Caldo de Ossos: 6 Razões Para Consumir (Mais: Como Fazer Sopa de Osso)

O caldo de ossos é uma bebida que tem se tornado cada vez mais popular, especialmente entre pessoas preocupadas com a saúde. 

Isto porque elas acreditam que ele possa trazer muitos benefícios para nosso organismo.

Embora a pesquisa acadêmica sobre o caldo de ossos em si seja muito incipiente, há diversas evidências que sugerem que tomá-lo pode ser muito benéfico.

Por isso, leia atentamente esse artigo até o final, porque assim você vai descobrir:

  • o que é caldo de ossos,
  • quais os benefícios do caldo de osso para sua saúde e
  • qual a melhor receita para fazer seu caldo de ossos.

Então, para começar, vamos entender exatamente o que é essa bebida comumente chamada de caldo de ossos.

Relacionado: Conheça nosso cardápio para 147 dias de dieta low-carb + livro de receitas.

O Que É Caldo De Osso?

Caldo de osso é uma bebida pobre em carboidratos que pode ser preparada fervendo-se os ossos e o tecido conjuntivo de animais.

Este alimento altamente nutritivo é comumente usado no preparo de sopas, molhos e caldos. 

Recentemente também ganhou popularidade como uma bebida saudável.

A origem do caldo de ossos remonta aos tempos paleolíticos, quando caçadores-coletores transformavam as partes não-comestíveis de animais — como ossos, cascos e juntas — em um caldo que eles poderiam beber.

Mas você não precisa viver como nossos ancestrais para fazer o seu caldo nutritivo.

Para isso, tudo que você precisa são ossos de qualquer animal — como porco, vaca, vitela, peru, cordeiro, bisão, búfalo, veado, frango ou peixe.

Também podem ser usados a medula e tecidos conjuntivos — como pés, cascos, bicos, peles, moelas, barbatanas, articulações, etc.

Resumindo: O caldo de osso é feito fervendo os ossos e o tecido conjuntivo de animais. Esta fonte de nutrientes é usada em sopas, molhos e bebidas saudáveis.

Se deseja comprar caldo de ossos pronto, basta acessar aqui.

Como Fazer O Caldo De Ossos

Fazer o caldo de osso é muito simples.

Existem muitas receitas e variações, mas a maioria das pessoas nem sequer acaba usando uma “receita”.

Tudo o que você realmente precisa é uma panela grande, água, vinagre e ossos.

Para começar, aqui está uma receita fácil para você acompanhar:

>>> Inscreva-se no nosso canal do YouTube clicando aqui

Ingredientes:

  • 50 ml de vinagre (cerca de 3 colheres de sopa) (opcional)
  • Temperos (ervas e sal a gosto) (opcional)
  • Muita água
  • Muitos ossos (também pode ter tecidos conjuntivos)

Preparo:

  • Colocar os ossos em uma grande panela e enchê-la de água até cobri-los;
  • Adicionar cerca de 3 colheres de sopa de vinagre (para que os nutrientes se soltem mais facilmente dos ossos);
  • Colocar os temperos desejados;
  • Esperar a água ferver, abaixar o fogo e deixar cozinhando por cerca de 6 horas (também pode ser feito na panela de pressão cozinhando-se por 3 horas).

Para tornar o seu caldo de ossos ainda mais nutritivo, você pode usar ossos variados — ossos de medula, rabo, juntas e pés, como o famoso caldo de mocotó.

Você pode até mesmo misturar e combinar os ossos de vários animais na mesma receita.

Você também pode adicionar legumes, ervas ou especiarias no seu caldo para realçar o sabor.

Adições comuns incluem alho, cebola, aipo, cenoura, salsa e tomilho.

(Embora algumas pessoas que seguem uma dieta cetogênica prefiram não adicionar vegetais à receita.)

Eles podem ser adicionados junto com os ossos logo no primeiro passo.

Como você pode ver, o caldo de osso é incrivelmente fácil de fazer.

Por isso, vamos listar seis razões pelas quais você pode querer experimentá-lo.

Resumindo: O caldo de osso é feito fervendo os ossos em água com um pouco de vinagre. Você também pode adicionar outros ingredientes para dar mais sabor.

E se você não quer ter esse trabalho na sua casa, basta comprá-lo pronto aqui.

Benefício Do Caldo De Osso #1 — Ele Contém Vitaminas e Minerais Importantes

Em geral, o caldo de osso é muito nutritivo.

No entanto, o teor de nutrientes depende de quais ingredientes você usa, uma vez que cada um traz algo diferente para a receita.

Ossos de animais são ricos em cálcio, magnésio, potássio, fósforo e outros minerais — inclusive, são os mesmos minerais necessários para desenvolver e fortalecer os seus próprios ossos. [1] [2]

Se você fizer seu caldo com ossos e espinhas de peixe, ainda terá alguma dosagem de iodo, que é essencial para um metabolismo saudável e o bom funcionamento da tireoide. [3] [4]

O tecido conjuntivo traz a glucosamina e condroitina, compostos naturais encontrados na cartilagem que são conhecidos para ajudar na saúde das articulações. [5] [6]

(Inclusive, muitas pessoas com problemas nas articulações tomam suplementos alimentares destes compostos.)

A medula também fornece nutrientes como cálcio, ferro, e algumas vitaminas do complexo B, além da vitamina E. [7]

Todas estas partes de animais também contêm a proteína colágeno, que se transforma em gelatina quando cozida, rica em vários aminoácidos importantes. [8] [9] 

Inclusive por isso muita gente prefere fazer gelatina caseira com mocotó. 

No vídeo acima, mostramos como fazemos a nossa gelatina de mocotó.

À medida que os ingredientes cozinham, seus nutrientes são liberados para a água em uma forma que seu corpo pode absorver facilmente.

Muitas pessoas não obtêm o suficiente destes nutrientes a partir da dieta.

Sendo assim, beber caldo de ossos é uma boa maneira de consegui-los.

Infelizmente, é impossível saber a quantidade exata de cada nutriente contido no caldo, porque cada composição dos ossos é muito diferente.

Resumindo: Caldo de osso é rico em minerais que ajudam a desenvolver e fortalecer os ossos.

Ele também contém muitos outros nutrientes saudáveis, incluindo vitaminas, aminoácidos e ácidos graxos essenciais.

Ainda por cima, ele não contém carboidratos, por isso não vai tirar você do estado de cetose.

Sendo assim, o caldo de ossos é uma excelente adição para o seu Cardápio — e pode ser livremente tomado dentro das diretrizes do Cardápio Tanquinho 2.0.

Benefício Do Caldo De Osso #2 — Ele Pode Ajudar O Sistema Digestivo

Cada vez mais, a ciência mostra o quanto a nossa saúde em geral depende fortemente da saúde do nosso trato intestinal.

Não apenas o caldo de osso é fácil de digerir, como também pode auxiliar na digestão de outros alimentos.

Conheça outros alimentos que fazem bem para o seu intestino.

A gelatina encontrada no caldo de osso naturalmente atrai e absorve líquidos.

(É por este motivo que o caldo preparado corretamente coagula na geladeira.)

Essa gelatina pode também se ligar à água do seu sistema digestivo, ajudando a comida a se mover mais facilmente através de seu intestino.

Estudos em ratos mostraram que o caldo de ossos ajuda a proteger e curar a mucosa do trato digestivo — especialmente em ratos que tinham colite. [10] [11]

Acredita-se que o mesmo efeito ocorre em seres humanos, embora mais pesquisas precisem ser feitas para comprovar sua eficácia.

Além disso, o caldo de osso contém glutamina.

A glutamina ajuda a manter a função da parede intestinal e tem sido conhecida por prevenir e curar uma condição conhecida como “intestino permeável”. 

(Falamos sobre permeabilidade intestinal em nosso texto sobre os malefícios do trigo.)

Intestino permeável é uma condição perigosa, na qual a barreira entre o seu intestino e o resto do seu corpo não está funcionando corretamente.

Substâncias que seu corpo normalmente não permitiria passar acabam entrando em sua corrente sanguínea, o que leva à inflamação e a outros problemas.

Por todas estas razões, beber caldo de osso pode ser benéfico para indivíduos com intestino permeável, síndrome do intestino irritável (SII) ou doença do intestino irritável, tais como colite ulcerativa ou doença de Crohn.

É por este motivo que a ingestão de caldo de osso faz parte do nosso método Sistema do Intestino Inteligente.

Resumindo: A gelatina do caldo de osso ajuda na digestão saudável.

Ele pode ser benéfico em pessoas com intestino permeável ou outras doenças inflamatórias do sistema digestivo.

Benefício Do Caldo De Osso #3 — Ele Pode Ajudar A Combater A Inflamação

Os aminoácidos encontrados no caldo de osso, incluindo glicina e arginina, têm efeitos anti-inflamatórios fortes. [12][13]

A arginina, em particular, pode ajudar a combater a inflamação crônica.

Um estudo feito em animais mostrou que o uso de arginina em ratinhos com asma diminuiu a inflamação e melhorou os sintomas da asma. [14]

Outro estudo em ratos sugere que a suplementação com arginina poderia ajudar a combater a inflamação em indivíduos obesos. No entanto, mais pesquisas precisam ser feitas em humanos para confirmar estes resultados. [15]

Por um lado, alguma inflamação é necessária: ela é, potencialmente, até mesmo um dos mecanismos da hipertrofia muscular. [16]

Por outro lado,a inflamação crônica pode levar a uma série de doenças graves.

Isto inclui doença cardíaca, diabetes, síndrome metabólica, doença de Alzheimer, artrite e muitos tipos de câncer. [17]

Por isso, é importante comer bastantes alimentos anti-inflamatórios — como o próprio caldo de ossos.

A sugestão é aliar o consumo de caldo de ossos a um cardápio low-carb bem formulado (como o Cardápio Tanquinho 2.0).

Resumindo: Os aminoácidos do caldo de osso podem ajudar a combater a inflamação. Por este motivo, consumir caldo de ossos pode ajudar na proteção contra certas doenças.

Benefício Do Caldo De Osso #4 — Seus Nutrientes Mostraram-se Benéficos Para A Saúde Das Articulações

O colágeno é a principal proteína encontrada nos ossos, tendões e ligamentos.

Durante o processo de cozedura, o colágeno dos ossos e tecido conjuntivo subdividem-se em uma outra proteína chamada gelatina.

A gelatina contém aminoácidos importantes que ajudam na saúde das articulações.

Ela contém a prolina e a glicina, que seu corpo usa para construir seu próprio tecido conjuntivo. [18]

Isso inclui os tendões (que conectam os músculos aos ossos) e ligamentos (que conectam os ossos uns aos outros).

O caldo de osso também contém glucosamina e condroitina, que são compostos naturais encontrados na cartilagem. [19] [20]

Vários estudos têm mostrado que a glucosamina e a condroitina podem diminuir a dor nas articulações e diminuir os sintomas da osteoartrite. [5] [6] [21] [22]

Resumindo: Os aminoácidos do caldo de ossos ajudam na saúde das articulações e seu consumo regular pode diminuir os sintomas da artrite.

Benefício Do Caldo De Osso #5 — Ele É Um Aliado Da Perda De Peso

O caldo de osso normalmente possui muito poucas calorias, e ainda assim pode satisfazer a fome.

Inclusive, a ciência vem observando que comer sopas e caldos pode ser positivo para a perda de peso. [23] [24]

E por quê?

Basicamente, porque este tipo de alimento ajuda a aumentar a sensação de saciedade, com poucas calorias, e isso pode levar a um bom emagrecimento ao longo do tempo. [25]

(Obviamente, se você optar por sopas e caldos low-carb, e ricos em proteínas, vai ter mais saciedade e nutrientes do que se comer uma sopa que tenha basicamente arroz ou macarrão.)

Além do mais, o caldo de osso contém proteínas (como o próprio colágeno) — e a proteína é um nutriente que também ajuda a promover a sensação de saciedade, aumentar a perda de peso, e ajudar na manutenção da massa magra. [26] [27]

Inclusive, um estudo observou que simplesmente comer mais proteína (aumentar a relação proteína-energia da dieta) gerou uma perda de peso de 4.9kg em apenas 3 meses. [28]

(Explicamos o estudo em detalhes no vídeo abaixo.)

Além disso, um estudo feito com 53 homens descobriu que, quando aliado ao treinamento de força, o uso de colágeno ajudou a aumentar a massa magra e diminuir a gordura. [29]

Resumindo: A gelatina do caldo de osso promove a sensação de saciedade.

Consumi-lo regularmente pode reduzir a ingestão calórica e levar à perda de peso no longo prazo.

Você terá mais resultados de perda de peso e manutenção de massa magra com um cardápio inteligente — conheça o método que 12.000 pessoas estão usando para emagrecer para sempre.

Benefício Do Caldo De Osso #6 — Ele Pode Melhorar O Sono E A Função Cerebral

O aminoácido glicina, que também é encontrado no caldo de osso, pode ajudar você a relaxar.

Vários estudos têm mostrado que a glicina ajuda a promover uma boa noite de sono. [30] [31] [32]

Um estudo descobriu que tomar 3 gramas de glicina antes de dormir melhorou significativamente a qualidade do sono em indivíduos que têm dificuldade em dormir. [30]

Consumir glicina antes de dormir ajudou os participantes a:

  • adormecer mais rapidamente,
  •  manter um sono mais profundo, e
  • acordar menos vezes durante a noite.

Este estudo também constatou que a glicina reduziu a sonolência diurna e melhorou a função cognitiva e a memória.

Portanto, beber caldo de ossos — que é rico em glicina — poderia trazer benefícios semelhantes.

Resumindo: Ingerir glicina antes de dormir pode melhorar a qualidade do sono, a função cognitiva e a memória.

É por isso que nós pessoalmente preferimos tomar o nosso caldo de ossos após o jantar, e antes de dormir.

Dicas Para Usar O Caldo De Ossos

Aqui estão algumas dicas adicionais para fazer e consumir o caldo de osso.

Onde Conseguir Ossos Para Fazer Caldo de Ossos

Em vez de jogar no lixo os ossos e carcaças que sobram das refeições, guarde-os para fazer o caldo.

Você pode armazenar os ossos em um recipiente e armazená-lo no seu freezer, até que tenha quantidade suficiente de ossos para fazer o caldo.

Nós usamos bastante os ossos de sobrecoxas de frango, costelinha suína, ou mesmo ossobuco bovino, por exemplo.

Porém, mesmo se você não é o tipo de pessoa que normalmente compra e come frangos inteiros ou carne com osso… mesmo assim você tem opções.

Nesse caso, uma alternativa pode ser pedir os ossos no açougue que você frequenta, ou mesmo na feira.

Você também pode encontrá-los em alguns mercados, na seção de carnes.

A melhor parte é que eles são muito baratos (seu açougueiro pode até mesmo te dar de graça).

Assim, fica fácil consumir caldo de ossos no seu dia a dia.

E se eu não quiser fazer o caldo de ossos?

Conforme mostramos acima, fazer caldo de ossos não é difícil nem complicado.

No entanto, pode ser um pouco trabalhoso, sim.

Nesse caso, se você não quiser fazer caldo de ossos, existem algumas opções para você comprar caldo de ossos já pronto para consumo.

Você encontrar opções acessíveis, e com entrega para todo o Brasil nos próximos dois links:

No momento em que escrevemos este texto, existem opções prontas para você comprar tanto o caldo de osso de boi, quanto o caldo de osso de frango.

Como Armazenar Caldo de Ossos

Embora seja mais fácil fazer o caldo em grandes quantidades, ele apenas pode ser armazenado com segurança na geladeira por até 5 a 7 dias.

Para seu caldo durar mais, você pode congelá-lo em pequenos recipientes e aquecer porções individuais conforme sua vontade.

No freezer, o caldo de ossos dura de 3 a 6 meses, com tranquilidade.

Com Que Frequência Beber Caldo de Ossos

Simplesmente não existe uma resposta universal para essa pergunta.

Muitas pessoas recomendam beber uma xícara de caldo de osso diariamente, para obter o máximo de benefícios para a saúde.

Mas é claro que tomar um pouco é melhor do que não tomar nada.

Então, seja uma vez por semana ou uma vez por dia, beba caldo de ossos quando puder.

Maneiras de Consumir Caldo de Ossos

Você pode beber o caldo de osso por si só, mas nem todo mundo gosta de sentir a textura dele na boca.

Felizmente, existem outras maneiras de apreciá-lo.

Ele pode ser usado como base para sopas, ou para fazer molhos e caldos.

Aqui está uma receita simples de sopa italiana usando caldo de osso.

Sopa Low-Carb Com Caldo De Ossos #1: Sopa À Moda Da Vovó Italiana

Tempo de preparo: 15 minutos
Tempo de espera: 1 hora

Quantidade de carboidratos por porção: 3g

Ingredientes (8 porções):

  • 500 g de linguiça italiana
  • 500 g de patinho ou músculo moído
  • 900 g de tomates picados
  • 3 xícaras de caldo de ossos
  • 500 g abobrinha picada
  • 1 pimentão verde picado
  • 1 xícara de alho poró finamente picado
  • 2 cebolas picadas
  • Ervas a gosto
  • Sal e pimenta a gosto

Preparo:

  • Selar a linguiça e a carne em fogo médio em uma panela grande;
  • Adicionar a cebola e deixar fritar um pouco;
  • Adicionar o caldo de ossos e misturar bem;
  • Adicionar os demais ingredientes;
  • Diminuir o fogo, tampar e cozinhar até que os vegetais fiquem macios (cerca de 1 hora);
  • Adicionar os temperos desejados, misturar tudo e deixar cozinhar mais um pouco até a sopa estar com a “grossura” desejada;
  • Servir.

Sopa Low-Carb Com Caldo De Ossos #2: Sopa Cetogênica De 5 Minutos

Tempo de preparo: 5 minutos

Quantidade de carboidratos por porção: 2g

Ingredientes (1 porção):

  • 1 ½ xícaras de caldo de ossos
  • 1 colher de sopa de gordura de bacon (ou manteiga)
  • 2 ovos grandes
  • 1 colher de chá de alho amassado (ou finamente picado)
  • Tempero a gosto (sal, pimenta do reino, orégano, tomilho, etc…)

Preparo:

  • Aquecer uma panela no fogão em fogo médio-alto (a receita deve ser feita rapidamente, então quanto mais quente melhor);
  • Adicionar o caldo de galinha e a gordura de bacon (ou manteiga);
  • Deixar o caldo ferver e misturar tudo;
  • Em seguida, adicionar o alho amassado e mexer novamente;
  • Desligar o fogo;
  • Bater os ovos em um recipiente separado e despejar no caldo ainda quente;
  • Misturar bem e deixar descansar por alguns minutos de modo a cozinhar os ovos;
  • Está pronto — delicie-se de uma incrível sopa de ovos cetogênica feita em apenas 5 minutos.

Sopa Low-Carb Com Caldo De Ossos #3: Sopa “Esquenta Peito” De Agrião

Tempo de preparo: 20 minutos
Tempo de espera: 25 minutos

Quantidade de carboidratos por porção: 3g

Ingredientes (4 porções):

  • 2 xícaras de caldo de ossos
  • 1 alho-poró
  • 1 maço de agrião
  • 1 cebola
  • ½ salsão finamente picado
  • Sal e pimenta a gosto
  • 1 colher de sopa de creme de leite (opcional)

Preparo:

  • Aqueça o caldo de ossos em uma panela;
  • Em uma frigideira, cozinhe a cebola, o alho-poró e o aipo até que fiquem macios;
  • Colocar 2/3 desses vegetais na panela com caldo de galinha e reservar o restante;
  • Temperar o caldo com sal e pimenta a gosto;
  • Adicionar o maço de agrião na panela e cozinhar por alguns minutos até que ele murche;
  • (Adicionar o creme de leite);
  • Misturar bem com auxílio de um mixer (passo opcional);
  • Adicionar os vegetais reservados à panela;
  • Servir.

Caldo de Ossos — Conclusão E Palavras Finais

Caldo de osso contém muitos nutrientes importantes, alguns dos quais trazem benefícios incríveis para a saúde.

No entanto, a pesquisa sobre o caldo de ossos em si ainda está começando.

O que se sabe com certeza é que o caldo de osso é altamente nutritivo e que, possivelmente, adicioná-lo à sua dieta pode fornecer uma série de benefícios para a saúde.

E sabe: com este rápido artigo, você já sabe mais do que a maioria das pessoas sobre caldo de ossos.

Afinal, você acabou de descobrir:

  • o que é o caldo de ossos,
  • quais seus nutrientes importantes (glicina, colágeno, glucosamina, condroitina),
  • quais seus benefícios de saúde,
  • como fazer caldo de ossos (qual a receita deste caldo), e até mesmo
  • onde comprar seu caldo de ossos pronto.

Então… meus parabéns! 

Por ter lido até aqui, você já aprendeu sobre esta bebida ancestral, que tem benefícios que vão do emagrecimento à saúde intestinal — passando pela saúde das articulações e mesmo pelo sono.

De fato, o caldo de ossos pode ser um grande aliado na estratégia low-carb e cetogênica.

No entanto, é importante deixar claro que apenas tomar caldo de ossos não vai fazer milagres.

Porque é mais importante o contexto como um todo da sua alimentação: buscar alimentos pouco processados, ricos em nutrientes, e com amplas fontes de proteínas completas.

Particularmente, é isso que nós fazemos: não nos preocupamos em tomar caldo de ossos religiosamente todos os dias — e nem mesmo em todas as semanas.

Em vez disso, apenas focamos em basear nossa alimentação em comida de verdade, de maneira inteligente.

E usamos o caldo de ossos ocasionalmente, para consumir puro ou para fazer incríveis receitas.

Elas sim nos ajudam a sair da rotina, e manter a boa forma com saúde e sabor.

Se você gostaria de ter acesso ao exato conhecimento que vai te permitir montar cardápios low-carb e cetogênicos, então quero te convidar a conhecer nosso treinamento de elaboração de cardápios e refeições low-carb.

Este é um treinamento 100% online que vai te ensinar tudo o que você precisa saber para montar o seu próprio menu low-carb para emagrecer.

Um menu realmente saudável, com todos os nutrientes que você precisa, e que se adapta a sua realidade: inclusive às suas possibilidades financeiras, intolerâncias alimentares, e preferências pessoais.

Veja aqui a lista do que você vai aprender no Treinamento.

Além do conteúdo completo do Treinamento de Refeições em si, você ganha diversos bônus ao se inscrever.

Eles incluem:

(Só por estes bônus já valeria a pena fazer o Treinamento de Refeições.)

Sendo que você também terá acesso vitalício a todos estes treinamentos, além dos diversos materiais de apoio:

  • pdfs com resumo prático + anotações das aulas;
  • materiais bônus (“esqueleto” do cardápio + scorecard dos alimentos) que não estão disponíveis em nenhum outro lugar;
  • aula bônus ao vivo para retirada de dúvidas;
  • acesso vitalício à aula e aos materiais de apoio do treinamento;

>>> Clique aqui para ver os conteúdos das aulas e fazer sua inscrição

Vai ser um prazer receber você lá — e tirar todas as suas dúvidas, para contribuir com a sua saúde e sua transformação.

E ajudar a deixar você no controle do seu corpo.

Nos falamos lá dentro!

Forte abraço,
— Guilherme e Roney, do Senhor Tanquinho.

Referências

Para tornar a leitura mais fluida, agrupamos nesta seção algumas das referências consultadas para a elaboração deste artigo.

Note que você pode ter acesso a um livro físico que reúne em linguagem simples (e com mais de 300 referências bibliográficas) tudo o que a ciência reúne de melhor sobre alimentação e saúde: conheça o livro Saúde Sem Mitos.

  1. Hsu, D. J., Lee, C. W., Tsai, W. C., & Chien, Y. C. (2017). Essential and toxic metals in animal bone broths. Food & nutrition research, 61(1), 1347478. https://doi.org/10.1080/16546628.2017.1347478 
  2. Karpouzos, A., Diamantis, E., Farmaki, P., Savvanis, S., & Troupis, T. (2017). Nutritional Aspects of Bone Health and Fracture Healing. Journal of osteoporosis, 2017, 4218472. https://doi.org/10.1155/2017/4218472 
  3. Sarvenaz Khalili Tilami & Sabine Sampels (2018) Nutritional Value of Fish: Lipids, Proteins, Vitamins, and Minerals, Reviews in Fisheries Science & Aquaculture, 26:2, 243-253, DOI: 10.1080/23308249.2017.1399104
  4. Chung H. R. (2014). Iodine and thyroid function. Annals of pediatric endocrinology & metabolism, 19(1), 8–12. https://doi.org/10.6065/apem.2014.19.1.8 
  5. Singh, J. A., Noorbaloochi, S., MacDonald, R., & Maxwell, L. J. (2015). Chondroitin for osteoarthritis. The Cochrane database of systematic reviews, 1(1), CD005614. https://doi.org/10.1002/14651858.CD005614.pub2 
  6. Ogata, T., Ideno, Y., Akai, M., Seichi, A., Hagino, H., Iwaya, T., Doi, T., Yamada, K., Chen, A. Z., Li, Y., & Hayashi, K. (2018). Effects of glucosamine in patients with osteoarthritis of the knee: a systematic review and meta-analysis. Clinical rheumatology, 37(9), 2479–2487. https://doi.org/10.1007/s10067-018-4106-2 
  7. Hassan, A. A., Sandanger, T. M., & Brustad, M. (2012). Level of selected nutrients in meat, liver, tallow and bone marrow from semi-domesticated reindeer (Rangifer t. tarandus L.). International journal of circumpolar health, 71, 17997. https://doi.org/10.3402/ijch.v71i0.17997 
  8. León-López, A., Morales-Peñaloza, A., Martínez-Juárez, V. M., Vargas-Torres, A., Zeugolis, D. I., & Aguirre-Álvarez, G. (2019). Hydrolyzed Collagen-Sources and Applications. Molecules (Basel, Switzerland), 24(22), 4031. https://doi.org/10.3390/molecules24224031 
  9. Liu, D., Nikoo, M., Boran, G., Zhou, P., & Regenstein, J. M. (2015). Collagen and gelatin. Annual review of food science and technology, 6, 527–557. https://doi.org/10.1146/annurev-food-031414-111800 
  10. Zhu, S., Huang, M., Feng, G., Miao, Y., Wu, H., Zeng, M., & Lo, Y. M. (2018). Gelatin versus its two major degradation products, prolyl-hydroxyproline and glycine, as supportive therapy in experimental colitis in mice. Food science & nutrition, 6(4), 1023–1031. https://doi.org/10.1002/fsn3.639 
  11. Scaldaferri, F., Lopetuso, L. R., Petito, V., Cufino, V., Bilotta, M., Arena, V., Stigliano, E., Maulucci, G., Papi, M., Emiliana, C. M., Poscia, A., Franceschi, F., Delogu, G., Sanguinetti, M., Spirito, M. D., Sgambato, A., & Gasbarrini, A. (2014). Gelatin tannate ameliorates acute colitis in mice by reinforcing mucus layer and modulating gut microbiota composition: Emerging role for ‘gut barrier protectors' in IBD?. United European gastroenterology journal, 2(2), 113–122. https://doi.org/10.1177/2050640614520867 
  12. Razak, M. A., Begum, P. S., Viswanath, B., & Rajagopal, S. (2017). Multifarious Beneficial Effect of Nonessential Amino Acid, Glycine: A Review. Oxidative medicine and cellular longevity, 2017, 1716701. https://doi.org/10.1155/2017/1716701 
  13. Wijnands, K. A., Castermans, T. M., Hommen, M. P., Meesters, D. M., & Poeze, M. (2015). Arginine and citrulline and the immune response in sepsis. Nutrients, 7(3), 1426–1463. https://doi.org/10.3390/nu7031426 
  14. Zhang, R., Kubo, M., Murakami, I., Setiawan, H., Takemoto, K., Inoue, K., Fujikura, Y., & Ogino, K. (2015). l-Arginine administration attenuates airway inflammation by altering l-arginine metabolism in an NC/Nga mouse model of asthma. Journal of clinical biochemistry and nutrition, 56(3), 201–207. https://doi.org/10.3164/jcbn.14-140
  15. Kim, H. J., Son, J., Jin, E., Lee, J., & Park, S. (2016). Effects of exercise and L-arginine intake on inflammation in aorta of high-fat diet induced obese rats. Journal of exercise nutrition & biochemistry, 20(1), 36–40. https://doi.org/10.20463/jenb.2016.03.20.1.6 
  16. Koh, T. J., & Pizza, F. X. (2009). Do inflammatory cells influence skeletal muscle hypertrophy?. Frontiers in bioscience (Elite edition), 1(1), 60–71. https://doi.org/10.2741/E7 
  17. Pahwa R, Goyal A, Jialal I. Chronic Inflammation. [Updated 2022 Aug 8]. In: StatPearls [Internet]. Treasure Island (FL): StatPearls Publishing; 2022 Jan-. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK493173/ 
  18. Li, P., & Wu, G. (2018). Roles of dietary glycine, proline, and hydroxyproline in collagen synthesis and animal growth. Amino acids, 50(1), 29–38. https://doi.org/10.1007/s00726-017-2490-6 
  19. Bishnoi, M., Jain, A., Hurkat, P., & Jain, S. K. (2016). Chondroitin sulphate: a focus on osteoarthritis. Glycoconjugate journal, 33(5), 693–705. https://doi.org/10.1007/s10719-016-9665-3
  20. Henrotin, Y., Mobasheri, A., & Marty, M. (2012). Is there any scientific evidence for the use of glucosamine in the management of human osteoarthritis?. Arthritis research & therapy, 14(1), 201. https://doi.org/10.1186/ar3657 
  21. Kumar, S., Sugihara, F., Suzuki, K., Inoue, N., & Venkateswarathirukumara, S. (2015). A double-blind, placebo-controlled, randomised, clinical study on the effectiveness of collagen peptide on osteoarthritis. Journal of the science of food and agriculture, 95(4), 702–707. https://doi.org/10.1002/jsfa.6752
  22. Hochberg, M. C., Martel-Pelletier, J., Monfort, J., Möller, I., Castillo, J. R., Arden, N., Berenbaum, F., Blanco, F. J., Conaghan, P. G., Doménech, G., Henrotin, Y., Pap, T., Richette, P., Sawitzke, A., du Souich, P., Pelletier, J. P., & MOVES Investigation Group (2016). Combined chondroitin sulfate and glucosamine for painful knee osteoarthritis: a multicentre, randomised, double-blind, non-inferiority trial versus celecoxib. Annals of the rheumatic diseases, 75(1), 37–44. https://doi.org/10.1136/annrheumdis-2014-206792 
  23. Zhu, Y., & Hollis, J. H. (2014). Soup consumption is associated with a lower dietary energy density and a better diet quality in US adults. The British journal of nutrition, 111(8), 1474–1480. https://doi.org/10.1017/S0007114513003954 
  24. Zhu, Y., & Hollis, J. H. (2013). Soup consumption is associated with a reduced risk of overweight and obesity but not metabolic syndrome in US adults: NHANES 2003-2006. PloS one, 8(9), e75630. https://doi.org/10.1371/journal.pone.0075630 
  25. Clegg, M. E., Ranawana, V., Shafat, A., & Henry, C. J. (2013). Soups increase satiety through delayed gastric emptying yet increased glycaemic response. European journal of clinical nutrition, 67(1), 8–11. https://doi.org/10.1038/ejcn.2012.152 
  26. Leidy H. J. (2014). Increased dietary protein as a dietary strategy to prevent and/or treat obesity. Missouri medicine, 111(1), 54–58. 
  27. Leidy, H. J., Clifton, P. M., Astrup, A., Wycherley, T. P., Westerterp-Plantenga, M. S., Luscombe-Marsh, N. D., Woods, S. C., & Mattes, R. D. (2015). The role of protein in weight loss and maintenance. The American journal of clinical nutrition, 101(6), 1320S–1329S. https://doi.org/10.3945/ajcn.114.084038 
  28. Weigle, D. S., Breen, P. A., Matthys, C. C., Callahan, H. S., Meeuws, K. E., Burden, V. R., & Purnell, J. Q. (2005). A high-protein diet induces sustained reductions in appetite, ad libitum caloric intake, and body weight despite compensatory changes in diurnal plasma leptin and ghrelin concentrations. The American journal of clinical nutrition, 82(1), 41–48. https://doi.org/10.1093/ajcn.82.1.41 
  29. Zdzieblik, D., Oesser, S., Baumstark, M. W., Gollhofer, A., & König, D. (2015). Collagen peptide supplementation in combination with resistance training improves body composition and increases muscle strength in elderly sarcopenic men: a randomised controlled trial. The British journal of nutrition, 114(8), 1237–1245. https://doi.org/10.1017/S0007114515002810 
  30. Yamadera, W., Inagawa, K., Chiba, S. et al. Glycine ingestion improves subjective sleep quality in human volunteers, correlating with polysomnographic changes. Sleep Biol. Rhythms 5, 126–131 (2007). https://doi.org/10.1111/j.1479-8425.2007.00262.x 
  31. Kawai, N., Sakai, N., Okuro, M., Karakawa, S., Tsuneyoshi, Y., Kawasaki, N., Takeda, T., Bannai, M., & Nishino, S. (2015). The sleep-promoting and hypothermic effects of glycine are mediated by NMDA receptors in the suprachiasmatic nucleus. Neuropsychopharmacology : official publication of the American College of Neuropsychopharmacology, 40(6), 1405–1416. https://doi.org/10.1038/npp.2014.326 
  32. Inagawa, K., Hiraoka, T., Kohda, T. et al. Subjective effects of glycine ingestion before bedtime on sleep quality. Sleep Biol. Rhythms 4, 75–77 (2006). https://doi.org/10.1111/j.1479-8425.2006.00193.x 

52 comentários em “Caldo de Ossos: 6 Razões Para Consumir (Mais: Como Fazer Sopa de Osso)”

  1. Posso fazer o colágeno usando pés de galinha? Quanto tempo de cocção? Pode bater no liquidificador inclusive com a parte interna do osso.?
    Preciso fazer o colágeno para curar meus joelhos que está atrapalhando minha deambulação

  2. Silvia Natalina Dias Silva

    Eu ganhei várias cabeças e espinhas de salmão.
    Só não sei como limpar a cabeça, ou seja, posso colocar com tudo que vem nela ou preciso retirar alguma coisa?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *