Descubra Os 9 Alimentos Que Fizeram Você Acreditar Que Eram Bons Para Sua Saúde Mas Na Verdades Não São

Cada vez que você come ou bebe, você está ou alimentando a doença, ou a está combatendo.”

— Heather Morgan

Comer de maneira saudável parece fácil, não é mesmo?

Afinal de contas, é só:

  • comer comida de verdade,
  • evitar açúcares processados e farinhas, e
  • não tomar refrigerantes.

No entanto, nem sempre temos com muita clareza a separação do que é saudável e do que não é.

Até porque os fabricantes de alimentos com frequência se aproveitam dessa confusão para vender mais de seus produtos.

Por isso, neste artigo, vamos elencar 9 alimentos que muita gente que começa a fazer dieta acha que são saudáveis…

Mas que, na verdade, não são.

Por isso, se você também tem interesse em saber a verdade sobre as informações nutricionais dos alimentos, e sobre o que é melhor para você em termos de treino, alimentação e estilo de vida saudável…

Então deixe seu email na caixa acima — para receber nossas dicas gratuitamente um par de vezes por semana.

Deixou seu email? Ótimo!

Então vamos começar com o nosso primeiro alimento.

Alimento Que Não É Saudável #1 — Tapioca

E o nosso alimento negativo para a saúde #1 é a tapioca.

A tapioca é um alimento que:

  • muita gente acha que é saudável,
  • muita gente se esforça para acrescentar na dieta, mas que
  • não traz benefício nenhum.

Por quê?

Porque a tapioca é composta apenas por carboidratos de alto índice glicêmico.

Uma porção de tapioca de 100 gramas — só a massa —  tem cerca de 60 a 70 gramas de carboidratos na forma de amido.

Relacionado: veja aqui a quantidade de carboidratos dos principais alimentos.

E, nesses 100 gramas de tapioca, não tem praticamente nenhum micronutriente saudável para você.

Não tem nenhuma proteína.

Não gorduras nem fibras para fornecer alguma saciedade.

Por isso, não vemos muito motivo para incluir a tapioca na sua dieta.

Ah, mas eu gosto muito de tapioca!”

Tudo bem!

Ela (provavelmente) não vai te matar nem nada assim — sendo que já escrevemos sobre a tapioca na dieta low-carb.

E existem alguns contextos em que ela funciona.

Por exemplo, ela pode ser interessante após um treino intenso, especialmente para pessoas que não precisam perder peso.

No entanto, para quem deseja emagrecer com dieta low-carb, a tapioca, via de regra fica de fora.

Pois, por ela ser composta apenas por carboidratos, ela não se encaixa numa proposta de cardápio para a dieta low-carb.

Resumindo: A tapioca é composta apenas por carboidratos, sendo praticamente desprovida de nutrientes além do amido.

Sua principal vantagem em relação aos pães é a ausência de glúten — mas isso não faz dela uma boa opção para a dieta low-carb.

Alimento Que Não É Saudável #2 — Óleo De Canola

O óleo de canola recebeu uma aura de saudável porque ele não tem muito pouca gordura saturada em sua composição.

Sendo que a maior parte dos seus ácidos graxos são do tipo ômega 6, poli-insaturados.

Porém, o óleo de canola é extremamente processado, e passa por uma infinidade de processos e recebe uma infinidade de outros aditivos químicos para chegar à forma comercializada nos mercados.

Só que as gorduras saturadas não necessariamente são ruins para a sua saúde.

Enquanto óleos vegetais refinados, sim.

Se você se sente um pouco perdido(a) em relação a quais gorduras utilizar para cozinhar, recomendo que leia este texto completo.

Mas vale dizer que até azeite de oliva pode ser usado — e ele é bem mais saudável do que o óleo de canola.

Resumindo: a canola é um óleo altamente refinado e industrializado, que não traz nada de bom para você — muito pelo contrário.

O óleo de canola é provavelmente um dos piores “alimentos” do mundo — disputando esse posto com nosso alimento #3: a margarina.

Alimento Que Não É Saudável #3 — Margarina

A margarina entra na mesma categoria dos óleos vegetais que nós mencionamos.

Porém, a margarina é ainda pior, pois ela tem um “agravante”.

O agravante é o fato de ela ser parcialmente hidrogenada —  o que significa que ela é rica em gorduras trans artificiais.

(Aquele tipo de gorduras que praticamente todo mundo já sabe que faz mal para a saúde.)

O triste e curioso é notar que o marketing ao redor das margarinas ainda tenta enfatizar que elas seriam “boas para o coração”.

Sendo que justamente o fato de elas serem ricas em ácidos graxos Ômega-6, pró-inflamatórios, deveria ser um sinal de cautela — pois eles podem prejudicar o sistema cardiovascular.

Resumindo: não existem evidências que apontem que a margarina seja superior à boa e velha manteiga — de fato, ela parece ser bem pior.

Por isso é que é tão importante se informar a respeito da alimentação saudável e responder dúvidas e eliminar mitos.

Para que você possa assumir o controle da sua saúde.

Relacionado: conheça nosso livro completo com 120 verdades sobre alimentação e saúde

Alimento Que Não É Saudável #4 — Pão Integral

E nosso alimento #4 é o pão integral.

Sim, aquele exato tipo de pão cheio de grãos, que custa super caro nos mercados.

Sendo que ele tem essa aura de “mais saudável” justamente por levar mais grãos em sua composição.

No entanto, a verdade é que esse “excesso” de outros grãos não traz benefícios a sua saúde.

Ele continua tão rico em carboidratos, praticamente, quanto o pão branco.

E ainda tem o agravante para muitas pessoas que consomem pão, que é o fato de ele ser rico em glúten.

Sendo assim, o pão integral continua tendo praticamente a mesma quantidade de glúten e a mesma quantidade de carboidratos do pão normal.

Ou seja: você vai estar pagando muito caro e não vai estar colhendo os benefícios de se abster desses dois elementos.

Sem contar que o próprio trigo já traz alguns malefícios para a saúde.

Pois pesquisadores têm encontrado outros antinutrientes no trigo além do glúten.

Por exemplo, a aglutinina de gérmen de trigo, e a gliadina — mas não vamos nos alongar neste tópico agora.

Basta saber que o pão integral conta com os mesmos problemas.

Se você deseja saber mais sobre isso, pode baixar um infográfico explicando os 11 males do trigo gratuitamente clicando aqui.

E esses antinutrientes — incluindo o glúten e outros —  podem fazer mal, inclusive, para aquelas pessoas que não têm doença celíaca.

Pois podem ou criar problemas em longo prazo, ou gerar desconfortos.

Resumindo: para boa parte das pessoas, experimentar um período sem pão (branco e também integral) parece ser uma experiência válida.

Muitas pessoas se beneficiam de dietas de eliminação estilo Whole30 ou mesmo uma dieta paleolítica. E depois decidem se vão reintroduzir o pão ou não.

(Muitas optam por ficar sem ele, ou trocar por algum tipo de pão low-carb sem trigo.)

Alimento Que Não É Saudável #5 — Macarrão Integral

O macarrão integral entra na mesma linha do pão integral.

Isto é: a ideia de que, por ter um pouco a mais de fibras, e ser um pouco menos processado, ele seria bom para a sua saúde.

Entretanto, ele continua sendo composto majoritariamente por carboidratos, oferecendo pouco ou nenhum valor nutricional, e ainda (assim como no caso do pão) fornecendo calorias e glúten em abundância.

Muitas pessoas que comem macarrão integral pensando em emagrecer, mas que ficam rodando sem sair do lugar…

Acabam tendo resultados muito superiores simplesmente ao trocá-lo por vegetais, ou por macarrão de abobrinha.

Eu sei que aconteceu exatamente isso comigo: comia macarrão integral com molho de tomate de baixa caloria e peito de frango (com pouco sal).

Não gostava desse menu — e nem via resultados.

Troquei tudo isso por saladas saborosas e omelete com queijo e bacon… e os resultados finalmente começaram a aparecer.

(Além de eu começar a fazer meu próprio molho de tomate caseiro — muito mais gostoso e saudável.)

Resumindo: macarrão integral não é nutritivo e “emagrecedor”. Você consegue resultados melhores se optar por refeições como as que fazem parte deste cardápio grátis de 7 dias.

Alimento Que Não É Saudável #6 — Açúcar Mascavo, Açúcar Demerara, Açúcar De Coco…

O nosso sexto alimento da nossa lista “supostamente saudável” é composto de uma doce mentira.

E a mentira é o fato de serem propagandeados como saudáveis alimentos como:

  • açúcar de coco,
  • açúcar demerara,
  • açúcar mascavo,
  • açúcar orgânico,
  • açúcar cristal,

dentre outras “variações” do açúcar.

(Incluindo aí adoçantes naturais populares, como mel e xarope de agave.)

Mas a semelhança entre todos esses compostos é a seguinte.

A de que todos eles são açúcares, e todos eles têm uma elevada quantidade de carboidratos.

E esse monte de carboidratos, quando chegarem ao seu organismo, vão se comportar de forma praticamente igual.

O seu organismo não sabe qual foi mais ou menos refinado.

Ou, como enfatizou o brilhante Dr Souto em entrevista ao nosso podcast:

O pâncreas (órgão que secreta insulina) é agnóstico no que diz respeito à origem do açúcar.

Mas por que esses açúcares continuam a serem difundidos como saudáveis?

O fato é que muitas pessoas preferem essas outras versões de açúcar (como o mascavo e o demerara) porque eles são menos processados.

E, por isso, eles teriam mais micronutrientes do que o açúcar refinado branco.

Isso até é verdade.

Pois esses açúcares têm sim um pouco mais de micronutrientes.

No entanto, é uma quantidade desprezível de micronutrientes a mais.

Isto é: você teria de comer quilos e quilos de açúcar para esses micronutrientes fazerem alguma diferença na sua dieta.

Mas, ao comer esses “quilos e quilos de açúcar”, você teria os malefícios do consumo dessa quantidade excessiva.

Sendo assim, simplesmente não é possível colher qualquer benefício de saúde ao comer esses alimentos.

É um jogo que não tem como você sair ganhando.

A melhor opção, nesses casos, se você quer seguir uma dieta low-carb e diminuir o consumo de açúcares é, realmente, evitar todos eles.

Sendo que, se você está contando com açúcar mascavo para adicionar nutrientes em sua alimentação…

Então algo está muito errado com a sua dieta.

Porque existem inúmeros outros alimentos muito mais ricos em micronutrientes e muito mais pobres em carboidratos.

Resumindo: nenhum açúcar é “saudável” para você.

Quando for consumir açúcar (o que não deveria ser o tempo todo, apenas em exceções), pode consumir o mais barato sem culpas.

Alimento Que Não É Saudável #7 — Óleo De Cártamo

E eis que surge outro óleo vegetal na nossa lista de alimentos falsamente saudáveis.

Desta vez, trata-se do óleo de cártamo.

O “engraçado” deste caso é que ele não costuma ser utilizado para cozinhar (como o óleo de canola…

Nem como aditivo a sanduíches ou ingrediente de bolos (como a margarina)…

Mas sim vemos muitas pessoas o utilizando como suplemento alimentar.

Isto é: elas ingerem óleo de cártamo em cápsulas!

Este é um daqueles momentos em que temos de tirar o chapéu para os departamentos de propaganda da indústria…

Porque eu jamais imaginaria que eles conseguiriam enganar as pessoas a este ponto.

(Chega quase ao mesmo nível de convencer as pessoas que elas teriam de comer mais vezes por dia para emagrecer em vez de menos — com toda aquela história de que comer a cada 3 horas seria bom, e que jejum faria mal.)

Ou seja: convenceram as pessoas de que ingerir calorias sem necessidade (na forma de gorduras vindas de um óleo ultraprocessado) ajudaria a emagrecer.

E isso em adição às gorduras já consumidas na alimentação, e às utilizadas para cozinhar.

Sendo que as calorias ainda importam para emagrecer — mesmo em uma dieta low-carb.

Além das calorias, o óleo de cártamo é rico em ácidos graxos ômega-6 (sem praticamente nenhum ômega-3), o que pode piorar as proporções entre esses tipos de gorduras e causar efeitos adversos na saúde.

Resumindo: óleo de cártamo é refinado, não é saudável, e não ajuda a emagrecer. Consumido na forma de suplementos, também adiciona calorias sem fornecer saciedade (importante para emagrecer sem passar fome).

Alimento Que Não É Saudável #8 — Barrinhas De Cereal

Nosso oitavo alimento que não é saudável são as famosas barrinhas de cereal.

Eu fico triste cada vez que nós falamos disso.

Porque, por muitos e muitos anos — penso que por mais de uma década da minha vida —  as barrinhas de cereal foram meu lanche de escolha.

Simplesmente porque eu pensava que elas eram uma opção saudável.

(Hoje em dia conheço alternativas de lanches mais inteligentes.)

Eu ainda lia o rótulo, e escolhia as que tinham menos calorias…

Mas, mesmo assim, nunca me preocupei em ver a proporção dos nutrientes delas, o quanto daquilo era açúcar, qual era a qualidade da alimentação.

Eu apenas contava calorias e não tinha resultado.

E agora sabemos que as barrinhas de cereais são uma péssima opção.

Sendo que grande parte dos ingredientes são diversos açúcares da pior qualidade, como:

  • glicose,
  • flocos multicereais,
  • farinha de arroz,
  • milho,
  • trigo,
  • cevada,
  • aveia,
  • açúcar,
  • maltodextrina,
  • extrato de malte,

e muitos outros — esses são os ingredientes mais presentes!

Além de aditivos e conservantes.

(Fonte: Barra de Cereais NUTRY Avelã com Chocolate.)

Resumindo: barra de cereais nada mais é do que um monte de carboidratos refinados juntos, que não estragam por estarem imersos em diversos aditivos e conservantes.

Se você quer consumir carboidratos, é mais inteligente optar por alimentos de verdade como batata, mandioquinha, e mesmo algumas frutas.

Embora as frutas não sejam ideais como lanches, frutas low-carb como coco e abacate são opções muito superiores a barrinhas industrializadas.

E, se você gosta de barrinhas com chocolate como lanche ou sobremesa, provavelmente vai preferir a receita que ensinamos no vídeo abaixo.

Alimento Que Não É Saudável #9 — Suco De Fruta

O nosso nono alimento é o suco de fruta.

O suco de fruta é uma abominação que o ser humano criou para pegar a parte ruim da fruta (o excesso de açúcares) e remover as partes boas (como, por exemplo, as fibras e o bagaço).

Ou, como o médico canadense Dr Jason Fung (autor de livros sobre obesidade e jejum intermitente) diz:

Se o açúcar das frutas fosse um veneno, então as fibras age como um antídoto.”

E, ao tomar o suco de frutas, você estaria justamente descartando o antídoto — e ficando só com o “veneno”.

(Usamos as aspas porque não é um veneno literal.

Mas julgamos que esta é uma metáfora para lembrar de que o processamento de alimentos naturais tende a vir com desvantagens.

E que a natureza tende a ser menos burra do que as pessoas.)

Por fim, vemos o suco de frutas sendo usado como “saudável” como alternativa aos refrigerantes.

No entanto, é necessário se atentar ao fato de que uma latinha de suco de frutas pode ter a mesma quantidade de açúcar do que uma quantidade equivalente de refrigerante — ou mesmo mais.

Por isso, se você busca melhorar a qualidade da alimentação e reduzir o consumo de açúcares, optar pelo suco de frutas é uma escolha ruim.

E só para lembrar — o refrigerante também faz mal.

Por isso, prefira café, chá, água… ou mesmo uma água saborizada.

Resumindo: um copo de suco de laranja, por exemplo, nada mais é do que o açúcar de 5 a 6 laranjas… sem as fibras e a saciedade.

Muitas vezes, sucos de frutas industrializados têm mais açúcares do que uma quantidade equivalente de refrigerante.

E, para você que leu até aqui, temos um alimento bônus.

Alimento Bônus — Sal Rosa Do Himalaia

O sal rosa (ou sal do Himalaia, ou sal marinho, ou sal celta… enfim, todo tipo de “sal integral”) não entrou na lista oficial por um simples motivo.

O de que ele não faz mal à saúde.

Sendo que muita gente o consome pensando que vai colher diversos benefícios para a saúde.

Todavia, não é bem assim que as coisas acontecem.

As pessoas que acreditam que o sal integral tem mais nutrientes que o sal comum de mesa.

Porém, essa questão é a mesma dos “açúcares menos refinados”.

(Lembra do nosso item #6?)

O de que pode até ser que os sais integrais tenham mais nutrientes do que o sal comum.

Assim como os açúcares menos refinados têm mais nutrientes do que o açúcar comum.

Porém é uma quantidade infinitamente pequena, que não vai fazer diferença na sua dieta.

Porque você teria de comer muitos e muitos e muitos gramas desses sais por dia para ter alguma diferença.

Sendo que nós podemos dizer o seguinte.

O sal não é uma boa fonte de nenhum micronutriente que não seja o sódio.

E repetimos ainda (numa direta analogia com o caso do açúcar): se a sua dieta depende do Sal do Himalaia para ser rica em nutrientes, então tem algo muito errado com ela.

Afinal de contas, é muito mais fácil (e sensato) os nutrientes virem de vegetais, carnes, ovos e você usar o sal normal, do que os nutrientes virem do Sal do Himalaia.

Então, ou seja, é melhor você economizar o dinheiro que gastaria comprando sais exóticos para investir em comidas de verdade e de qualidade.

Sendo que é possível haver um problema nessa troca do sal normal pelo Sal do Himalaia.

Isso porque os sais de mesa brasileiros são iodados por lei — já os sais integrais, não necessariamente.

Sendo que o iodo é um nutriente importante para nossa saúde, então esse é mais um ponto a se considerar.

Essa observação perspicaz foi feita pelo nutricionista João Gabriel em uma entrevista para o nosso podcast (em que falamos muito sobre sal e índice glicêmico).

Recomendo que você escute se tem dúvidas sobre esses temas.

Resumindo: Os sais integrais não fazem mal à saúde — mas também não são melhores que o sal comum.

Economize seu dinheiro e invista em conhecimento.

Conclusão E Palavras Finais

Fizemos esta lista porque nós pessoalmente já caímos no “conto do alimento saudável” muitas vezes.

Especialmente com o consumo de pães integrais, no qual passávamos margarina, para acompanhar o suco.

É um “combo” de mitos!

(Agora conhecemos opções melhores de café da manhã.)

Mas e você, já caiu no conto do “alimento saudável”?

Qual desses te enganou — ou foi outro alimento ainda?

Comente aqui embaixo, e vamos continuar essa conversa nos comentários!

Forte abraço!

Relacionado: fuja de outros mitos conhecendo as 120 verdades da alimentação saudável

Referências

Algumas referências utilizadas na elaboração deste texto estão elencadas abaixo.

Essas foram fontes úteis de dados que utilizamos na elaboração do texto e também do vídeo original — conteúdo que publicamos em nosso canal do YouTube.

Se você deseja receber vídeos gratuitamente todas as semanas — com dicas práticas e receitas low-carb — clique no link abaixo para se inscrever.

Quero ter saúde com vídeos grátis!

  1. Tabela Brasileira de Composição de Alimentos – TACO. 4ª edição revisada e ampliada. Unicamp, 2011 http://www.cfn.org.br/wp-content/uploads/2017/03/taco_4_edicao_ampliada_e_revisada.pdf
  2. How It’s Made: Canola Oil. 17 Feb 2011. https://www.youtube.com/watch?v=omjWmLG0EAs
  3. Simopoulos, A. P. (2006). Evolutionary aspects of diet, the omega-6/omega-3 ratio and genetic variation: nutritional implications for chronic diseases. Biomedicine & Pharmacotherapy, 60(9), 502–507. http://doi.org/10.1016/j.biopha.2006.07.080
  4. de Lorgeril, M., & Salen, P. (2012). New insights into the health effects of dietary saturated and omega-6 and omega-3 polyunsaturated fatty acids. BMC Medicine, 10(1), 50. http://doi.org/10.1186/1741-7015-10-50
  5. You, M., Considine, R. V., Leone, T. C., Kelly, D. P., & Crabb, D. W. (2005). Role of adiponectin in the protective action of dietary saturated fat against alcoholic fatty liver in mice. Hepatology, 42(3), 568–577. http://doi.org/10.1002/hep.20821
  6. Woodhill, J. M., Palmer, A. J., Leelarthaepin, B., McGilchrist, C., & Blacket, R. B. (1978). Low Fat, Low Cholesterol Diet in Secondary Prevention of Coronary Heart Disease. In Drugs, Lipid Metabolism, and Atherosclerosis (Vol. 109, pp. 317–330). Boston, MA: Springer US. http://doi.org/10.1007/978-1-4684-0967-3_18
  7. Ramsden, C. E., Zamora, D., Majchrzak-Hong, S., Faurot, K. R., Broste, S. K., Frantz, R. P., et al. (2016). Re-evaluation of the traditional diet-heart hypothesis: analysis of recovered data from Minnesota Coronary Experiment (1968-73). BMJ (Clinical Research Ed.), 353, i1246. http://doi.org/10.1136/bmj.i1246
  8. Souto, J.C. “Densidade nutricional e “superfoods””. Ciência Low-Carb, 16 de junho de 2015. http://www.lowcarb-paleo.com.br/2015/06/densidade-nutricional-e-superfoods.html
  9. Fung, J. “Fibre — the anti-nutrient”. Personal Growth, 15 de outubro de 2017. https://medium.com/personal-growth/fibre-the-anti-nutrient-612603de4cec
  10. Drake, S. L., studies, M. D. J. O. S., 2011. (n.d.). Comparison of salty taste and time intensity of sea and land salts from around the world. Wiley Online Library. https://doi.org/10.1111/j.1745-459X.2010.00317.x