O Que Quebra O Jejum Intermitente? As 11 Principais Dúvidas Sobre JI Respondidas

Quando o assunto é jejum intermitente, as dúvidas parecem não acabar nunca!

Na verdade, todo mundo provavelmente já sabe que o jejum intermitente tem benefícios.

E mesmo conhece alguns protocolos comuns de jejum intermitente.

No entanto, diversas outras dúvidas podem surgir, tais como:

  • café quebra o jejum?
  • adoçantes quebram o jejum?
  • posso tomar caldo de ossos?
  • o que quebra o jejum?
  • o que posso comer durante o jejum?
  • o que posso beber durante o jejum?
  • quem pode fazer jejum intermitente?
  • mas o certo não é comer a cada 3 horas?
  • jejum desacelera o metabolismo?
  • vou perder massa muscular?
  • jejum auxilia na hipertrofia?
  • posso fazer jejum mesmo treinando?
  • que suplementos posso tomar durante o jejum?
  • minha família e amigos não apoiam o jejum. O que posso dizer a eles?

E vale a pena ler o texto até o final.

Porque, mesmo que você não tenha nenhuma das dúvidas que vamos responder especificamente, ainda pode aprender ou relembrar uma coisa ou outra sobre jejum intermitente.

Sendo que, se você tiver outra dúvida, pode deixar nos comentários ao final do texto.

Porque tentamos responder todas as perguntas – e algumas podem inclusive virar textos mais aprofundados no futuro 😉

Então vamos às perguntas sobre jejum intermitente.

[Relacionado: Dieta Low-Carb: 9 Principais Dúvidas Sobre Low-Carb Respondidas]

Jejum Intermitente — Dúvida #1: Posso Tomar Caldo De Ossos?

Em primeiro lugar: o que é caldo de ossos — e por que alguém se interessaria por tomar isso?

De maneira resumida, o caldo de ossos é a bebida obtida ao se ferver os ossos e o tecido conjuntivo de diversos tipos de animais.

Ele é rico em vitaminas, minerais, colágeno, e outros nutrientes.

Sendo que nós explicamos mais sobre caldo de ossos, como fazer e seus benefícios em um texto completo.

E é justamente pelo fato de o caldo de ossos ser rico em nutrientes que ele se torna interessante para jejuns mais longos.

Porque ele tem a capacidade de repor nutrientes (vitaminas e sais minerais) perdidos durante a janela de jejum.

Afinal de contas, você está eliminando água e sais minerais com frequência nesse período, por meio da urina e da transpiração.

(Até mesmo pela baixa dos níveis do hormônio insulina que acontece durante o período de jejum.)

Por isso, dependendo de quanto tempo durar seu jejum, repor os sais minerais pode ser interessante para que você se sinta bem — e o caldo de ossos é uma maneira saborosa e saudável de fazer isso.

Agora, será que ele quebra o jejum?

Isso depende do conceito de “quebrar o jejum” que adotarmos — e é o que vamos explicar agora.

Jejum Intermitente — Dúvida #2: O Que Quebra O Jejum?

Não existe uma resposta única para esse caso — mas calma que vamos explicar direitinho.

E ao terminar esta seção você vai entender a verdade de por que algumas pessoas dizem que determinado alimento ou bebida “quebra” o jejum, e por que outras dizem que não.

Na verdade, a resposta a essa questão passa por uma distinção entre dois tipos de jejum: o jejum de insulina e o jejum de caloria.

Jejum de insulina

O Jejum de Insulina é um tipo de jejum em que você vai focar primeiramente em não elevar sua insulina.

Ou seja, você não vai poder comer alimentos que elevem a insulina, sendo um pouco mais permissivo com alimentos que não a elevam.

E quais são esses alimentos que não elevam a insulina?

Bom, o único macronutriente que não tem muito efeito sobre a insulina é a gordura.

Pois tanto proteínas quanto carboidratos causam uma certa elevação nos níveis deste hormônio.

Portanto, se você estiver focando apenas em não elevar sua insulina durante o jejum, os “alimentos permitidos” são aqueles compostos apenas por gorduras, como:

  • óleo de coco,
  • leite de coco,
  • creme de leite,
  • nata,
  • manteiga,

e outros.

Além, obviamente, de líquidos sem caloria alguma — como água, café e chá.

Essa modalidade costuma ser adotada em jejuns mais extensos.

Isso porque, para pessoas que se encontram em algum platô de peso — ou mesmo para pessoas com diabetes e resistência à insulina — jejuns mais longos (com duração superior a 24 horas, por exemplo) podem ser utilizados com a estrita supervisão de um médico.

Nesse caso, como a questão passa a ser resolver o problema com a insulina, um jejum de insulina passa a ser uma ferramenta válida.

Mas essa modalidade pode não ser tão interessante para pessoas que buscam colher outros benefícios do jejum — como maior facilidade para emagrecer, e mesmo um processo mais intenso de autofagia celular.

Para esses casos, a modalidade de jejum que tende a se adaptar melhor é o jejum de calorias, que veremos mais abaixo.

Jejum de caloria

Nessa modalidade, você não vai ingerir calorias (de nenhuma fonte) durante a janela de jejum.

Diferentemente do jejum de insulina, neste aqui nem as gorduras estão permitidas — afinal, elas são um macronutriente altamente calórico.

Neste caso, você poderia continuar tomando café (e outros líquidos) desde que sem nenhuma adição de gordura.

(Vamos falar sobre quais alimentos entram em cada modalidade mais abaixo — continue lendo!)

Relacionado: nutri e atleta Giovana Guido fala sobre jejum intermitente e dieta low-carb.

Jejum de caloria é zero caloria mesmo?

Por outro lado, é interessante notar que alguns pesquisadores defendem que o jejum de calorias não precisa ser realmente “zero caloria”.

Até porque o jejum não é uma “chave de liga e desliga” no nosso corpo.

Entre esses autores, encontra-se o treinador sueco Martin Berkhan, autor do protocolo LeanGains de jejum intermitente.

Ele argumenta que ingerir uma pequena quantidade de calorias (algo por volta de até 40 ou 50 calorias) ao longo de toda a janela de jejum não mitiga os benefícios dessa prática.

Por isso, segundo esse raciocínio, é perfeitamente normal ingerir uma água saborizada com limão, ou mesmo colocar uma gota de creme de leite no seu café.

Pois isso não vai tirar e nem diminuir os benefícios do seu jejum intermitente.

Por outro lado, note que isso não é uma permissão para adicionar quantidades massivas de sabor aos seus alimentos.

Porque, se você adicionar por exemplo 100 ml de óleo de coco ao seu café, você estará consumindo uma quantidade significativa de calorias.

E isso tiraria o seu corpo desse estado metabólico — por mais que essa adição possa ser útil e prática em um jejum de insulina.

O que queremos dizer com isso é o seguinte.

É preferível, do ponto de vista de benefícios do jejum, consumir poucas calorias (no máximo 50 kcal) de qualquer que seja a fonte, do que ingerir muitas calorias apenas de gorduras.

(Obviamente, é mais inteligente se essas poucas calorias vierem de um pouco de limão e canela, ou de uma gota de creme de leite, do que de 12g de açúcar de mesa.)

Tendo dito tudo isso, você talvez esteja se perguntando que tipos de alimentos e bebidas estão alinhados com cada modalidade de jejum.

E é isso que vamos responder agora.

Jejum Intermitente — Dúvida #3: O Que Posso Comer Ou Beber Durante O Jejum?

Conforme falamos anteriormente, para colher a totalidade dos benefícios que o jejum intermitente pode proporcionar, você simplesmente não deveria comer ou beber nada que tivesse calorias.

Por outro lado, também argumentamos que pequenas quantidades de gorduras boas não irão atrapalhar seus objetivos caso você busque apenas controlar a sua insulina.

E por fim, também falamos que alguns autores defendem a ideia de que ingerir pouquíssimas calorias (até 50 kcal) não quebraria seu jejum — independentemente da fonte dessas calorias.

Mesmo assim, sabemos que algumas pessoas preferem uma lista-resumo de alimentos para auxiliá-las no começo.

Pois essa lista prática ajuda a relembrar quais alimentos e bebidas podem ou não ser consumidos durante a janela de jejum — sem necessariamente “quebrar seu jejum” ou acabar com todos os seus benefícios.

Por isso, colocamos abaixo uma pequena lista não exaustiva de alimentos que podem ser consumidos sem atrapalhar seu jejum.

Alimentos permitidos durante o jejum

No caso, alguns alimentos se enquadram na categoria jejum de insulina, outros entram na questão das pouquíssimas calorias e outros estão realmente liberados.

Alimentos liberados em praticamente qualquer tipo de jejum:

  • água
  • café
  • chá de qualquer tipo (obviamente estamos nos referindo a infusões de ervas na água quente — e não a chás de caixinha cheios de açúcar)
  • chimarrão
  • tereré
  • água saborizada com limão (ou outra fruta ou erva)
  • pitadas de canela
  • gotas de limão
  • pitadas de cacau em pó
  • caldo de ossos (em pequenas quantidades)

Alimentos liberados no jejum de insulina:

  • creme de leite
  • manteiga
  • ghee
  • nata
  • leite de coco
  • manteiga de coco
  • creme de coco
  • óleo de coco
  • caldo de ossos (em pequenas quantidades)
  • outras gorduras puras

Observação: embora o caldo de ossos contenha um pouco de proteínas e gorduras (e, por isso, uma quantidade não-nula de calorias), elas são tão poucas a ponto de não prejudicar o jejum de calorias nem o de insulina — se ele for consumido em quantidades razoáveis.

Alimentos que quebram o jejum

Se você já entendeu a ideia de jejum, então essa lista é totalmente dispensável.

De toda forma, vamos listar alguns alimentos que não devem ser consumidos se a sua ideia é praticar o jejum intermitente.

Por outro lado, alguns deles podem sim fazer parte do seu cardápio saudável.

Afinal de contas, jejum não é uma dieta — e sim uma estratégia alimentar.

[ Relacionado: aprenda a montar um cardápio low-carb saudável. ]

Durante o jejum, os seguintes alimentos estão totalmente banidos:

  • carnes
  • grãos
  • legumes
  • verduras
  • frutas
  • iogurtes
  • queijos
  • doces
  • adoçantes
  • refrigerantes (diet, light ou normal)
  • suco de fruta (caseiro ou industrializado)
  • massas
  • pães
  • bolos
  • arroz
  • feijão
  • tapioca

Enfim, você já entendeu a ideia, né?

E agora você tem uma listinha ótima para consultar e até mesmo mostrar para quem tiver algum tipo de dúvida.

Sendo que você ainda pode resumir a lista com a seguinte frase:

Se você tem que perguntar, provavelmente não pode — afinal, fazer jejum envolve não comer!”

Mas Senhor Tanquinho, tal pessoa faz jejum sem café / sem água / sem chá / só de tal a tal hora…

Existem pessoas que praticam diferentes variações do jejum intermitente — por exemplo, no qual tomam apenas água (nesse caso banindo até mesmo cafés e chás).

E existem inclusive versões na qual nem mesmo a água é permitida, como o jejum seco praticado durante o mês do Ramadã.

Mas nosso objetivo aqui não é tocar em todas as possíveis permutações e variações do jejum intermitente.

E sim te dar dicas práticas, estudadas e aprovadas, que te ajudem a ter mais resultados e uma melhor saúde.

E nós pessoalmente não vemos nenhuma evidência que mostre qualquer prejuízo em tomar seu cafezinho preto pela manhã.

Por isso, vamos apenas focar no jejum de insulina e no jejum de calorias.

E, em ambos, bebidas como café, chá e água (não adoçados) estão liberados.

Jejum Intermitente — Dúvida #4: Mas E Os Alimentos Adoçados Porém Sem Calorias? Como Café Com Stevia, Eritritol Ou Sucralose, E Mesmo Refrigerante Zero?

Até agora, você já entendeu que a ideia do jejum intermitente é não consumir alimentos — de modo a não ingerir calorias, e nem elevar a insulina.

Então, usar adoçantes não calóricos seria liberado, certo?

Calma — essa questão é mais complexa do que pode parecer à primeira vista.

Em primeiro lugar, eu recomendo fortemente que você entenda as diferenças entre os diferentes tipos de adoçantes low-carb.

Este texto é super completo, e vai provavelmente responder a maioria das suas dúvidas sobre o assunto.

Lendo o texto completo você vai entender quais os principais adoçantes low-carb, e as vantagens e desvantagens de cada um.

Mas, conforme explicamos no texto, mesmo se considerarmos apenas adoçantes que não elevam a insulina (como é o caso da stevia, ou mesmo do eritritol, por exemplo), ainda temos uma questão importante.

A de que (embora essa relação seja especulativa — isto é, não comprovada), possivelmente existem diversos mecanismos potenciais por meio dos quais o uso de adoçantes pode interferir no metabolismo.

E isso inclui até mesmo interações com receptores do sabor doce, que estimulariam outras adaptações metabólicas.

Certamente mais pesquisas são necessárias, mas na nossa opinião esse é mais um sinal de que pode ser inteligente não abusar dos adoçantes.

E na nossa opinião pessoal, uma coisa é certa: o consumo diário de adoçantes não é ideal para sua saúde — mesmo que ele talvez não atrapalhe na perda de peso e nem quebre o jejum.

Especialmente no caso de adoçantes artificiais — e mais ainda no de refrigerantes zero.

Uma metáfora válida (talvez um pouco excessiva, mas que serve para transmitir a ideia) é comparar os refrigerantes light, diet e zero com o cigarro.

Pois ambos:

  • não contém calorias,
  • pode ser que não elevem a insulina (não temos nem certeza quanto a isso no caso dos adoçantes),
  • não “quebram” o jejum, mas
  • você sabe que não fazem bem para a sua saúde.

Nesse caso, por que consumi-los?

Não é mais inteligente focar em se desapegar desse hábito?

Ou, como diz nosso amigo Teco Mendes: não é melhor “parar de gostar do que te faz mal?”

E que fique claro: a ideia aqui não é te “proibir” de consumir refrigerantes zero.

(Até porque a vida é sua e não proibimos ninguém de nada.)

Mas sim mostrar por que um hábito corriqueiro e saudável (quiçá diário) que você busca introduzir na sua vida — que é o caso do jejum intermitente — não combina com ingestão de bebidinhas doces todos os dias.

Jejum Intermitente — Dúvida #5: Quem Pode Fazer Jejum Intermitente?

Uma dúvida importante que as pessoas costumam ter quando nós falamos de jejum e seus benefícios é justamente com relação a quem pode e quem não pode jejuar (praticar ji).

A resposta direta é que a prática do jejum intermitente é adequada a adultos saudáveis.

Sendo até mais fácil falar quem não deveria iniciar o jejum sem antes falar com seu médico de confiança.

Isto é: pessoas que não sejam adultas, ou estejam em alguma condição especial de saúde.

Alguns exemplos incluem:

  • se você tem alguma doença preexistente,
  • se você faz algum tratamento com remédios;
  • se você está grávida,
  • se você é lactante,
  • se é uma pessoa muito idosa, ou
  • se é uma criança ou adolescente.

Neste caso, é melhor procurar acompanhamento de um profissional da sua confiança, para ver se você pode praticar o jejum ou não.

Salvo essas exceções, a grande maioria das pessoas está, sim, apta à prática de jejum diariamente.

Por outro lado, vale a ressalva.

O caráter deste texto é apenas informativo e não prescritivo.

Por isso, incentivamos fortemente que você tenha o aval do seu médico para iniciar essa prática e fazer alterações na sua alimentação e rotina de exercícios.

Então, conforme falamos acima, se você é um adulto saudável, provavelmente seu corpo tem totais condições de jejuar.

(Mas fale com seu médico antes de começar — apenas para se certificar, ok?)

Até porque o jejum intermitente é uma prática saudável — muito mais saudável do que se tornar um escravo do relógio e comer religiosamente a cada três horas.

E é justamente sobre esse ponto a nossa próxima pergunta.

Jejum Intermitente — Dúvida #6: Mas O Certo Não É Comer A Cada 3 Horas?

Na verdade… não.

Conforme explicamos em nosso texto “Comer de 3 em 3 horas — você ainda cai nessa mentira?”, as pessoas adotam essa prática por 4 supostos “motivos”.

Isto é, elas pensam que comer a cada 3 horas vai ajudá-las a:

  • acelerar o metabolismo,
  • controlar a glicemia,
  • controlar o apetite,
  • preservar sua massa muscular.

No entanto, esses 4 pontos são controversos (para não dizer errados) à luz da ciência — e comer a cada poucas horas pode inclusive piorar alguns desses resultados.

Novamente, se você quer uma explicação mais detalhada sobre esse ponto, recomendo a leitura do nosso texto completo sobre comer a cada 3 ou 4 horas.

Jejum Intermitente — Dúvida #7: Fazer Jejum Desacelera O Metabolismo?

Se você está prestando atenção a este texto, já deve saber intuitivamente a resposta a essa pergunta.

Não, jejum intermitente não desacelera o metabolismo.

A palavra chave nessa frase é “intermitente”.

Pois é claro que ficar períodos muito longos (vários e vários dias) sem se alimentar vai implicar uma adaptação metabólica (isto é, uma desaceleração do metabolismo).

Assim como uma restrição calórica muito longa e/ou severa também terá o mesmo efeito.

Isso acontece porque nosso corpo busca sobreviver acima de tudo.

Então, se você ficar vários e vários dias sem comer, seu corpo vai buscar preservar energia.

No entanto, em jejuns curtos, o nosso metabolismo tende a aumentar.

No caso, um estudo observou um aumento de 3,6% no metabolismo em jejuns curtos — e outro estudo descobriu que o metabolismo aumentou 10% durante o jejum.

Isso faz sentido evolutivamente: se o nosso corpo busca se alimentar, ele precisa nos estimular, e não nos privar da energia que temos — para que possamos caçar / coletar alimentos e assim obter energia.

Isso provavelmente é mediado pelas mudanças hormonais que ocorrem durante o jejum, como aumento da adrenalina.

Ou, como se diz popularmente: “O leão com fome é que é perigoso.”

(Com isso querendo dizer que quando estamos há algum tempo sem comer é que estamos com mais energia e disposição para caçar / coletar.)

Entretanto, apenas para dar uma dimensão: um estudo achou uma diminuição de metabolismo durante o jejum…

Mas ela só aconteceu após 60 horas sem alimento.

Por isso, você simplesmente não precisa se preocupar com diminuições de metabolismo se tudo em que seu JI consiste é em pular o café da manhã.

Jejum Intermitente — Dúvida #8: Jejum Intermitente Causa Perda De Massa Muscular (Massa Magra)?

Uma outra dúvida muito comum é a respeito da conservação da massa muscular quando nós praticamos jejum.

Essa questão aparece principalmente porque sempre ouvimos por aí, (especialmente repetido como mantra em academias), que se você não comesse a cada três horas o seu corpo passaria a queimar músculos para te fornecer energia.

Infelizmente esse é um mito muito comum — e nós simplesmente não temos ideia de onde ele veio.

Se você leu a pergunta sobre “comer a cada 3 horas” que respondemos acima, então já entendeu que você não precisar comer a cada 3 horas para conservar sua massa muscular.

Por outro lado, pode estar se perguntando se ficar períodos mais longos sem comer (16, 24, 48 horas ou mais) prejudicaria sua massa magra.

Mas você  pode ficar tranquilo: durante a janela de jejum você não vai quebrar músculos como forma de energia.

Na verdade, os seus músculos até podem servir como fonte de energia, mas você tem outras reservas que são muito mais fáceis de serem utilizadas pelo seu corpo como: a gordura da sua barriga e de outros lugares, e o glicogênio.

Lembrando que o glicogênio é a nossa reserva de energia na forma de carboidratos, que fica armazenada tanto no fígado, quanto nos músculos, entre as as células musculares.

Essas duas reservas são muito mais fáceis de serem utilizadas e, ao mesmo tempo, não prejudicam o seu corpo.

Ou seja, você não vai quebrar células musculares e ficar mais fraco para fazer suas atividades e até mesmo para conseguir se alimentar, só porque você está sem comer.

Nosso organismo é “muito inteligente”, e não vai querer te prejudicar desta forma — afinal, ele está lutando pela sobrevivência.

E isso faz muito sentido quando paramos para pensar no aspecto evolutivo de nossa espécie.

Comumente, nossos antepassados simplesmente não conseguiam nenhum tipo de comida por vários dias seguidos.

Seja porque não encontravam nenhuma presa, ou porque não conseguiam caçá-la, ou porque não encontravam nenhuma árvore com frutas para serem comidas.

No período paleolítico, não haviam plantações, e não era sempre que tinha comida à disposição.

Então, nessas ocasiões, se nosso corpo não tivesse a habilidade de conservar a massa muscular e passasse a queimá-la como energia, nós simplesmente iríamos começar a definhar, perdendo justamente a capacidade de ir atrás do alimento.

Segundo essa teoria, quanto mais tempo passasse, mais músculos seriam queimados.

E quanto mais músculos fossem gastos, mas difícil seria fazer tarefas como caçar, coletar alimentos ou mesmo levá-los até a boca e mastigá-los, caso fossem encontrados — afinal, até mesmo a mandíbula é movida por músculos.

(Falamos mais sobre esse ponto em outro texto — que explica por que ficar sem comer carboidratos também não vai destruir sua massa muscular.)

Porém, é importante fazer uma observação.

Ficar sem comer durante períodos muito longos realmente pode fazer com que você quebre um pouco de massa muscular para gerar energia, ainda mais após suas reservas de glicogênio se esgotarem.

Nesse caso, estamos falando de jejuns realmente longos, na ordem de vários e vários e vários dias, e isso não é o que nós estamos tratando aqui.

Jejuns ocasionais de até 24 a 48 horas não vão oferecer nenhum perigo à sua massa muscular, especialmente se você treina com pesos e ingere uma quantidade adequada de proteínas durante suas janelas de alimentação.

Jejum Intermitente — Dúvida #9: Posso Fazer Exercícios Físicos Durante O Jejum?

Outra pergunta bastante comum diz respeito ao jejum e aos exercícios físicos.

As perguntas mais comuns costumam ser:

  • será que posso treinar em jejum?
  • será que posso não comer nada depois do treino?
  • será que posso treinar em jejum e continuar em jejum depois?

De maneira resumida a resposta para essas perguntas e suas variações é: você pode fazer o que você quiser.

Você pode treinar em jejum se você se sentir bem, por exemplo.

Ao mesmo tempo em que existem pessoas que não se sentem bem, e nesse caso provavelmente elas não deveriam treinar em jejum.

É claro que se você está passando de uma alimentação alta em carboidratos, especialmente refinados, comendo a cada três horas; para uma alimentação low-carb e ainda começa a fazer jejum e a treinar pesado, então é normal que você não se sinta bem.

É necessário dar um tempo para o seu corpo se adaptar a todas essas mudanças.

Porém, nós acreditamos que a maioria das pessoas consegue, sim, treinar em jejum após algum tempo de adaptação, se elas quiserem fazer isso.

Ou seja, não tem nada de especial em estar em jejum que te impeça de treinar.

Você pode, inclusive, treinar em jejum e depois permanecer em jejum por mais algumas horas até o seu almoço.

Como a gente falou no caso do jejum leangains, não necessariamente você precisa fazer a sua primeira refeição logo antes ou logo após o treino.

(O próprio Martin Berkhan comenta sobre isso.

Porém, nesse caso, ele argumenta que talvez fosse melhor você ingerir alguns gramas de BCAA após o treino, enquanto espera pelo seu almoço.

Mas ele mesmo também não acredita ser obrigatória essa ingestão de BCAAs.)

Discutimos essa questão de jejuns muito longos e exercícios físicos no nosso texto de pré e pós treino na dieta low-carb.

Mais uma vez, a melhor maneira de saber se isso funciona ou não para você é testando em você — afinal exercícios são saudáveis, jejum intermitente também — e por isso você não precisa ter medo.

Talvez você goste de treinar em jejum.

Talvez você não tenha fome logo após o treino, ou então tenha de ir correndo para o trabalho, permanecendo em jejum mais um tempo.

O mais importante é você ficar tranquilo(a), sabendo que isso não é nenhum problema.

E no final das contas, você vai testar e ver o que é melhor para você.

A diferença é que agora você não precisa mais se preocupar com aqueles velhos achismos e mitos das academias ao tomar suas decisões.

Jejum Intermitente — Dúvida #10: Quais Suplementos Não Quebram O Jejum Intermitente?

Agora que você já sabe que pode treinar em jejum, sem comer nada antes e nada depois, talvez sua próxima dúvida seja justamente relacionada aos suplementos.

Conforme já dissemos anteriormente, teoricamente, o jejum é um período no qual não se deve comer nada.

Porém, existem exceções, como no caso do jejum de insulina.

Por isso é natural que surjam dúvidas relacionadas ao suplementos também.

Até porque existem suplementos que realmente não quebram o jejum — por não conterem calorias.

Esses suplementos que não atrapalham seu jejum intermitente, independentemente do tipo ji, são:

  • cafeína (já havíamos falado da versão líquida na forma de café, mas a versão cápsula também está liberada);
  • chá verde (idem ao anterior);
  • creatina;
  • vitaminas;
  • minerais;
  • multivitamínicos.

Também existem suplementos compostos apenas por gorduras que não atrapalham caso você esteja visando apenas o controle da insulina, como:

  • óleo de coco;
  • óleo MCT;
  • óleo de peixe (ômega-3).

Que, curiosamente, são alguns dos suplementos mais utilizados por praticantes de dieta cetogênica.

E por fim, vale falar sobre suplementos de proteína.

Isso porque, conforme já falamos, existem alguns autores que argumentam que pequenas quantidades de calorias (até 50 kcal), principalmente se provenientes das proteínas, não te tirariam do estado de jejum.

Seguindo essa linha de raciocínio, os seguintes suplementos seriam aceitos, desde que em doses inferiores a cerca de 12g (afinal 12,5g de proteínas representam 50 kcal):

dentre outros suplementos de proteínas inteiras ou aminoácidos livres de carboidratos.

Conforme você deve ter percebido se leu este texto atentamente, essa abordagem não é unanimidade entre todos os autores.

Porém, em nossa opinião, ela pode ser útil para algumas pessoas.

E o melhor a se fazer é testar e ver o que funciona melhor para você.

Afinal de contas, apenas você sabe como você se sente melhor — e isso é o mais importante.

Jejum Intermitente — Dúvida #11: O Que Dizer Quando Alguém Critica Seu Jejum?

A verdade é que, mesmo com todo o apoio que a ciência dá a essa prática, jejuar ainda é um tema polêmico para grande parte das pessoas.

(Por mais que seja estranho vivermos em uma sociedade na qual pular refeições ocasionalmente e comer comida de verdade causem polêmica.)

Por isso, não se assuste se receber críticas ou comentários indesejados de amigos e familiares.

Na verdade, preparamos uma mensagem especial para você:  O Que Responder Quando Alguém Critica Seu Jejum Intermitente

A ideia é mostrar que estamos juntos nessa — e que incentivamos todas as práticas que façam bem a você, por fora e por dentro.

Conclusão E Palavras Finais

Tentamos com este texto responder às dúvidas mais comuns que já recebemos de nossos leitores ou mesmo que já vimos nos comentários de nossas mídias sociais (Youtube, Facebook e Instagram).

Esperamos tê-las respondido didaticamente e te ajudado a sanar suas dúvidas sobre o assunto jejum intermitente.

Se você ainda tem alguma outra dúvida sobre ji, não precisa ter medo: pode deixá-la aqui nos comentários abaixo que sempre respondemos a todos.

Então não fique tímido(a) para comentar.

E, se viu valor neste texto e acredita que ele pode ajudar outras pessoas, sinta-se livre para compartilhá-lo com seus amigos, familiares e mesmo grupos de Whatsapp ou Facebook.

Nos falamos em breve — em jejum ou não 😉

Forte abraço,
– Guilherme e Roney.

Referências

Algumas fontes que pesquisamos para escrever este artigo foram as seguintes: