Podcast #041 — Nutri E Fisiculturista Giovana Guido Revela Os Segredos Para Secar Barriga

O fisiculturismo nada mais é do que a musculação levada a um nível profissional.”

O episódio de podcast de hoje é com a nutricionista e atleta Giovana Guido.

Ficamos muito felizes ao fazer essa entrevista, e por dois motivos.

O primeiro motivo é que vocês que sugeriram que a entrevistássemos.

E é sempre um prazer atender seus pedidos, queridos Tanquinhos e Tanquinhas!

O segundo motivo é que a Giovana não decepcionou.

Porque ela ensinou várias dicas e lições valiosas nesses 40 minutinhos que conversamos com ela.

Você vai ver que a Giovana revela tudo sobre:

  • a importância de ter um cardápio,
  • como a Giovana usa jejum e low-carb para secar para competições,
  • os maiores erros dos amadores que seguem atletas no Instagram,
  • como o esporte ensinou o que a faculdade não ensinou,
  • sinais e sintomas para observar de que sua dieta pode estar dando errado,
  • dieta e treino: quais as diferenças para homens e mulheres,
  • erros no processo de hipertrofia muscular,
  • como secar a barriga,
  • dicas de saciedade e suplementação para eliminar gordura,
  • a mensagem final da Giovana para você,

e muito, muito mais!

Ouça o podcast clicando no player abaixo:

Assine: iTunes | Android | Stitcher | RSS | Soundcloud

E se inscreva (em algum dos links acima) para receber episódios grátis no seu telefone ou player favorito todas as segundas-feiras.

Alternamos entrevistas com especialistas (como o Dr. Souto falando sobre hipotireoidismo, a Paty Ayres falando de dieta cetogênica, a Jade Soller falando de dieta carnívora)…

Com episódios curtinhos para te fazer pensar — como este aqui sobre a importância da sua força.

A transcrição completa do episódio está abaixo.

E, depois de ler (ou escutar), lembre-se de mandar um “oi” para a Giovana.

Porque ela vai AMAR saber que você ouviu o podcast!

As melhores maneiras de fazer isso são:

Essas são as melhores maneiras de acompanhar o trabalho dela também.

Tendo dito tudo isso, divirta-se!

Pegue papel e caneta, e anote as dicas da Giovana Guido!

Você Gosta De Nossas Entrevistas Nos Podcasts?

Então vai gostar de conhecer nosso livro “As 120 Verdades Sobre A Dieta Low-Carb”.

Disponível também em formato AudioBook – desenvolvido especialmente para você que adora escutar nossos conteúdos enquanto dirige, cozinha, limpa a casa, se exercita ou caminha com seu cachorro.

Nesse livro, nós compilamos todo nosso conhecimento adquirido ao longo de mais de 5 anos em um formato direto e cativante de perguntas e respostas.

Inclusive, se você gosta de nossos entrevistados, saiba que vários deles tiveram acesso ao nosso livro e nos forneceram diversos feedbacks que foram incorporados a versão do final do livro.

Clique aqui para saber mais sobre o livro “As 120 Verdades Sobre A Dieta Low-Carb”.

Transcrição Completa Do Podcast

Guilherme: Bem-vindo a mais um podcast do Senhor Tanquinho. Eu sou o Guilherme.

Roney: E eu sou o Roney. E aqui a nossa missão é deixar você no controle do seu corpo.

Guilherme: Olá, Tanquinho! Olá, Tanquinha!

Bem-vindos a mais um episódio do nosso podcast.

E hoje — a pedido de vocês — nós contamos com a Giovana Guido. Tudo bem, Gi?

Giovana Guido: Olá, meninos! Tudo bem e vocês?

Guilherme: Tudo ótimo!

Roney: Tudo bem por aqui também!

Giovana Guido: Obrigada pelo convite.

Roney: Imagina!

A Giovana, para quem não conhece, é nutricionista e atleta IFBB.

Então, Giovana, como nós podemos te apresentar para o pessoal que está nos escutando agora?

Giovana Guido: Primeiramente eu sempre me apresento como nutricionista.

Porque é a minha formação.

Eu tenho especialização em Nutrição Clínica e Esportiva.

Atualmente eu foco bem na Nutrição Esportiva, mas eu também puxo para o lado da saúde, que é o mais importante.

Eu competi também no passado, por alguns anos, na categoria biquíni do fisiculturismo; eu fazia parte da IFBB.

Faz um tempo que eu não compito. Estou planejando, talvez, voltar.

Mas como foi uma fase de muitos aprendizados, eu sempre gosto de falar também das minhas experiências como atleta, porque eu acho que agrega muito.

E, querendo ou não, quando nós queremos mudar o nosso corpo e chegar naquele shape que nós queremos, tem que ter estratégias que os fisiculturistas usam.

Então por isso que eu sempre coloco a minha experiência como nutricionista e como atleta também nos meus conteúdos.

Guilherme: Excelente!

Com certeza esse viés mais prático, de quem viveu na pele isso, ajuda a direcionar também.

Explica um pouquinho o que é essa competição, o que é uma atleta IFBB Bikini, o que são essas coisas para o público que não conhece esses termos.

Giovana Guido: Certo.

O fisiculturismo nada mais é do que a musculação levada a um nível profissional.

Ou seja, os atletas mudam o corpo —  seja homem, seja mulher — baseado na dieta e no treino de musculação.

Você nunca vai ver um atleta de fisiculturismo, às vezes, praticando outros esportes. Até tem, mas é raro. Geralmente está ali na sala de musculação. É onde você vai lapidar o seu corpo.

Existem várias categorias dentro do fisiculturismo.

As pessoas pensam que fisiculturista é sempre uma pessoa muito musculosa, mas hoje em dia nós já temos o fitness dentro do fisiculturismo, que é onde a minha categoria entra.

Então nós temos mulheres bem musculosas, sim, dentro do fisiculturismo; mas nós temos as mulheres mais fitness, que seria uma coisa mais magrinha, mais definida, que é a categoria biquíni.

Então o objetivo do atleta do fisiculturismo é ter um certo nível de massa muscular e o mínimo de gordura possível, para mostrar esses músculos.

  1. Seja só um pouquinho de músculo, como se fosse uma biquíni; ou
  2. seja muito músculo, como se fosse um bodybuilder, por exemplo.

Relacionado: Veja a nossa entrevista com o fisiculturista (bodybuilder) Caio Bottura

Roney: Certo.

Nós sabemos que uma boa parte da preparação para uma competição envolve a eliminação de gordura corporal – não só construção de massa magra, como eliminação de gordura corporal.

Que tipo de considerações você tem em mente quando se prepara para uma competição?

Giovana Guido: A primeira coisa para eliminar gordura corporal é a dieta, sem dúvida.

Então não adianta ir todo dia para a academia, fazer cardio, fazer musculação, se quando você está na sua casa ou no trabalho, você não segue uma coisinha regrada.

Eu costumo falar que um dos principais segredos dos fisiculturistas para queimar gordura, para mudar o corpo, primeiro: é ter um cardápio para seguir.

Então não é chegar na cozinha ou chegar em um restaurante e: “Ah, o que eu vou comer hoje?”. Isso não existe para um fisiculturista. Ele tem tudo planejado.

Relacionado: aprenda a montar seu cardápio para emagrecer

E segundo: carregar comida.

É uma das coisas que todos os atletas fazem.

Tenho certeza que muitos de vocês que estão ouvindo acompanham algum atleta no Instagram ou no YouTube e, ao acompanhar a realidade dele, você vai ver que ele ou ela sempre vai ter a comida ali contadinha.

São tantos gramas de frango, tantos ovos ou tantas castanhas, tantas doses de whey. Sempre tem.

Então, na minha opinião, uma das coisas mais importantes para queimar gordura, mudar o corpo, é ter esse planejamento de refeições e carregar a sua comida com você.

Fazer a sua comida em casa ou ter alguém que faça, para deixar a sua rotina certinha. Todo dia você tem que ter aquela rotina certinha.

Relacionado: neste vídeo, ensinamos como cozinhar para a semana em apenas 3 horas.

Guilherme: Entendi.

E é claro que, nesse afã, muita gente — especialmente os amadores, as pessoas que acompanham atletas — vê os atletas carregando marmita para todo lugar e fazendo dieta, cortando calorias e secando…

Às vezes as pessoas tentam emular essas técnicas em casa, sem muita noção do que estão fazendo.

Quais são alguns erros comuns que você ou dúvidas que surgem de quem acompanha no YouTube e tenta imitar na vida real — pessoas que não são atletas e tentam imitar isso na vida delas?

Giovana Guido: Olha, uma coisa que eu tenho observado muito atualmente, é a coisa do jejum intermitente, por exemplo.

Porque foi divulgado que o jejum é uma ótima estratégia para queimar gordura, reduzir o apetite, e realmente é, se for feita da forma correta.

Aí uma pessoa ouve isso e: “Ah, quero fazer jejum. Vou fazer jejum porque eu vou secar”.

Começa a fazer jejum, não tem uma alimentação-base adequada, tem uma dieta pobre em nutrientes, a pessoa não tem uma rotina séria de treinamento — ela vai na academia, normal, mas não pega tão pesado, não treina de uma forma intensa —  e a pessoa não sabe quais são as limitações dela.

Ou usa suplemento porque ouviu o amigo falar, ouviu o professor da academia falar… alguma coisa ela ouviu falar e quer fazer.

Isso é um erro.

Por quê? Porque, por exemplo, voltando para o jejum… jejum só deve ser feito após a pessoa passar por um período de reeducação alimentar e adaptação de uma dieta low-carb.

Porque  a pessoa faz jejum — e isso eu vejo muito — só que quando ela vai comer, ela tem uma alimentação pobre, falta nutriente, come tudo errado, não tem o que ela precisa para manter a nutrição dela em dia.

Ela até vai emagrecer no começo e ela vai ficar feliz, vai ficar empolgada, mas após pouco tempo ela vai pegar uma desnutrição, por exemplo.

E aí ela para de ter resultado, ela fica doente ou ela engorda tudo de novo, desenvolve uma compulsão… aí ela não tem o resultado e foi o que você falou: ela viu o atleta tendo resultado e “por que eu não tenho?”.

Porque começou a fazer tudo muito da cabeça, de repente, sem procurar orientação.

Esse é um grande problema das pessoas hoje em dia: ter muita pressa.

Então o meu principal conselho é: sempre quando você quiser começar alguma coisa, não tenha pressa.

Mudar o corpo demora, mudar a saúde demora, construir massa muscular e queimar gordura demora.

Então não adianta fazer as coisas porque viu o atleta fazendo, porque viu alguém na academia fazendo; sem buscar uma informação antes.

Por isso que eu sempre tento focar o meu trabalho para esse lado educativo, sabe?

Ensinar as pessoas, tentar motivar, explicar que não é fácil, não existe uma coisa milagrosa, uma coisa que vai funcionar de um dia para o outro.

Se tiver oferecendo muita coisa é porque pode ser mentira, então tem que tomar cuidado com isso. Não é porque o atleta faz, que você vai fazer igual, porque você não sabe há quanto tempo ele faz isso, quem o acompanha…

Geralmente atletas fazem coisas extremas, mas eles têm acompanhamento de médico, de nutricionista, de coach.

Sempre tem alguma coisa por trás.

Então tem que tomar muito cuidado com coisas extremas só porque acha que vai mudar o corpo radicalmente do dia para a noite.

Roney: Basicamente é: não existe pílula mágica, ?

Não adianta achar que vai fazer isso, come aquilo, que vai ver o resultado do dia para a noite, ?

Giovana Guido: Não.

Roney: Gi, nós sabemos que a preparação tende a ser bem exaustiva, como você falou, às vezes, várias coisas extremas; mas também com o acompanhamento de profissionais.

E nós queremos saber se existe algum tipo de sinal que você analisa, que você tenta perceber para saber: “Nossa, a dieta ou o treino estão muito pesados” ou “Eu vou continuar fazendo”.

Quais são os sinais que você tenta perceber durante essa fase?

Giovana Guido: Tem um sinal muito importante, que não só atletas, mas pessoas normais às vezes também sofrem com isso, é: quando demora demais para recuperar a sua musculatura.

Claro, que às vezes nós fazemos um treino mais intenso ou um treino novo… é normal o músculo demorar alguns dias a mais para recuperar.

Mas um dos primeiros sinais de que você, ou está com falta de nutrientes, ou está treinando além do que deveria, do que é saudável, pode ser essa recuperação muscular muito lenta.

Às vezes você treinou e demorou a semana inteira para recuperar aquele músculo. Isso pode ser um sinal.

Um outro sinal de que as coisas não estão indo muito bem é quando você já acorda cansado.

Isso pode significar muitas coisas.

Hoje em dia a nossa vida é um pouco corrida, um pouco estressante, então realmente… às vezes a pessoa tem filho, trabalha, estuda, então não tem como estar super bem disposto o dia todo.

Mas se todo dia você já acorda cansado, mal-humorado, sabe?

Que você quer acordar e desaparecer? Não quer ir para a sua rotina?

Se isso acontece muito, pode ser… é normal a gente às vezes acordar meio mal-humorado: “Ah, hoje eu não quero trabalhar!”. É normal. Todo mundo é assim. Mas se isso acontece todo dia, não é interessante.

Uma outra coisa também perigosa: pessoa que para funcionar ela precisa tomar um monte de cafeína, um monte de termogênico, pré-treino, todo santo dia.

Porque não é saudável.

Tudo bem você tomar um termogênico, um pré-treino algumas vezes por semana, para te dar uma acordada para você ir treinar.

Mas se você sobrevive à base desses produtos, você está em como se fosse uma carroça: sendo empurrada.

Então não é interessante também.

Pode significar que ou a sua dieta está muito restrita, está faltando nutrientes; ou você está treinando de forma muito exagerada — o que é mais difícil acontecer, viu?

Geralmente as pessoas pecam mais na alimentação. (Veja aqui como uma dieta low-carb pode fornecer todos os nutrientes necessários.)

E claro que as pessoas cometem erros em treinos, mas como o treino é só uma horinha por dia é mais difícil.

Dieta nós temos o dia inteiro para cometer erro, então é muito mais fácil cometer erro.

Então esses são alguns sinais que eu me lembro agora de cabeça.

Guilherme: Excelente, excelente. Acho que são ótimos sinais para acompanhar mesmo.

O jeito que você se sente, muitas vezes está querendo dizer alguma coisa.

Giovana Guido: Exato.

Guilherme: Você mencionou um pouco antes, a respeito da dieta low-carb e também do jejum… faz tempo que você usa essas estratégias?

Quando você começou a adotar esse tipo de protocolo e tal, para você e para clientes, enfim?

Giovana Guido: Low-carb desde quando eu comecei a me preparar para o meu primeiro show, que foi em 2013.

Porque é o que eu sempre falo: é difícil você ver alguém, um atleta ou alguma pessoa que quer secar gordura, conseguir secar com uma dieta super rica em carboidratos.

Pode acontecer? Pode.

Existe tudo quanto é tipo de genética aí pelo mundo, ?

Mas é praticamente impossível você ver um atleta comendo muito carboidrato.

Então, geralmente, todos os atletas têm uma dieta low-carb.

Então, foi quando eu aprendi sobre low-carb porque antes, mesmo já sendo nutricionista, não tinha muita informação.

Eu nunca tinha estudado muito sobre isso.

Low-carb já existia, claro, mas eu nunca tinha estudado muito sobre isso.

E foi quando eu me tornei atleta que eu comecei a ver: “Poxa, para mudar o meu corpo, eu tenho que restringir carboidrato, às vezes até mesmo carboidrato saudável”.

Então eu não podia ficar comendo um monte de batata doce, um monte de aveia, um monte de mandioca, por exemplo.

Se eu quisesse secar mais rápido, eu ia ter que cortar até mesmo os carboidratos mais saudáveis.

Relacionado: saiba quais são os alimentos permitidos e os “proibidos” na low-carb

Então eu comecei a aprender sobre low-carb aí.

Jejum, para vocês terem ideia, eu nunca tinha ouvido falar antes de… deixa eu ver… 2015, por exemplo, 2014, 2015.

É uma coisa que os nutricionistas não aprendiam na faculdade, não era uma informação, assim, muito popular; diferente de hoje.

A primeira vez que eu fiz jejum foi para a minha última competição, em 2015.

Eu precisava secar mais rápido, eu estava um pouquinho acima do peso ainda e eu comecei a ouvir alguns médicos falando sobre jejum, e falei: “Pronto, vou testar”.

Então eu fiz toda uma programação, adequei a minha dieta, comecei a testar e vi que o resultado é muito legal.

A gente sofre um pouco no começo, enquanto o corpo não está acostumado, mas foi quando eu comecei.

E a partir daí eu comecei a trazer essa informação para os meus seguidores, para os meus clientes.

E hoje é uma coisa que eu adoro, que eu defendo, que eu acho muito interessante, desde que feito da forma correta, que é o que eu sempre tento ensinar para as pessoas.

Roney: Legal, Gi.

Com certeza tem que ter uma orientação boa no começo para não sair fazendo um monte de bobagem ou ficando desnutrido, como você falou anteriormente.

Giovana Guido: As pessoas se empolgam!

Então o que eu vejo de comentário, tipo assim: “Nossa, eu comecei a fazer jejum e emagreci quatro quilos em uma semana!”.

Aí vêm os comentários abaixo: “Nossa! Como você fez? O que você comeu? Quantas horas de jejum?”. Ou seja, a pessoa já quer saber, ?

Porém, ao contrário disso, tem gente que fala: “Gi, estou fazendo jejum faz um mês e só emagreci um quilo”.

Então é aquela coisa: nunca dá para saber exatamente o que a pessoa está fazendo.

Às vezes as pessoas ficam bravas… inclusive hoje.

Eu adoro responder comentário, sabe?

Eu tento dar muita atenção para os meus seguidores.

É uma coisa que eu faço com o maior prazer, então apesar de receber centenas de comentários todos os dias, eu sempre tiro uma horinha para tentar.

Aí uma pessoa me deixou um comentário: “Gi, estou fazendo low-carb, estou fazendo jejum, mas não estou conseguindo emagrecer muito, minha glicose continua alta. O que pode ser?”.

Aí eu respondi para a pessoa: “Fulano, difícil eu te dizer o que pode ser. Eu já tenho vídeos aqui no meu canal com erros da low-carb, erros do jejum. Então tem que descobrir que erro você está cometendo”.

Vocês acreditam que a pessoa virou para mim e falou assim: “Nossa, mas que resposta vazia”.

Poxa, a pessoa esperava que eu fizesse um diagnóstico? Não dá para saber!

Minha filha/meu filho, não tem como fazer um diagnóstico porque cada um é cada um, então, por exemplo, às vezes uma pessoa não consegue emagrecer… eu já tenho até uma série de vídeos sobre isso no meu canal, foi muito interessante porque muita gente se identificou.

O tema era: “Por que eu não consigo emagrecer?”.

Porque quando a pessoa fala: “Não consigo emagrecer”, a única coisa que ela pensa, é: ou a minha dieta não está adequada, ou eu não estou treinando de forma correta ou de forma suficiente, certo?

Mas não! O nosso corpo envolve mais… tem muito mais coisa envolvida do que só dieta e treinamento.

Às vezes a pessoa não consegue emagrecer porque ela está com o cortisol alto ou porque ela tem um hipotireoidismo, ou porque ela come muito mesmo sendo de alimento saudável – isso é um erro muito comum, viu? – a pessoa acha que só porque “ah, é batata doce, é ovo, é mandioca, é aveia… eu posso comer o tanto que eu quiser. Eu posso comer um monte” e isso é um erro muito…

Guilherme: Isso quando não é azeite, castanha, queijo, que as pessoas sabem que são saudáveis e são muito caloricamente densos.

Giovana Guido: Exato!

É muito calórico, então por mais que não tenha muito carboidrato, às vezes, ou tenha carboidrato saudável, não pode comer o quanto quiser, até estufar.

Então quando eu comecei a fazer esses vídeos “Por que eu não consigo emagrecer?” as pessoas se identificaram, então eu falei: “Pronto! É isso o que acontece!”.

Aí a pessoa fica brava comigo porque eu não consegui descobrir por que ela não emagrece, ou por que a glicose não cai; mas poxa, tem dezenas de coisas envolvidas.

Então, tem que descobrir.

É o que eu costumo falar: a primeira coisa, quando você não está tendo o resultado desejado, é mudar. Tem que mudar alguma estratégia.

E tem que investigar para ver se você não está cometendo nenhum erro.

Roney: Com certeza.

E nesse ponto de investigar e de conseguir resultado, principalmente no caso de ganho de massa magra, a gente sempre ouve uma certa dúvida, se é que o treino ou a dieta para mulheres são muito diferentes daquelas que seriam treino e dieta para homens.

Você tem alguma coisa para falar a esse respeito?

Giovana Guido: Sim.

Não tem muita diferença, basicamente.

É claro que homens, por exemplo, precisam de mais calorias, eles conseguem comer um pouco mais de carboidrato, às vezes, sem acumular tanta gordura.

A constituição do homem é diferente.

Então homem tem mais testosterona, o homem tem mais massa muscular, naturalmente, do que as mulheres.

Então tem mais essa diferença, sim, em relação a quantidades, digamos.

No treino na academia não tem muita diferença.

Então não existe muito essa coisa de treino só para homem e treino só para mulher.

Claro que tudo vai depender do músculo que a pessoa quer secar, ?

Por exemplo, um homem, para treinar, esse homem não vai treinar glúteos duas vezes por semana, entendeu?

É uma coisa que você não vê. Já as mulheres fazem treino focado em glúteos, duas vezes por semana, por exemplo.

São mais essas diferenças. Não existem exercícios que sejam só para homens ou exercícios que sejam só para mulheres. Não. Musculação é uma coisa só.

Tudo vai depender do que você quer fazer no seu corpo.

Por exemplo, agora voltando na coisa da competição: o que os atletas fazem muito?

Eles focam no que é muito valorizado na categoria deles. Então, por exemplo, na biquíni, o que é mais valorizado na nossa categoria – claro que o conjunto é sempre mais importante – mas os juízes olham muito para glúteos, então você tem que ter o bumbum perfeito, digamos; e ombros, e cintura fina.

Então glúteos, ombros e cintura fina é uma coisa que conta muito ponto na biquíni.

Já uma outra categoria feminina, que é a figure, que seriam mulheres um pouquinho mais musculosas, eles querem umas costas mais largas.

Eles querem ombros, costas, uma coxa mais definida; ou seja, essa pessoa vai focar o treino dela no que vai contar mais ponto para ela, certo? E mesma coisa vocês falando de homens, mulheres e tudo mais.

Em relação a ganhar massa magra, não tem muita diferença.

O que vai mudar é o objetivo daquela pessoa e em relação a ser homem ou mulher, como eu disse, é basicamente as quantidades.

Você pode usar uma mesma dieta para homem ou para mulher.

A única coisa que talvez mude sejam as quantidades, mas os alimentos servem para todo mundo, também é a mesma coisa.

Guilherme: É comida de gente, ? De homem e de mulher!

Giovana Guido: Exato!

Não tem essa de falar: “Não, essa comida só mulher pode consumir!”. Não existe! E mesma coisa treino. Não tem que falar: “Esse exercício é só para homem ou só para mulher”. Não.

Se o homem quiser treinar glúteo, duas vezes por semana, ele vai treinar! Então não tem porque falar não, ?

Guilherme: Com certeza!

E quando vai passar de uma fase de emagrecimento para uma fase de ganho de massa – é claro que existe um ajuste na quantidade de comida e tal – mas você vê uma mudança no tipo de alimento consumido também?

Alguma mudança no treino? Aumento de volume?

Que tipo de mudança tem, agora não comparando homem e mulher… Mas sim uma mesma pessoa, para ganhar massa e emagrecer?

Giovana Guido: Certo.

Um dos principais conselhos que eu dou quando uma pessoa quer aumentar massa muscular agora: primeiro reduzir o volume de exercício aeróbico porque quanto mais aeróbico você faz, mais você indica para o seu corpo de que você quer queimar o excesso.

E o músculo não consegue desenvolver quando tem muita escassez.

Então você tem que pensar que músculo precisa de mais calorias para crescer, ou seja, é a mesma coisa de você pegar uma criança pequenininha: você tem que dar bastante alimentos para ela, tem criança que precisa até de complementos na alimentação porque não consegue comer da forma adequada, come pouco… então você vê muitas mães dando às vezes complementos, essas fórmulas, para crianças.

Então pensa na criança como se fosse um musculozinho: você tem que dar calorias porque essa criança brinca, gasta energia, então você tem que repor tudo aquilo.

Quanto mais essa criança correr pela casa, brincar na rua e gastar energia, mais comida você vai ter que dar porque ela está gastando muito.

É o contrário de uma criança que só brinca no iPad ou só brinca no celular: ela vai gastar menos calorias, então às vezes você precisa dar menos energia.

Mesma coisa com o músculo: o músculo não pode ter escassez porque senão ele não consegue se recuperar e se desenvolver.

Então eu vejo muita gente fazendo muito aeróbico, fazendo muito jejum, fazendo dieta muito restrita… isso não funciona na época de aumento de massa muscular.

Por quê? Você precisa dar mais para ter aquela construção muscular.

Se você restringe muito: “Ah, vou fazer jejum de 18 horas todo dia e eu quero ganhar massa muscular”. Às vezes vai ser difícil porque quando você quer aumentar massa muscular você tem que comer mais, sejam mais calorias, sejam mais carboidratos.

É possível aumentar massa muscular com pouco carboidrato? É.

É mais difícil, demora mais, mas é possível, desde que você coloque bastante gorduras e tudo mais.

Mas grande parte das pessoas precisa de um pouquinho mais de carboidrato para conseguir ter aquele boom um pouquinho mais rápido.

Então o principal conselho para a pessoa que quer aumentar massa muscular é perder a mentalidade da escassez.

Porque isso acontece com muita gente: a pessoa fica tanto com aquilo na cabeça… aconteceu essa semana.

Eu estou ajudando uma amiga — eu sempre ajudo, ? — com a dieta dela e pelo último um ano, dois anos ela focou só em queimar gordura, queimar gordura.

Aí agora ela quer aumentar massa muscular porque chega uma hora que você precisa.

Aí eu passei algumas coisas para e ela: “Nossa, Gi, mas 100 gramas de carboidrato no almoço? É muita coisa”, aí eu falei: “Calma, é temporário. Você precisa mudar um pouco o seu metabolismo agora. Eu sei que é muito, eu sei que você vai ficar com medo de consumir tudo isso de carboidrato, mas vamos fazer isso por uma fase até o seu metabolismo mudar um pouquinho e depois a gente reduz o carbo de novo e compensa nas gorduras”.

Então existem muitas estratégias. Tudo depende da pessoa e da situação.

Então a primeira coisa é tirar essa mentalidade de escassez: “, quero construir músculo? Não posso ficar fazendo muito aeróbico, não posso ficar fazendo muito jejum, não posso ficar muito preocupada com caloria ou se eu vou ganhar uma barriguinha – é normal ganhar algumas gordurinhas durante o período de aumento de massa muscular”.

Porque você precisa dar mais, como eu falei.

Você precisa oferecer mais coisas para o seu corpo: dormir mais cedo, tomar mais água.

E aí o seu músculo vai entender de que você não está mais na fase de escassez e ele vai desenvolver um pouquinho melhor.

Ao contrário do que querer ganhar músculo e fazer as mesmas estratégias que você usava para secar gordura. Não vai funcionar, muitas vezes.

Então basicamente é isso.

Roney: Certo, Gi. Bacana a resposta.

E agora uma pergunta um pouco mais aberta… a gente queria saber qual é a maior dúvida que você recebe do pessoal, seja nas suas mídias sociais, ou nos seus atendimentos.

Pode ser dúvida com relação à dieta ou mesmo com relação a treino. O que você achar relevante.

Giovana Guido: Eu tenho como base isso o número de visualizações dos vídeos do canal.

Toda vez que eu posto um vídeo sobre esse tema, é o tema que mais bomba, é o tema que as visualizações vão para o céu em menos de 24 horas, que é: barriga. É o tema mais popular: como perder barriga, como desinchar barriga, como afinar a cintura. Então pelo visto está todo mundo barrigudo! Risos.

Todo mundo quer secar a barriga. Esse é o tema mais popular entre o meu público.

Guilherme: Certo.

E você tem alguma recomendação especial para as pessoas que têm essa dúvida? Algum segredo que só para a barriga?

Giovana Guido: Tem várias!

Gente, barriga é uma coisa difícil.

Vocês já foram no tema certo: Senhor Tanquinho! É o tema que vai chamar a atenção de todo mundo.

Olha, gente, barriga é uma coisa que dependendo da sua genética, vai exigir paciência, dedicação e muita disciplina.

Porque existem pessoas que acumulam mais gordura — mulheres principalmente — no quadril e na coxa.

Aí só começou a fazer uma dieta para secar, a barriga já dá aquela secadinha rápida.

Eu, pelo menos, não sei vocês, funciono da forma contrária: por exemplo, se você colocar cinco quilos a mais em mim eu não vou engordar muito no quadril, não vou engordar muito nas pernas.

Vem tudo para a barriga e para as costas. Então eu costumo falar que eu não sou a típica mulher brasileira. Eu engordo mais na barriga.

Então, por exemplo, quando eu comecei a me preparar para competir, a última parte do meu corpo que ficou pronta foi a barriga.

Então eu fiquei lá, oito semanas, sete semanas me preparando – e eu sentia: a minha perna já tinha afinado, meu braço já tinha afinado – eu já estava quase pronta para competir e ainda tinha uma barriguinha. Então tudo vai depender também da genética dessa pessoa.

Bom, agora vamos para as regras de perder barriga e afinar cintura.

Primeira coisa: tem que ter foco em queimar gordura.

Porque barriga não é só gordura, mas grande parte das pessoas que estão com a barriga maior do que desejaria é porque tem um excesso de gordura.

Porém, barriga também pode ser excesso de formação de gases, retenção, alguma alergia alimentar, algum tipo de coisa que está fazendo essa barriga não ficar tão pequenininha, tão certinha do jeito que a pessoa quer.

Mas o principal é atacar essa barriga com uma dieta mais restrita.

Se a pessoa, por exemplo: “Ah, eu faço reeducação alimentar, mas mesmo assim eu não consigo perder barriga”.

Às vezes só a reeducação alimentar não é necessária. A pessoa precisa ir mais a fundo, precisa cortar mais calorias, cortar mais carboidratos.

Segundo passo: é uma dica que eu passo, foi uma expressão que eu criei, que é a técnica dos 80%.

O que significa isso? Significa que você nunca pode comer mais do que 80% da sua capacidade do seu estômago.

É claro que isso não dá para medir. Então não tem como medir quando é 100%, 80%. Mas vai da sua sensação.

Então vamos supor que você está sentado e começou a comer. Quando você sentir que encheu cerca de 80% do seu estômago, ou seja, você já está bem saciado, mas você não está totalmente cheio, você está ali, quase… você para de comer.

No começo, vai dar uma sensação esquisita: “Ai, eu ainda preciso comer mais um pouquinho. Estou com um pouquinho ainda de fome”. Você para.

Por que essa técnica é eficaz?

Com o passar do tempo você vai reduzindo o tamanho do seu estômago.

E essa regra é importante principalmente para quem tem estômago alto, que é o caso de muitas pessoas.

O nosso estômago, nada mais é do que se fosse uma bexiga. Quanto mais comida e líquido você vai colocando, mais dilatado ele fica.

Quando você passa um período sem colocar tanta comida e tanto líquido, ele vai murchando, ele vai se contraindo e aí o seu estômago vai baixando o tamanho.

Então essa é uma outra sugestão.

Uma outra coisa, agora falando dos líquidos, é não comer e ficar tomando muita coisa junto. Isso não engorda. Tem gente que acha que engorda, comer e tomar, não.

Mas dilata muito o estômago e prejudica a digestão, então pode dar uma estufada na barriga.

Outra dica: utilizar suplementação anti-inflamatória.

Porque muitas pessoas, quando têm acúmulo de gordura, estão inflamadas.

Quando você está inflamado, você fica mais inchado, você fica mais retido. Isso mostra muito na barriga também, ?

Então você pode usar, por exemplo, óleo de peixe, óleo de Argan marroquino; você pode usar açafrão-da-terra, como tempero ou como cápsulas… eles são muito anti-inflamatórios, então você já dá aquela desinchada, se sente mais leve, mais fino. Isso ajuda bastante também.

Vamos ver… o que mais para a barriga?

Ah, outra coisa importante: cuidar da saúde da sua digestão e da sua absorção, ou seja, cuidar do seu intestino.

Suplementos muito legais para isso: probióticos e enzimas digestivas.

Então, se você sente que toda vez que você come, você fica pesado, a digestão é meio complicada ou tem intestino preso — o que é muito comum entre mulheres —  pode ser também uma das causas que a sua barriga esteja maior.

Então, enzima digestiva e probióticos ajudam bastante também.

Falando de água: água é essencial para reduzir barriga, desde que ela não esteja perto de refeições.

Mas passou ali uns 40 minutos, uma hora que você comeu, água, água, água; chazinho puro também é legal para dar aquela desinchada.

E, por último, retenção. Então dá para usar suplemento de diurético natural, dá para tomar mais chá, dá para tomar mais água… comer menos carboidrato é uma coisa que age tanto na retenção, mas também age na queima de gordura, redução da barriga e tudo mais.

Ai, gente, acho que tem uma lista gigante.

Tem muita coisa que fazer.

Mas basicamente seria isso: barriga é todo um trabalho, é todo um esforço, um planejamento, muita dieta.

Então o resultado na barriga você só vê quando você dá uma segurada na dieta, evita muita refeição livre e segue esse passe de suplementação, alimentação, água e tudo mais.

Não é fácil não, gente! Não é brincadeira!

Guilherme: Não parece mesmo!

E para quem acompanhou até aqui, amou essas dicas e quer saber mais, onde eles podem saber mais de você, ver os vídeos, seus posts e tudo mais?

Fala para o pessoal como eles podem acompanhar mais o seu trabalho, Gi.

Giovana Guido: Gente, eu sou igual a vocês: estou em tudo quanto é lugar! Não tem como não me achar.

Bom, a rede social que eu sou mais ativa é o YouTube. Lá eu posto muitos conteúdos. O meu canal é o Giovana Guido.

Então tem conteúdo sobre dieta, saúde, suplementação… não tem muita coisa de treino porque eu não sou formada em Educação Física.

Muita gente acha que eu sou, acho que porque eu sempre posto treino e tudo mais, mas eu não passo muita informação de treino porque não é a minha especialidade, não tem formação nisso, quem sabe um dia.

Mas o foco é basicamente na Nutrição.

Então, Giovana Guido no YouTube.

Eu também tenho a minha página no Facebook, que é Giovana Guido também; eu tenho Instagram @giovanaguido.

Eu estou em uma rede social nova, inclusive eu nem sei se vocês conhecem, que é o Viggo Video. Vocês já ouviram falar?

Guilherme: Já ouvi falar.

Roney: Já ouvimos falar.

Giovana Guido: Bem legal. É meio que uma novidade…

Lá eu posto os meus treinos.

Eu não dou dica de treino, eu não ensino nada.

Eu só posto o que eu faço para as pessoas que têm curiosidade de ver. Mas lá também eu posto algumas dicas de dieta, suplementação, motivação e tudo mais.

Lá no Viggo Videos eu estou como Giovana Guido também.

Eu tenho meu website, que é o giovanaguido.com.br, quem quiser deixar o e-mail para se cadastrar lá na minha lista, eu sempre mando dicas e links para vídeos, conteúdos, por e-mail.

E eu tenho o meu canal no YouTube em inglês, que é o Giovana Guido USA.

Lá eu posto alguns vídeos em inglês e também posto alguns vídeos de treinos que eu faço, de exercícios que eu gosto e tudo mais.

Então estão todos convidados a acompanharem os meus conteúdos.

Roney: Perfeito, Gi!

Muito obrigado pelas suas mídias sociais.

E você gostaria de deixar alguma mensagem final para quem nos ouviu até aqui?

Giovana Guido: Sim! Quero deixar uma mensagem…

Primeiro eu quero agradecer vocês pelo convite, foi um prazer.

E a mensagem que eu tenho é: gente, a coisa mais importante na hora de mudar o seu corpo, mudar a sua saúde, mudar o seu estilo de vida, é buscar informação.

Então é o que eu costumo falar: já saiu de moda essa coisa de seguir uma dieta porque está na moda ou tomar um suplemento porque algumas pessoas falaram que é bom, sendo que você mal sabe do que se trata.

Então a minha dica é: não sejam enganados. Sejam mais críticos. Vá buscar informação.

Hoje em dia, se você não tiver condição de contratar um profissional, que seria a melhor forma — a melhor forma sempre será ter um profissional para cuidar de você de uma forma personalizada — mas eu sei que muita gente não tem condição ou já tentou alguns profissionais, se decepcionaram e não querem mais… têm alguns traumatizados por aí…

Busquem informação pela internet em lugares de qualidade. Tem muita informação ruim na internet também, tem que tomar cuidado.

Encontrem um médico na internet que você goste, um nutricionista, um treinador, pessoas que realmente tragam informação de qualidade; ou vocês, por exemplo, que sempre trazem convidados legais para debater o tema da especialidade de cada um, isso é muito importante também.

Não existe essa coisa de nutricionista e médico que entende de tudo. Ninguém entende de tudo. Cada um tem um nicho específico.

Então, isso é importante também, ir buscar informação, ir buscar orientação.

Não adianta querer fazer as coisas, sem entender. É importante entender.

Vou tomar um suplemento? O que ele vai fazer no meu corpo? Quais são os ingredientes desse suplemento?

Vou fazer uma dieta? Por que eu vou ter que restringir esses alimentos? Por que eu vou ter que comer esses outros alimentos?

Você precisa entender! A base é você entender mais sobre nutrição, sobre exercícios e tudo mais.

Não precisa ser um especialista, mas aprenda o básico.

Porque, quanto mais informação você tem, mais sucesso na sua jornada você vai ter também.

E tenham juízo, tenham paciência.

Não sejam desesperados, não sejam ansiosos. Hoje em dia todo mundo é muito ansioso.

Não adianta, tem que gostar de comer de forma saudável, tem que gostar de treinar e fazer aquilo com amor, todo dia, porque só assim para o resultado vir.

Guilherme: Perfeito, Gi! Acho que você encerrou muito bem!

Com informação certa, consistência nas ações, para agir na informação, e paciência, todo mundo chega lá.

Giovana Guido: Exato!

Não é fácil, tem dia que a gente fica irritado quando não vê nada acontecendo, mas faz parte.

É nossa jornada, então tem que aprender a curtir a jornada também.

Guilherme: Perfeito.

Gi, a gente queria agradecer você por ter vindo aqui hoje, ter conversado aqui com a gente.

Adoramos o bate-papo. Foi muito legal ter a sua perspectiva em todos esses assuntos.

Então, obrigadão pelo seu tempo. E está convidada para uma segunda rodada, para quando você quiser, quando pudermos.

Queremos um feedback do pessoal também porque, com certeza, agregou muita informação para todo mundo.

Giovana Guido: Que legal! Fico feliz!

Eu que agradeço, obrigada a todos.

E, gente, deixem aí nos comentários sugestões de temas e aí a gente volta para falar de alguma outra coisa, ?

Roney: Perfeito!

Muito obrigado novamente.

E também muito obrigado a você, que nos ouviu até aqui e colheu esse monte de informação boa.

E se você gostou desse episódio de podcast, então se inscreva no podcast e deixe a sua avaliação lá no iTunes e seu comentário. Isso é muito importante para a gente.

Guilherme: É isso aí, pessoal!

A gente posta podcast novo toda segunda-feira.

Alguns episódios rapidinhos, que são eu e o Roney, e outros muito mais longos e cheios de informação, com os melhores convidados.

Então nós nos vemos segunda que vem.

Roney: Um forte abraço

Guilherme e Roney: Do Senhor Tanquinho!

Guilherme: Você acabou de ouvir mais um episódio do podcast do Senhor Tanquinho.

Roney: Não deixe de se inscrever para não perder nenhum episódio com os maiores especialistas para a sua saúde.