticos são um excelente complemento para o estilo de vida Paleo, porque eles ajudam a melhorar o seu humor, reduzir seu estresse e até mesmo encaixar mais atividade física no seu dia a dia.

E é justamente por isso que tantas casas de repouso têm gaiolas com aves ou aquários repletos de peixes nas áreas comuns, ou até mesmo alguns gatos vagando pelos corredores.

Porque é comprovado que interagir com animais de estimação é um método eficaz de redução de estresse em seres humanos.

Os animais ajudam a reduzir o sofrimento de pessoas com doenças crônicas (incluindo transtornos psicológicos como depressão e ansiedade), idosos, e pessoas que passaram ou que estão se recuperando de eventos traumáticos.

Mesmo que seu maior estresse seja causado por um orientador de faculdade ou um chefe exigente, possuir um animal de estimação ainda pode lhe ajudar a relaxar.

Exercitar-se com seu animalzinho também ajudará você a encaixar mais exercícios no seu dia e até mesmo obter alguma vitamina D a partir da luz do sol, se você sair com ele.

Também é uma grande oportunidade de fazer alguns amigos humanos e criar laços com coisas que não envolvam comida.

Grupos sociais muitas vezes podem ser um desafio para quem está na dieta paleo (comida de verdade), porque tudo parece girar em torno de um prato de bolachas.

Mas lembre-se que uma conversa diária no parque é permitida em qualquer tipo de dieta ;)

E, no fim das contas, seu amiguinho será uma grande fonte de apoio e companheirismo e se ajustará naturalmente em um estilo de vida paleo.

Claro que é melhor alimentar o seu animal de estimação com uma dieta evolutiva natural (que irá variar, dependendo do tipo de animal).

Mas, mesmo se você não conseguir servir uma alimentação estritamente paleo, com órgãos crus, para seu animal (e basear algumas refeições em frango e legumes cozidos), não há nenhuma razão para se culpar por isso.

Até porque a maioria dos humanos não tem uma dieta 100% Paleo e mesmo assim ainda colhemos os benefícios de seguir os princípios evolutivos.

Então faça o que puder dentro das suas limitações de tempo e orçamento, e aprecie a companhia de um animal de estimação saudável e feliz.

FAQ – Preocupações E Dúvidas Comuns Sobre A Dieta Paleo Para Pets

Paleo Pet 14

Neste final do texto, separamos algumas dúvidas comuns a respeito de uma alimentação mais natural para os pets.

Embora faltem pesquisas específicas referentes à nutrição animal, acreditamos que, se você leu até aqui, está interessado em proporcionar um estilo de vida mais saudável para seu amigo felpudo.

Por isso, vamos responder agora as 6 perguntas mais comuns sobre a dieta paleo para o seu pet.

Cães não engasgam com ossos?

Não com os crus.

Os ossos cozidos realmente apresentam maior tendência a trincar, podendo assim ficar alojados na garganta do seu cão – o que é muito perigoso!

Já os ossos crus são flexíveis, e seu alto teor de cálcio é absolutamente importante à saúde canina.

Além disso, mastigar ossos mantém os dentes deles limpos. Sem mais contas astronômicas do dentista!

E as bactérias do alimento? Carne crua não é perigosa?

Os lobos parecem ficar muito bem ao comer carne crua até já um pouco velha.

Os estômagos dos cães estão equipados para lidar com as bactérias da mesma forma, então não se preocupe com contaminação.

Ainda assim, os seres humanos são vulneráveis, então lave as suas mãos!

Muitas pessoas são contra uma dieta de carne crua por medo da E. Coli ou outras bactérias.

E claro, envenenar o seu cão é a última coisa que você quer fazer!

Mas lembre-se que cães e gatos, ao contrário dos humanos, são biologicamente projetados para comer carne crua, e têm um sistema digestivo construído para minimizar o risco.

Carnívoros têm um sistema digestivo muito mais ácido, o que elimina muitos patógenos alimentares que infectariam um ser humano.

É mais provável que você pegue uma E. Coli ao tocar o alimento do seu animal de estimação!

(Apesar disso ser facilmente evitável apenas tomando as mesmas precauções de lavar as mãos, como você faria com qualquer carne crua, e limpando a tigela do seu animal cuidadosamente com sabão e água quente.)

De toda forma, alguns veterinários podem optar por carne cozida (novamente, sem sal ou temperos), e isso pode funcionar muito bem para alguns animais de estimação

E se meu cachorro estiver com prisão de ventre?

Novamente, o esforço é de fato bom para seu cão.

Mas se as fezes absolutamente se recusarem a sair, um pouco de abóbora crua irá ajudar.

A abóbora crua também ajuda a deixar as fezes mais firmes.

Quanto devo dar de comida?

Vamos usar um Retriever de 30kg como exemplo.

Assumindo que ele faça bastante exercício, alimentá-lo com cerca de 700g a 900g de carnes variadas e ossos é suficiente.

Porém, é claro que tudo varia de cão para cão.

Uma regra prática segundo o Mark Sisson é a seguinte.

Se você não consegue sentir suas costelas, reduza a comida.

Se suas costelas estão um pouco proeminentes demais, dê mais comida.

Só carne?

Legumes podem ser adicionados na dieta do seu cão.

Na verdade é até mesmo recomendável.

Cenouras são divertidas de mastigar – e outros vegetais como brócolis, espinafre e aipo podem ser moídos e adicionados a uma mistura de carne moída, por exemplo.

Suplementar com óleo de peixe também é utilizado para alguns donos para seu cão ficar com um pêlo ainda mais brilhante e saudável

Como Posso Aprender Mais?

A veterinária Patrícia Tassinari explica de maneira mais aprofundada sobre a alimentação saudável de cachorros e gatos no seu programa Pet Forte.

Você pode saber mais sobre esse programa clicando aqui.

E você?

Paleo Pet 15

Você tem ou já teve um pet? Sentiu que este texto foi útil para você?

Como você o alimenta?

Conte para a gente, e vamos continuar essa conversa sobre saúde dos nossos animais nos comentários!

Conheça_o_programa_completo_para (2)

Referências:

  1. “Pets Really Are Members of the Family.” Harris Interactive: Harris Polls. N.p., n.d. Web. 13 Apr. 2015.
  2. Morey, Darcy F. “The early evolution of the domestic dog.” American Scientist(1994): 336-347.
  3. Pesquisa Nacional de Saúde – PNS – Biblioteca do IBGE ( biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv94074.pdf)
  4. “Americans Spent a Record $56 Billion on Pets Last Year.” CBSNews. CBS Interactive, n.d. Web. 13 Apr. 2015.
  5. Finley, Rita, et al. “Human health implications of Salmonella-contaminated natural pet treats and raw pet food.” Clinical infectious diseases 42.5 (2006): 686-691.
  6. Milton, Katharine. “Hunter-gatherer diets—a different perspective.” The American journal of clinical nutrition 71.3 (2000): 665-667.
  7. Creel, Scott, and Nancy Marusha Creel. “Communal hunting and pack size in African wild dogs, Lycaon pictus.” Animal Behaviour 50.5 (1995): 1325-1339.
  8. Fitzgerald, B. MIKE, and Dennis C. Turner. “Hunting behaviour of domestic cats and their impact on prey populations.” The domestic cat: the biology of its behaviour. Edited by DC Turner and P. Bateson. Cambridge University Press, Cambridge (2000): 151-176.
  9. Sudano, Maurizio, and Franco Gregorio. “Ancestral diets and modern diseases.” Mediterranean Journal of Nutrition and Metabolism 4.3 (2011): 181-189.
  10. Mooney, M. A., et al. “Evaluation of the effects of omega-3 fatty acid-containing diets on the inflammatory stage of wound healing in dogs.” American journal of veterinary research 59.7 (1998): 859-863.
  11. Buff, P. R., et al. “Natural pet food: A review of natural diets and their impact on canine and feline physiology.” Journal of animal science 92.9 (2014): 3781-3791.
  12. Burns, Katie. “Recall shines spotlight on pet foods.” Recall (2007).
  13. Brown, Cathy A., et al. “Outbreaks of renal failure associated with melamine and cyanuric acid in dogs and cats in 2004 and 2007.” Journal of Veterinary Diagnostic Investigation 19.5 (2007): 525-531.
  14. Thompson, Angele. “Ingredients: where pet food starts.” Topics in companion animal medicine 23.3 (2008): 127-132.
  15. Papadopoulos, Manthos C. “Processed chicken feathers as feedstuff for poultry and swine. A review.” Agricultural Wastes 14.4 (1985): 275-290.
  16. Knueven, Doug, DVM, CVA, CAC. The Holistic Health Guide, Natural Care for the Whole Dog. (2008)
  17. Rumsey, T. S., T. H. Elsasser, and S. Kahl. “Performance and digestibilities of beef cattle fed diets supplemented with either soybean meal or roasted soybeans and implanted with Synovex.” Journal of animal science 77.7 (1999): 1631-1637.
  18. Schlesinger, Daniel P., and Daniel J. Joffe. “Raw food diets in companion animals: A critical review.” The Canadian Veterinary Journal 52.1 (2011): 50.
  19. Pottenger, Francis Marion. Pottenger’s cats: a study in nutrition. Price-Pottenger Nutrition Foundation, 1983.
  20. Stogdale L, Diehl G. In support of bones and raw food diets [Letter] Can Vet J. 2003;44:783.
  21. Billinghurst I. Feeding the adult dog. Give your dog a bone. Alexandria, Australia: Bridge Printery, 1993:265–280.
  22. Jew, Stephanie, Suhad S. AbuMweis, and Peter JH Jones. “Evolution of the human diet: linking our ancestral diet to modern functional foods as a means of chronic disease prevention.” Journal of medicinal food 12.5 (2009): 925-934.
  • Renata

    Tenho um porquinho da índia e a dentista disse que a ração é como chocolate. Deve-se dar ao pet apenas de vez em quando! Dou bastante verduras cruas, cenouras e tomate, além de maçã e mamão! Ás vezes ele come banana também!

    • Oi Renata!

      Exato. Em casa é assim também – damos ração como um petisco, poucas vezes no mês

      Abraços!

  • Boa noite! Obrigado pelo carinho

    Em relação aos ossos de galinha o ideal é consultar um profissional. Esses ossos costumam ser mais moles que os de boi, então é mais fácil o cachorro quebrar e engolir (nesse caso há risco de perfurações internas). Ossos como fêmur são mais recomendados, principalmente para cachorros maiores

    Esperamos ter ajudado e vale lembrar que a opinião profissional continua sendo determinante!

    Abraços

  • Oi Germana!

    Realmente uma empresa que balanceasse a alimentação a partir de alguns dados individuais dos animais, e a preparasse, seria muito útil para nós! Em São Paulo já existe algo parecido, mas é necessária receita veterinária com a alimentação para o animal

    Quem sabe um dia chegamos a isso, certo? Até lá o jeito é ir adaptando e tentando dar o melhor aos nossos queridos pets!

    Abraços