Jejum Intermitente Para Iniciantes – O Que É, Benefícios E Tudo O Que Você Precisa Saber Sobre O JI

Jejum intermitente: o que é, como fazer, e quais os seus benefícios?”

Recebemos diariamente dezenas de perguntas sobre o jejum intermitente.

Afinal de contas, o jejum tem sido responsável por inúmeros relatos de emagrecimento e mudança de estilo de vida.

Sendo parte importante em diversos casos de sucesso e fotos de antes e depois.

Especialmente quando aliado a uma dieta low-carb ou cetogênica.

E, enquanto é verdade que o jejum pode te ajudar a emagrecer, sim… 

O fato é que ele tem sido distorcido e propagado das maneiras mais diversas que você pode imaginar.

Por isso, é importante notar que o jejum intermitente não é uma “moda”, nem uma “pílula mágica”, e nem algum tipo de dieta maluca (“dieta do jejum”).

Em vez disso, ele é uma prática milenar que pode te ajudar a emagrecer com rapidez e segurança, ao mesmo tempo em que colhe diversos benefícios de saúde.

Ao terminar a leitura deste artigo, você saberá tudo sobre o jejum intermitente (também abreviado como ji). 

Inclusive, saberá exatamente:

  • O que é exatamente o jejum intermitente,
  • Como fazer o jejum intermitente,
  • A maneira mais fácil de começar a ter resultados com o JI, e
  • Quem pode (e quem não pode) fazer o JI.

Além disso, também entenderá os 10 benefícios de saúde que você vai colher ao praticar o jejum intermitente:

  1. Promoção da autofagia celular
  2. Aumento da secreção de HGH
  3. Prevenção de doenças neurodegenerativas
  4. Prevenção de doenças cardíacas
  5. Aumento da sensibilidade à insulina
  6. Auxílio no emagrecimento
  7. Aumento da praticidade e economia
  8. Combate ao estresse oxidativo e à inflamação
  9. Aumento da expectativa de vida
  10. Possível prevenção do câncer

Isso tudo pode ser muito empolgante — porque fazer jejum é algo que pode levar os seus resultados de emagrecimento e saúde para um próximo nível.

Lembrando que você pode receber mais dicas e informações sobre o jejum gratuitamente, ao deixar seu email aqui — ou ao nos acompanhar no Telegram.

Agora, vamos começar falando sobre o que é exatamente o jejum intermitente.

Bônus: baixe aqui nosso infográfico profissional com os 10 benefícios da prática de jejum.

Conteúdo do post:

O Que É Jejum Intermitente?

Tem gente que tenta complicar demais o que é jejum intermitente — mas não há necessidade disso.

Pois, neste caso, a definição mais precisa é justamente a mais simples.

O nome “jejum intermitente” é formado por duas palavras.

Sendo que e ambas são importantes para entendermos o que ele quer dizer.

A palavra jejum se refere aos períodos em que você fica sem comer.

E a palavra intermitente significa algo que acontece de maneira interrompida.

Isto é, algo que não acontece de maneira contínua.

Segundo o dicionário Houaiss, intermitente é um “intervalo em que ocorrem interrupções; que cessa e recomeça por intervalos; intervalado, descontínuo.”

Desta forma, a palavra jejum significa ficar sem comer, e a palavra intermitente se refere a pausas no jejum.

Com esses dois termos, a prática do jejum intermitente é basicamente alternar períodos sem comer com períodos em que você pode comer.

Ou, para usar um termo comum entre adeptos do JI: alternar um período de jejum com uma janela de alimentação.

Quanto tempo cada um desses períodos deve durar?

A duração de cada um desses períodos (ou “janelas”) varia — pois ela depende de qual forma (ou protocolo) de jejum intermitente você escolher.

Sendo que existem diversos protocolos de jejum intermitente — o termo “protocolo” se refere à maneira que você faz o jejum.

Nós abordamos essas várias maneiras de fazer jejum noutro artigo: protocolos de jejum intermitente.

Mas não vamos colocar o carro na frente dos bois.

Em vez disso, por ora, saiba que diferenças estão basicamente em quanto tempo por vez você passa sem comer.

Bônus: acesse gratuitamente nosso infográfico-resumo dos 5 principais protocolos de jejum intermitente.

Boa Notícia: Você Já Faz Jejum!

Você já entendeu que jejum é basicamente “ficar algum tempo sem comer”.

E a consequência lógica dessa definição é que todo mundo faz alguma forma de jejum.

Porque quando você não está comendo por algumas horas — por exemplo, quando você está dormindo — você está jejuando.

No entanto, a maioria das pessoas não tem um calendário estruturado de refeições, em que elas colocariam deliberadamente um período de jejum.

Então não dá para dizer que essas pessoas estão praticando um verdadeiro “jejum intermitente”.

Em vez disso, elas acabam tendo jejuns relativamente curtos e bagunçados.

O que acaba por retirar alguns dos benefícios de jejuar.

Desta forma, o que acontece com a maioria das pessoas é ter um período de jejum bastante regular (geralmente algo entre 6 e 8 horas por noite) que dura da sua última refeição até você se alimentar de manhã.

(E é por essa razão que o café da manhã também é conhecido por “desjejum” — porque você está literalmente interrompendo o jejum feito durante a noite.)

Resumindo: Como o jejum intermitente consiste em alternar períodos comendo com períodos sem comer, você já faz algum tipo de jejum — por menor que seja — quando está dormindo.

No entanto, isso geralmente não é o bastante para começar a obter os benefícios do jejum.

Por isso, agora vamos revelar a você a maneira mais fácil e direta para iniciar a prática do jejum intermitente e colher os seus benefícios.

Relacionado: veja nossa tabela com as bebidas liberadas e proibidas durante o jejum.

Como Iniciar o Jejum Intermitente de Forma Fácil: Pule o Café da Manhã

Vamos começar dizendo uma verdade que costuma trazer muita polêmica: o café da manhã não é a refeição mais importante do dia.

(Esta é uma bobagem que foi muito propagada por meio de frases como “tome café da manhã como um rei, almoce como um príncipe e jante como um mendigo”.)

Mas a verdade é que realmente não “precisamos” do café da manhã.

Assim como não precisamos de nenhuma refeição específica — conforme comprovam os estudos e a história.

Mas as pessoas que tomam café da manhã pesam menos…

Talvez você já tenha visto repercutida pela mídia a afirmação de que “quem toma café da manhã emagrece mais” — ou alguma bobagem assim.

A verdade é que existe um estudo indicando uma correlação entre tomar café da manhã e ter menor peso corporal.

Mais diretamente, nesse estudo as pessoas que pulavam o café da manhã tendiam a pesar mais do que aquelas que o tomavam.

Mas o que estava acontecendo, de fato?

(Vale lembrar que esse é um estudo epidemiológico, que não estabelece causa e efeito — pois “correlação não implica causalidade”.)

O que acontece é que, ao longo das últimas décadas, fomos orientados a acreditar que tomar café da manhã era muito importante para uma vida saudável.

Dessa maneira, o estudo apenas reporta um viés: o de que pessoas que pulam o café da manhã — enquanto acreditam que ele é necessário para uma vida mais saudável — são justamente aquelas mais inclinadas a adotar outros hábitos que também não são saudáveis (como comer fast food, fumar, e não praticar exercícios).

Este é um caso bastante semelhante ao do consumo de bacon, conforme explicamos em outro artigo.

Existe outro argumento também usado pelos defensores do café da manhã: o da sensibilidade à insulina.

De maneira resumida, a sensibilidade à insulina é o oposto da resistência à insulina. E resistência à insulina significa que as células não respondem bem a esse hormônio. 

(O que pode fazer com que níveis de insulina se elevem, assim como os níveis de açúcar de sangue — o que pode levar ao ganho de peso, ao diabetes tipo 2 e a outros problemas de saúde.)

Sendo assim, é válido lembrar o seguinte.

Quanto mais sensível seu corpo for à insulina, mais provável será você perder gordura e ganhar massa muscular

E uma maior sensibilidade à insulina quase sempre está relacionado a uma dieta mais eficiente, e a uma melhora de saúde.

Nesse âmbito, como a sensibilidade à insulina é maior pela manhã, os entusiastas do desjejum matinal declaram que ingerir uma quantidade maior de calorias nessa refeição (em vez de concentrá-las em outras refeições) tende a produzir uma melhor composição corporal.

Ou seja: que seria melhor consumir mais calorias pela manhã do que ao longo do dia.

O que é esquecido aqui é que a sensibilidade à insulina não é mais elevada “pela manhã”.

dormir bem benefícios do sono (3)

Em vez disso, a sensibilidade à insulina melhora após períodos de jejum — o que acontece por cerca de 6 a 8 horas enquanto as pessoas estão dormindo.

Mais especificamente, a sensibilidade à insulina é maior quando os níveis de glicogênio estão quase nulos.

Lembrando que glicogênio é uma maneira que nosso corpo possui para armazenar glicose (carboidratos). E os estoques de glicogênio do fígado costumam ser parcialmente consumidos com o jejum que fazemos durante a noite de sono.

Sendo assim, o jejum intermitente leva isso um passo adiante: um período de jejum maior do que 10 ou 12 horas — o que pode ser conseguido simplesmente pulando-se o café da manhã (e portanto esgotando um pouco mais o glicogênio) —  pode aumentar ainda mais a sensibilidade à insulina.

Sendo assim, fica claro que não existe uma necessidade real de se fazer uma refeição logo ao acordar.

No entanto, também queremos deixar claro que não há nada de inerentemente ruim com o café da manhã.

Ou seja, mesmo que você pratique alguma forma de jejum, ainda assim pode tomar o café da manhã tranquilamente.

(Afinal de contas, existem diversas formas de fazer o jejum — pular o café da manhã é apenas mais uma delas.)

Sendo que a duração do jejum (e sua frequência) são muito mais importantes do que o horário exato do dia em que ele ocorre.

Mas pular o café da manhã se tornou uma forma bastante popular de se fazer o jejum intermitente.

Até porque o almoço e o jantar tendem a ser ocasiões mais “sociais” (como almoço de negócios, jantar com a família, etc).

E porque uma boa parte das pessoas naturalmente já tende a não ter muito apetite pela manhã.

Por todos esses motivos, para muita gente, pular o café da manhã acaba sendo a maneira mais fácil de colocar o jejum intermitente em prática.

Resumindo: Não há nada de especial com o café da manhã — e não é prejudicial para a sua saúde pular essa refeição.

Pular o desjejum matinal não vai causar ganho de peso, e você não precisa se sentir na obrigação de comer algo se não estiver com fome.

Sobre o ponto da maior sensibilidade à insulina, note que a primeira refeição que você fizer no dia vai apresentar esse mesmo benefício — não importando tanto o horário em que ela aconteça.

Além da suposta importância do café da manhã, existe ainda outro mito muito comum.

Um mito que diz respeito à suposta importância de comer várias vezes ao dia. Vamos abordá-lo agora.

Relacionado: veja as 5 formas mais comuns de se praticar jejum intermitente.

Frequência De Refeições: Você Precisa Comer Várias Vezes Ao Dia?

bolinho de caneca é uma opção de café da manhã low-carb

A maneira “ortodoxa” de se tentar perder peso — aquela propagada por muitos livros de dieta, pelas reportagens na mídia, e por nutricionistas e personal trainers — costuma dizer o seguinte.

Que, para perder peso, você tem de comer 5 ou 6 refeições pequenas por dia.

(Uma sugestão que é formulada muitas vezes como “3 refeições e 2 lanches”.)

E esse estilo alimentar com refeições bem frequentes está tão arraigado na mente da maioria das pessoas — por ter sido repetido tantas vezes e por tanto tempo —  que geralmente é tomado como fato.

O problema é que ele está errado.

Na verdade, os benefícios de se comer pequenas refeições mais vezes durante o dia nunca foram cientificamente comprovados.

As pessoas acreditam que isso poderia ajudar a acelerar o metabolismo, ou controlar a fome…

Mas isso simplesmente não acontece.

Nós falamos sobre esses pontos em detalhes num artigo completo sobre comer de 3 em 3 horas.

Nesse artigo, abordamos supostos benefícios de se comer várias vezes ao dia, como:

  • aumento do metabolismo,
  • aumento da saciedade,
  • controle dos níveis de glicemia no sangue, e
  • preservação da massa muscular.

Então, se quiser ler em mais detalhes, consulte o artigo completo sobre esse mito.

Aqui, vamos abordar rapidamente o principal motivo que embasa a ideia de comer de 3 em 3 horas: a teoria de que comer frequentemente aumentaria o metabolismo.

Pois, uma vez que sua taxa metabólica aumenta quando você come… 

Então você deveria comer mais frequentemente, para mantê-la constantemente elevada.

Essa é a ideia básica — mas o que será que os fatos dizem?

Bom, o ato de comer realmente aumenta seu gasto energético. 

Pois seu corpo precisa usar alguma quantidade de energia para digerir o alimento que você consumiu.

Este efeito é conhecido como Diet-Induced Thermogenesis (DIT), Specific Dynamic Action (SDA) ou Thermic Effect of Food (TEF) — algo como termogênese causada pela dieta, ação dinâmica específica, ou efeito térmico do alimento. 

Muitos nomes, eu sei. Mas o conceito é simples.

E a verdade é que não adianta comer mais vezes ao dia para tentar aumentar esse efeito térmico.

Porque a energia gasta para digerir o que você come é proporcional à quantidade de comida (e ao tipo de comida) que você ingere.

Ou seja: o TEF é diretamente proporcional à sua ingestão calórica, e à distribuição dos macronutrientes — e até mesmo ao nível de processamento e refino do alimento.

(Por exemplo, as proteínas têm um efeito térmico maior do que as gorduras e os carboidratos. 

E a comida de verdade, pouco processada, tende ter um efeito térmico maior do que a comida ultraprocessada.)

Em todos os casos, esse gasto energético corresponde a uma fração da energia que você ingerir na forma de comida. 

Então não adianta comer mais para gastar mais — e nem comer mais frequentemente.

Pois se você, em um dia, comer as mesmas 2000 kcal, dos mesmos alimentos…

Não haverá nenhuma diferença metabólica entre comer 5-6 refeições ou apenas 2-3.

Na verdade, contanto que o total de calorias e macronutrientes seja igual, você pode comer dez refeições ou uma refeição que você ainda terá o mesmo efeito metabólico.

Veja só, o TEF é diretamente proporcional à ingestão calórica (e à distribuição dos macronutrientes) e, se a ingestão calórica for igual, no final do dia, não haverá nenhuma diferença metabólica entre comer 5-6 refeições ou apenas 2-3.

Nós abordamos a questão do metabolismo em outro artigo completo — se você gostaria de aprender mais sobre como elevar seu gasto metabólico, basta ler: Como Aumentar Seu Metabolismo (De Acordo Com A Ciência).

Resumindo: É muito comum a crença de que se alimentar várias vezes ao dia seria algo benéfico — especialmente porque isso aceleraria o seu metabolismo.

Mas, conforme acabamos de ver, essa ideia não se apoia na realidade.

Na verdade — e em oposição ao que se costuma ouvir por aí — o jejum pode aumentar o seu metabolismo.

E isso é só o começo: vamos ver agora outros benefícios de saúde que o jejum intermitente pode trazer a você.

Relacionado: conheça o nosso “Treinamento De Jejum Intermitente Inteligente” para maximizar os benefícios do seu JI.

Jejum Intermitente — 10 Benefícios De Saúde Que Você Obtém Ao Jejuar

Obviamente, se o JI não tivesse benefícios, seria difícil engajar tantas pessoas.

Por isso, vamos aproveitar esta seção para listar alguns dos nossos favoritos.

Claro que alguns desses benefícios podem ser bem impressionantes, e mesmo despertar a incredulidade dos mais céticos. Justamente por isso, colocamos ao final do texto algumas evidências que apoiam essas afirmações.

Mas é importante entendermos que alguns benefícios tem mais lastro científico do que outros.

Por exemplo, alguns dos benefícios mais “interessantes” (como prevenção do câncer, e aumento da longevidade) encontram mais evidências em estudos com ratos.

Até mesmo por questões práticas: imagine quanto tempo levaria para concluir um estudo de longevidade em humanos, tendo em vista uma expectativa de vida de 75 anos (como é por exemplo a do Brasil).

E, mesmo havendo alguns estudos preliminares em humanos — por exemplo, testando jejum em associação com a quimioterapia para pessoas com câncer — os próprios pesquisadores ressaltam a necessidade de que mais estudos sejam feitos.

Por outro lado, isso não deve impedir você de experimentar e colher os benefícios que vão sendo descobertos a cada dia.

Pois a ciência está em constante evolução: por exemplo, o fenômeno da autofagia celular resultou num prêmio Nobel recentemente.

E a capacidade do jejum de auxiliar o emagrecimento pode resultar em perda de peso — e elogios — que você será capaz de comprovar no seu dia a dia.

Sendo assim, é bem impressionante pensarmos em todos os benefícios de saúde que você pode obter ao fazer jejum.

Ainda mais se considerarmos que tudo o que você tem de fazer é pular uma ou outra refeição ocasionalmente.

Benefícios Do Jejum — Infográfico Resumo

Além de elaborar sobre os benefícios do jejum abaixo, preparamos um infográfico gratuito para resumir algumas das vantagens de se fazer jejum.

Você pode consultar o infográfico gratuitamente, ou mesmo imprimi-lo e colar na porta da geladeira, por exemplo — se sentir que isso pode te ajudar a ter mais motivação para experimentar com o jejum.

Ele vai fornecer a você as principais informações do post de maneira resumida — explicando de forma básica alguns dos benefícios da prática de Jejum.

Basta clicar na imagem acima — ou neste link aqui — para ter acesso grátis e imediato ao infográfico completo.

Benefício Do Jejum Intermitente #1 — A Praticidade De Comer Menos Frequentemente

Este benefício nada mais é do que uma consequência lógica de se jejuar — isto é, de não comer tantas vezes ao dia.

E, assim que você começa a praticar o jejum intermitente, também começa a perceber esse benefício na prática.

Afinal de contas, fazer menos refeições significa menos tempo e/ou menos dinheiro gasto com elas.

Esse pode ser um benefício valioso — por exemplo, no caso de quem opta por pular o café da manhã.

Simplesmente ao pular essa refeição, é possível que você consiga dormir algumas dezenas de minutos a mais.

Afinal, não terá mais de acordar tão cedo para preparar e comer essa refeição — e  lavar a louça depois.

Mas pular o café da manhã não é a única forma de fazer jejum.

Por isso, se você gosta de comer um café da manhã nutritivo e saudável, pode optar por pular o almoço, por exemplo, ganhando esse tempo de volta para você.

Ou mesmo pular o jantar — e não ter de se preocupar com essa refeição ao final de um longo dia.

De todas as formas, não ter de se preocupar com pelo menos uma refeição por dia já é um grande ganho de tempo na rotina acelerada da maior parte das pessoas.

E ainda existe um benefício “bônus” que você ganha ao diminuir a frequência de refeições.

O fato de que vai ser mais fácil seguir a dieta que você estiver seguindo.

Pois, se você faz apenas 2 refeições no dia, tem menos chances de errar do que se comesse 6 vezes ao dia, por exemplo.

Assim como diminuem suas chances de comer algo que “não deveria”, por pura falta de opção.

Com isso, você provavelmente vai conseguir perder peso mais rápido — o que tem tudo a ver com o nosso benefício #2.

Benefício Do Jejum Intermitente #2 — Emagrecer Com Mais Facilidade

dieta low-carb: cardápio, dicas, receitas e tudo o que você precisa para começar a emagrecer e ter saúde ainda hoje!

Muitas pessoas começam a praticar o jejum intermitente porque desejam emagrecer.

E, conforme falamos antes, jejuar vai fazer com que você coma menos refeições do que comeria em um modelo de alimentação frequente.

Desse modo, a não ser que você realmente compensasse em excesso, comendo muito a mais nas outras refeições, você acabaria por ingerir menos calorias.

Sendo assim, fazer jejum intermitente tende a resultar em uma menor ingestão de calorias totais.

Inclusive, em alguns modelos de jejum intermitente (como o Eat Stop Eat de Brad Pilon, que abordaremos em um próximo texto), você não comeria nada, por 24 horas, 2 vezes na semana, por exemplo.

E, nos outros dias, comeria normalmente.

Fazendo uma conta rápida, isso significa que você reduziria sua ingestão de alimentos em cerca de 20 a 30%

Com isso, não é difícil entender como o jejum intermitente pode promover uma boa perda de gordura corporal.

Ainda mais se considerarmos o que muitos dos nossos alunos relatam: que o fato de jejuar aumenta a adesão à dieta.

Pois eles comem com muito mais gosto e prazer as refeições.

Em vez de comer de maneira “automática”, enquanto fazem outra coisa (como trabalhar, ou ver televisão).

Assim, sentem que o jejum os ajuda a degustar o real sabor dos alimentos, e  apreciar melhor cada refeição.

O que nos lembra a seguinte frase, atribuída a Miguel de Cervantes:

A fome é o melhor dos temperos.”

Adicionalmente, o JI auxilia o seu corpo a utilizar a gordura de maneira mais eficiente .

Especialmente num contexto onde seu corpo já esteja treinado a utilizar gordura como combustível, como em uma dieta cetogênica.

E, ao contrário do que muitos imaginam, jejuar não diminui o seu metabolismo.

Na verdade, devido ao aumento da concentração de catecolaminas, durante o JI o seu metabolismo aumenta.

Com isso, seu corpo é capaz de queimar ainda mais calorias quando está em jejum.

Dessa maneira, o jejum intermitente não só reduz a quantidade de calorias que você ingere (ao limitar a quantidade de refeições)…  

Como também auxilia a aumentar a quantidade de calorias que você queima (por aumentar o gasto metabólico).

E talvez você já tenha ouvido falar o seguinte.

“Com jejum, você até perde peso, mas também perde muita massa muscular.”

Este é mais um conceito errado — e mais uma boa notícia para você.

Pois, em um estudo, o grupo que praticou jejum intermitente eliminou a mesma quantidade de gordura que o grupo que apenas restringiu calorias.

Porém o grupo que praticou JI perdeu menos massa muscular.

Sendo que alguns pesquisadores imaginam que isso pode ser explicado pelos benefícios hormonais do jejum — os quais veremos a seguir.

Benefício Do Jejum Intermitente #3 — Melhor Sensibilidade À Insulina

O jejum intermitente pode ajudar a promover uma melhor sensibilidade à insulina e diminuir os níveis de glicose no sangue.

De maneira resumida, a sensibilidade à insulina é o oposto de resistência à insulina.

Nessa condição,  o corpo não consegue utilizar a insulina de maneira eficiente, e por isso produz quantidades cada vez maiores dela.

Ela está implicada em vários problemas de saúde, inclusive gordura no fígado e diabetes tipo 2.

E, em alguns estudos, o simples ato de praticar o jejum intermitente foi capaz de reduzir a glicemia no sangue (e a insulina no sangue) de maneira significativa.

Sem nem mesmo precisar fazer outras alterações de estilo de vida: apenas jejuar (ou diminuir a duração da janela de alimentação diária) já teve esse efeito.

Esta é uma excelente notícia para quem deseja combater essa doença cada vez mais presente na sociedade.

Benefício Do Jejum Intermitente #4 — Aumento Da Secreção de HGH

Outro benefício hormonal do jejum intermitente é o aumento da secreção do hormônio do crescimento.

O hormônio do crescimento humano (HGH) traz diversos benefícios para a saúde — e não apenas para crianças e adolescentes em fase de crescimento.

Pois ele auxilia a construção de massa muscular, e também ajuda a queimar gordura.

Nós elaboramos um artigo ensinando 11 maneiras de aumentar a secreção do hormônio do crescimento de forma natural.

Mas é extremamente interessante notar que uma das maneiras mais efetivas de aumentar o HGH é a prática do jejum — e que, ainda por cima, é completamente grátis.

Inclusive, em um estudo, os níveis de HGH aumentaram impressionantes 300% após 3 dias de jejum.

Então, se você se interessa por ganhar massa muscular ou emagrecer, os benefícios do JI são inegáveis.

Benefício do Jejum Intermitente #5 — Promoção da Autofagia Celular

Ao restringir calorias, você obriga o seu corpo a procurar energia em outros lugares que não os alimentos — afinal, você não os está ingerindo.

Curiosamente, esse processo pode favorecer a reparação celular.

Por que isso acontece?

Porque, quando jejuamos, o corpo inicia um processo de “reciclagem” de componentes das células, que é chamado de autofagia celular.

Nesse processo, o lisossomo (uma organela dentro da célula) quebra e metaboliza proteínas danificadas que foram se acumulando dentro da célula ao longo do tempo.

Esse mecanismo de autofagia celular está associado à prevenção de diversas doenças, inclusive do câncer e do mal de Alzheimer.

De maneira simplificada, a autofagia celular é um processo de limpeza do interior das células, que funciona removendo os detritos celulares, ou reciclando alguns componentes para reparo celular. 

Isso propicia um funcionamento mais saudável da célula.

O processo de autofagia ainda previne a quebra de tecido muscular, auxiliando a preservar os seus músculos mesmo em contextos de jejum ou atividade física prolongada.

E não são apenas os tecidos musculares que se beneficiam desse tipo de limpeza: as células do sistema nervoso, especialmente os neurônios, se tornam mais saudáveis, robustas e melhores em formar novas conexões, num processo denominado neuroplasticidade, quando a autofagia é rotineiramente estimulada.

Ou seja, a autofagia celular — e os seus benefícios — podem ser obtidos ao se praticar o jejum intermitente.

Benefício do Jejum Intermitente #6 — Combater O Stress Oxidativo E A Inflamação

Conforme falamos uma vez, parafraseando o Mark Sisson:

“A ciência demonstra que o stress oxidativo está ligado a diversas doenças em humanos, e por isso devemos sempre visar reduzir o dano oxidativo em nossas células — especialmente nas mitocôndrias.

E comer corretamente, evitar o stress, e se exercitar apropriadamente são algumas maneiras simples de cuidar bem de nosso organismo.”

Além das excelentes recomendações excelentes desse grande entusiasta da dieta Primal, podemos adicionar mais uma: praticar jejum intermitente.

Porque, além de combater o stress oxidativo, o jejum também ajuda a combater a inflamação celular — outro marcador associado a doenças degenerativas e envelhecimento.

Desse modo, se você se interessa por combater doenças (e eu vou apostar que sim), o jejum intermitente é mais uma ferramenta para o seu arsenal.

Até agora, vimos muitos benefícios do jejum que já estão bem estabelecidos na literatura científica.

Os próximos benefícios que vamos abordar são “promessas” do jejum intermitente.

Pois, apesar de haver evidências para corroborar esses benefícios (e nós pessoalmente apostamos nelas), é importante ressaltar que mais estudos em humanos são necessários.

Benefício do Jejum Intermitente #7 — Prevenção de Doenças Cardíacas

Num primeiro momento, podemos ser levados a pensar que não há nenhuma relação aparente entre pular refeições e o coração funcionar melhor.

Entretanto, o jejum intermitente melhora diversos dos fatores de risco associados à saúde cardíaca, como:

Porém, muitos destes resultados são baseados em estudos feitos em animais.

E são necessários mais estudos em humanos antes de podermos afirmar categoricamente que eles se traduzem em resultados concretos para eu e você.

Nesse meio tempo, sugerimos que leia o que este cardiologista tem a dizer sobre alimentação e saúde do coração.

Benefício do Jejum Intermitente #8 — Possível prevenção do câncer

Embora, novamente, sejam necessários mais estudos em humanos, os estudos feitos em animais indicam que jejuar pode ser benéfico para ajudar a prevenir o câncer.

Além disso, em um estudo, pacientes humanos jejuaram antes e/ou depois de sessões de quimioterapia, e nenhum dos pacientes envolvidos reportou efeitos colaterais significativos (além de fome ou tontura).

O jejum os ajudou a reduzir os efeitos colaterais da quimioterapia como fadiga, fraqueza e enjoos, sem prejuízo de eficácia do tratamento (nos pacientes em que isso pode ser observado).

No entanto, queremos deixar claro o seguinte: esses casos sugeriram que combinar jejum com quimioterapia pode vir a ser útil.

Mas de maneira alguma estabelecem novas diretrizes ou práticas médicas. Para isso, são necessários mais estudos.

Benefício do Jejum Intermitente #9 — Prevenção de Doenças Neurodegenerativas Como o Alzheimer

Como todos nós sabemos, a doença de Alzheimer é uma das doenças neurodegenerativas mais comuns na atualidade, acometendo milhões de pessoas todos os anos.

E não há cura disponível para essa doença, o que torna sua prevenção (ou postergação) ainda mais importante.

Estudos em ratos mostraram que o jejum intermitente pode atrasar a aparição da doença de Alzheimer ou ao menos reduzir sua severidade.

Em muitos casos reportados, uma mudança de estilo de vida, incluindo jejuns diários, já se mostrou significativa para atenuar os sintomas de Alzheimer em 9 de cada 10 pacientes.

Outros estudos em animais sugerem que jejuar pode proteger ainda contra outras doenças neurodegenerativas como doença de Parkinson e doença de Huntington.

De toda forma, mais pesquisas nesse âmbito devem ser feitas em humanos para se ter a certeza de que tais benefícios também se aplicam a nós.

Benefício do Jejum Intermitente #10 — Aumento da Expectativa de Vida

Por último, mas não menos importante, algumas pesquisas têm apontado na direção de que o jejum intermitente teria capacidade inclusive de aumentar alguns anos de sua expectativa de vida.

Na verdade esses ainda são estudos feitos em ratos — mas eles mostram que o JI, assim como a restrição calórica, leva a aumento de suas vidas.

Em um desses estudos, os ratos que praticaram algum tipo de jejum todos os dias viveram impressionantes 83% a mais que aqueles ratos que não jejuaram.

Ainda que tais benefícios não tenham sido estudos e provados em humanos, jejuar tem se tornado uma prática bem comum entre os entusiastas do anti-envelhecimento.

Dados os já conhecidos benefícios do JI para o metabolismo e todos os tipos de marcadores de saúde, faz sentido pensar que o jejum intermitente poderia ajudar a viver uma vida mais longa e saudável. 

No mínimo, o jejum pode te ajudar a ser mais saudável. 

E, com isso, ter mais anos de vida — com mais qualidade e saúde nesses anos.

Relacionado: baixe o infográfico-resumo dos 10 principais benefícios do jejum intermitente.

Jejum Intermitente: Quem Pode Fazer JI?

Até agora, vimos o que é exatamente o jejum intermitente.

Vimos também como fazer o jejum intermitente de forma fácil (por exemplo, pulando refeições, como o café da manhã).

E também vimos vários benefícios de saúde do jejum intermitente.

Por isso, talvez você queira saber neste momento se jejuar pode ser uma boa ideia para você.

E o fato é que a maioria das pessoas saudáveis pode fazer o jejum intermitente sem nenhum tipo de prejuízo a sua saúde — e ainda colhendo todos os benefícios que apresentamos acima.

É verdade que algumas pessoas vão ter mais dificuldades do que outras para iniciar o jejum intermitente.

Afinal, nem sempre é fácil reverter o cenário de anos e anos se alimentando majoritariamente de carboidratos, e comendo a cada 3 horas.

E, em mudanças drásticas de alimentação, é normal precisarmos de um período de adaptação — para que nosso corpo possa se acostumar com a nova rotina.

Isso acontece, por exemplo, quando começamos uma dieta baixa em carboidratos — como a dieta cetogênica.

Nesses casos, podemos nos sentir mal nos primeiros dias — é a chamada gripe low-carb ou keto flu.

Assim como quando alteramos muito o nosso padrão de consumo de fibras, por exemplo, também é normal passarmos por desarranjos intestinais. 

Esses desarranjos podem vir na forma de diarreia ou de intestino preso, por exemplo.

(A Dra. Ana Martha Moreira fala sobre essa adaptação intestinal a novas dietas nesta entrevista.)

Dessa forma, é normal que algumas pessoas passem por sintomas levemente desagradáveis ao começar o jejum intermitente.

O mais comum é ter alguma dor de cabeça ao fazer o jejum.

A solução é simples: se hidratar bem e, geralmente, consumir um pouco de sal.

Mas, via de regra, o mais importante que os iniciantes têm de ter em mente é não se desesperarem ao começar o jejum.

E entender que essa prática é adequada para a maioria dos adultos saudáveis.

O fato é que, evolutivamente falando, o ser humano em sua história jamais teve comida disponível a cada 3 horas.

E, ainda assim, ele tinha energia para sair em busca de alimento — mesmo após horas de jejum.

De toda forma, a prática do jejum costuma ser mais facilmente implementada quando você já está adaptado a uma baixa ingestão de carboidratos.

Porque, se você segue uma dieta com menos carboidratos, já treinou seu corpo a queimar preferencialmente gordura como fonte de energia.

Mesmo assim, não é obrigatório fazer dieta low-carb para poder jejuar.

Acontece que aliar o jejum e a dieta low-carb é simplesmente um processo comum e natural para muitas pessoas.

Resumindo: A prática de jejum intermitente é adequada para a maioria dos adultos saudáveis. Veja abaixo as situações em que jejuar não é adequado.

Relacionado: conheça o nosso “Treinamento De Jejum Intermitente Inteligente” para maximizar os benefícios do seu JI.

Jejum Intermitente: Quem Não Deve Praticar JI?

Abaixo, seguem alguns grupos de pessoas que não devem iniciar a prática do jejum intermitente por conta própria.

O jejum intermitente, para esses grupos de pessoas, somente deve ser feito com acompanhamento médico especializado, e sob a orientação desse médico.

JI para mulheres grávidas e lactantes

Na verdade, não existem pesquisas suficientes sobre os efeitos do jejum sobre os fetos.

Devido a essa ausência de conhecimento na área, achamos que é mais prudente —  tanto para o feto quanto para a mãe — evitar praticar JI durante a gestação.

O mesmo ocorre com as mulheres lactantes.

JI para crianças

Via de regra, é pouco aconselhável permitir que as crianças jejuem.

Inclusive, na Europa, há um grande debate acerca de permitir que as crianças jejuem durante o Ramadã (um mês durante o qual os muçulmanos praticam o jejum intermitente por motivos religiosos).

O jejum intermitente pode ser usado para ajudar crianças em tratamento a entrar em cetose nutricional — mas isso é feito justamente como parte de um tratamento médico, geralmente associado a uma dieta cetogênica terapêutica.

Via de regra crianças saudáveis devem comer comida de verdade, pouco processada, e não devem jejuar.

Se você quer saber mais sobre alimentação para bebês, crianças e adolescentes, veja esta entrevista com a Nutricionista Tatiane Attilio.

JI para pessoas com distúrbios alimentares

Não é recomendada a prática de jejum intermitente para pessoas que sofrem com doenças como anorexia ou bulimia.

Importante notar que o jejum não causa distúrbios alimentares — como anorexia, bulimia, ou tcap (compulsão alimentar)

No entanto, o tratamento de quaisquer distúrbios e desordens alimentares deve ser orientado por um profissional de saúde.

JI para pessoas que se recuperam de cirurgia ou enfermidade grave

Após uma intervenção médica — desde procedimentos estéticos a cirurgia bariátrica — é sensato permitir algum tempo para a recuperação antes de se iniciar a prática do jejum.

Mas apenas um médico poderá avaliar caso a caso.

JI para pessoas com certas condições médicas

Você não deve iniciar a prática de jejuar se tem algum tipo de diabetes (seja diabetes tipo 1 ou diabetes tipo 2), ou faz uso contínuo de medicamentos.

Também não é aconselhável o jejum intermitente se você apresenta alguma doença no fígado ou nos rins — nem se estiver extremamente magro, desnutrido, anêmico ou sofrendo com fadiga.

Ou mesmo se você tiver um sistema imunológico enfraquecido, pressão arterial elevada, diabetes dependente de medicamentos ou fraca circulação causando desmaios frequentes.

Em todos esses casos, você deve sempre consultar um médico de sua confiança e estar sob seus cuidados durante o jejum.

Com muitas condições, é possível jejuar — mas, quanto mais grave a condição, mais você precisa de apoio profissional durante um jejum para evitar quaisquer problemas.

Se você estiver usando qualquer medicação prescrita, as suas necessidades para esse medicamento podem variar de dia para dia, tornando necessário que você tenha monitoramento médico adequado (muitas vezes, diário).

JI para pessoas com medo de praticar jejum intermitente ou pessoas que querem “compensar” jacadas

O medo não o coloca num bom estado de emocional para jejuar e pode levar a uma experiência desagradável.

Emoções fortes, como o medo, são conhecidas por alterar os processos fisiológicos do corpo.

Em vez disso, prefira embarcar em um jejum de maneira relaxada e confiante, e esteja aberto para as mudanças positivas que jejum proporciona.

Analogamente, não recomendamos a prática do jejum como uma maneira forçada de compensar “jacadas” ou saídas da sua alimentação.

Se você comeu muito, e está sem fome, tudo bem jejuar. 

Mas não se sinta obrigado a fazer esse jejum — nem a cumprir um número mínimo de horas — para “compensar” seus excessos. (Em vez disso, siga estas dicas.)

Por fim, se você é um adulto saudável mas, por um motivo ou por outro, tem medo de praticar o jejum…

Lembre-se de que você sempre pode interromper o jejum e se alimentar, caso passe mal ou simplesmente fique com fome.

O jejum não deve ser usado como uma forma de penitência, e sim como uma prática saudável para melhorar a sua qualidade de vida.

Resumindo: Se você não tem certeza se pode praticar jejum intermitente ou, principalmente se pretende praticar jejuns prolongados (como jejuns com mais de 3 dias de duração) nossa recomendação é que você sempre consulte um profissional de sua confiança antes de mais nada.

O Que Responder Quando Falam Mal Do Seu Jejum Intermitente

View this post on Instagram

Essa é uma pergunta bem comum entre quem começa a fazer jejum Especialmente quando a família ou os amigos não sabem bem do que se trata… ou acham que é algum tipo de dieta da moda 🤦 Você poderia explicar todos os maravilhosos benefícios do jejum E também que você poderia defender sua escolha com os exemplos de sociedades que praticaram jejum ao longo da história Mas essa já não é mais a nossa resposta A nossa resposta atual é que você não deve se importar, Nem um pouquinho Afinal de contas, jejuar é uma prática que você faz por você, e não por eles. Você está jejuando porque sabe que está funcionando para você. Porque gosta de emagrecer, e da sensação que você tem quando jejua. Até porque você sabe que uma boa parte das “regras de nutrição” que a maioria das pessoas seguem (como comer de 3 em 3 horas) são inúteis, e nem são baseadas na verdade Mas não é essa nossa principal mensagem de hoje. A verdade é que você tem que ser responsável pelos seus objetivos. Então, se o seu objetivo é perder peso, você talvez tenha que ignorar as pessoas que criticam, e que ficam questionando seus métodos . Afinal de contas, se algo está funcionando para você, então você não precisa ficar explicando para todo mundo como se o mundo fosse te julgar E, especialmente, você não precisa se justificar para pessoas negativas que gostam de criticar qualquer mudança que você tente fazer – mas que elas mesmas não têm coragem de seguir Sendo assim, a mensagem de hoje é a seguinte. Que, quando estamos falando da sua saúde, é com os seus objetivos, com as suas escolhas e com a sua própria aprovação que você deve se preocupar E não com os objetivos, escolhas e aprovações de qualquer outra pessoa Então, quando as pessoas perguntam por que você está jejuando, você pode simplesmente fazer como nós e responder “porque eu não estou com fome” ou mesmo “porque eu gosto”. E se você ainda tem dúvidas sobre jejum intermitente ou quer saber como começar a praticar jejum da maneira correta para colher o máximo de benefícios, então recomendamos que se inscreva em nosso treinamento sobre JI. Para saber mais, basta clicar no link da nossa bio ou acessar www.senhortanquinho/treinamento-ji

A post shared by Guilherme e Roney (@senhortanquinho) on

Pode ser que já tenha acontecido com você, pode ser que não.

Mas provavelmente vai acontecer uma hora ou outra.

Você vai começar a fazer jejum, vai colher os benefícios dessa prática… 

Mas, uma hora ou outra — e sem você ter pedido — alguém vai fazer algum comentário desagradável sobre seu jejum.

O que responder nesses casos?

A nossa resposta quando alguém critica a prática do jejum é baseada na seguinte atitude.

Nós acreditamos que você não deve se importar com a opinião desinformada de outras pessoas.

Afinal de contas, jejuar é uma prática que você faz por você, e não por eles.

Você está jejuando porque sabe que está funcionando para você.

Porque gosta de emagrecer, e da sensação que você tem quando jejua.

Sendo que é você que tem que ser responsável pelos seus objetivos.

Então, se o seu objetivo é perder peso e ter mais saúde, você talvez tenha que ignorar as pessoas que te criticam, e que ficam questionando seus métodos.

Afinal de contas, se algo está funcionando para você, então você não precisa ficar explicando para todo mundo, como se as pessoas fossem te julgar.

Especialmente, você não precisa se justificar para pessoas negativas que gostam de criticar qualquer mudança que você tente fazer.

E que elas mesmas, muitas vezes, não têm coragem de seguir.

Sendo assim, a mensagem de hoje é a de que, quando estamos falando da sua saúde, é com:

  • os seus objetivos,
  • as suas escolhas, e
  • a sua própria aprovação

que você deve se preocupar.

E não com os objetivos, escolhas e aprovações de qualquer outra pessoa.

Então, quando as pessoas perguntam por que você está jejuando, você pode simplesmente fazer como a gente e responder “porque eu não estou com fome”, ou mesmo “porque eu gosto”.

Jejum Intermitente — Conclusão E Palavras Finais

Parabéns! Por ter lido este artigo todo, você aprendeu muito, incluindo:

  • o que é o jejum intermitente,
  • uma maneira fácil de começar o jejum intermitente,
  • quais os benefícios de se praticar o ji,
  • quem pode (e quem não pode) começar a jejuar,

E mesmo outros detalhes importantes: como o que responder quando criticam o seu jejum.

Certamente, você não está fazendo um “jejum” de aprendizado. Em vez disso, está se nutrindo de conhecimento sobre saúde e estilo de vida.

Um conhecimento que pode levar seus resultados de emagrecimento e longevidade para um próximo nível.

E, agora, eu gostaria de te fazer um convite.

Acontece que desenvolvemos um treinamento especial sobre jejum intermitente — no qual revelamos tudo o que você precisa saber para jejuar da maneira mais eficiente (e menos sofrida) possível.

Chamamos esse treinamento de Jejum Inteligente — e estamos muito orgulhosos da transformação que esse treinamento proporciona.

Porque ele permite que  você alcance seus objetivos de forma eficiente e prática— permitindo a você maximizar os benefícios do jejum, enquanto minimiza as preocupações e o sofrimento (erros comuns de muitos iniciantes). 

A verdade é que o jejum intermitente não é uma “dieta da moda”, e nem mesmo um campeonato para ver quem passa mais fome.

Em vez disso, é uma forma muito eficaz de melhorar sua performance cognitiva (incluindo sua produtividade), sua perda de peso, e sua satisfação geral com um estilo de vida altamente saudável.

O treinamento jejum intermitente inteligente pode te ajudar a fazer jejum da melhor maneira possível: para emagrecer, melhorar a saúde, e viver uma vida mais longa e mais feliz.

>>> Saiba mais sobre o treinamento e garanta seu acesso com valor promocional.

Estamos animados para ter você no nosso treinamento, e por um motivo simples: ele funciona, e traz benefícios reais aos participantes.

Se você gostou deste artigo, saiba que foi apenas a pontinha do iceberg — perto da imensidão de benefícios que o jejum intermitente (feito da maneira certa) pode trazer a você.

Será uma honra te ajudar a desbloquear ainda mais benefícios do jejum no nosso treinamento.

>>> Garanta sua vaga aqui.

Este é um convite especial, e que você é livre para aceitar ou recusar.

Se, por algum motivo ou por outro, você não puder participar do treinamento, não tem problema.

Pois você ainda pode receber dicas gratuitas no seu email, ou diretamente no seu celular (por meio do Telegram).

De toda forma, estamos animados em ter você com a gente nessa jornada.

Pois, quando começamos a praticar o jejum intermitente — em meados de 2013 — poucas pessoas falavam sobre isso.

(Ainda mais em português.)

Então é uma satisfação saber que cada vez mais pessoas estão se sentindo livres para experimentar com o jejum e otimizar a própria saúde.

Seja bem-vindo a este movimento.

Forte abraço,
— Guilherme e Roney, do Senhor Tanquinho.

P.S.: Se você já faz jejum, me conte: qual seu benefício favorito do jejum intermitente? Deixe um comentário aqui abaixo.

Referências

Para deixar a leitura mais fluida, separamos algumas das referências e estudos científicos utilizados para elaborar este artigo as agrupamos nesta seção.

  1. Leidy, H. J., Tang, M., Armstrong, C. L. H., Martin, C. B., & Campbell, W. W. (2011). The effects of consuming frequent, higher protein meals on appetite and satiety during weight loss in overweight/obese men. Obesity, 19(4), 818–824. http://doi.org/10.1038/oby.2010.203 
  2. Bellisle, F., McDevitt, R., & Prentice, A. M. (1997). Meal frequency and energy balance. British Journal of Nutrition, 77 Suppl 1, S57–70. http://doi.org/10.1079/bjn19970104 
  3. Cameron, J. D., Cyr, M.-J., & Doucet, E. (2010). Increased meal frequency does not promote greater weight loss in subjects who were prescribed an 8-week equi-energetic energy-restricted diet. The British Journal of Nutrition, 103(8), 1098–1101. http://doi.org/10.1017/S0007114509992984 
  4. Cameron, J. D., Cyr, M.-J., & Doucet, E. (2010). Increased meal frequency does not promote greater weight loss in subjects who were prescribed an 8-week equi-energetic energy-restricted diet. The British Journal of Nutrition, 103(8), 1098–1101. http://doi.org/10.1017/S0007114509992984 
  5. O’Connor, A. “The Claim: Eat Six Small Meals a Day Instead of Three Big Ones”, The New York Times, 22 de março de 2010. https://www.nytimes.com/2010/03/23/health/23really.html
  6. Leidy, H. J., Tang, M., Armstrong, C. L. H., Martin, C. B., & Campbell, W. W. (2011). The effects of consuming frequent, higher protein meals on appetite and satiety during weight loss in overweight/obese men. Obesity, 19(4), 818–824. http://doi.org/10.1038/oby.2010.203 
  7. Yada, T., Dezaki, K., Sone, H., Koizumi, M., Damdindorj, B., Nakata, M., & Kakei, M. (2008). Ghrelin regulates insulin release and glycemia: physiological role and therapeutic potential. Current Diabetes Reviews, 4(1), 18–23. http://doi.org/10.2174/157339908783502352 
  8. Lieberman, H. R., Caruso, C. M., Niro, P. J., Adam, G. E., Kellogg, M. D., Nindl, B. C., & Kramer, F. M. (2008). A double-blind, placebo-controlled test of 2 d of calorie deprivation: effects on cognition, activity, sleep, and interstitial glucose concentrations. The American Journal of Clinical Nutrition, 88(3), 667–676. http://doi.org/10.1093/ajcn/88.3.667 
  9. Dohm, G. L., Beeker, R. T., Israel, R. G., & Tapscott, E. B. (1986). Metabolic responses to exercise after fasting. Journal of Applied Physiology, 61(4), 1363–1368. http://doi.org/10.1152/jappl.1986.61.4.1363 
  10. The Complete Guide To Fasting, Jason Fung. https://amzn.to/2XPayYh 
  11. de Cabo, R., & Mattson, M. P. (2019). Effects of Intermittent Fasting on Health, Aging, and Disease. The New England Journal of Medicine, 381(26), 2541–2551. http://doi.org/10.1056/NEJMra1905136 
  12. Varady, K. A. (2011). Intermittent versus daily calorie restriction: which diet regimen is more effective for weight loss? Obesity Reviews, 12(7), e593–601. http://doi.org/10.1111/j.1467-789X.2011.00873.x 
  13. Bhutani, S., Klempel, M. C., Kroeger, C. M., Trepanowski, J. F., & Varady, K. A. (2013). Alternate day fasting and endurance exercise combine to reduce body weight and favorably alter plasma lipids in obese humans. Obesity, 21(7), 1370–1379. http://doi.org/10.1002/oby.20353 
  14. Moro, T., Tinsley, G., Bianco, A., Marcolin, G., Pacelli, Q. F., Battaglia, G., et al. (2016). Effects of eight weeks of time-restricted feeding (16/8) on basal metabolism, maximal strength, body composition, inflammation, and cardiovascular risk factors in resistance-trained males. Journal of Translational Medicine, 14(1), 290. http://doi.org/10.1186/s12967-016-1044-0 
  15. Hayward, S., Outlaw, J., Urbina, S., Burks, B., Holt, J., Stone, M., et al. (2014). Effects of intermittent fasting on markers of body composition and mood state. Journal of the International Society of Sports Nutrition, 11(1), P25. http://doi.org/10.1186/1550-2783-11-S1-P25 
  16. Varady, K. A., Bhutani, S., Klempel, M. C., Kroeger, C. M., Trepanowski, J. F., Haus, J. M., et al. (2013). Alternate day fasting for weight loss in normal weight and overweight subjects: a randomized controlled trial. Nutrition Journal, 12(1), 146. http://doi.org/10.1186/1475-2891-12-146 
  17. Horne, B. D., Muhlestein, J. B., & Anderson, J. L. (2015). Health effects of intermittent fasting: hormesis or harm? A systematic review. The American Journal of Clinical Nutrition, 102(2), 464–470. http://doi.org/10.3945/ajcn.115.109553 
  18. Ho, K. Y., Veldhuis, J. D., Johnson, M. L., Furlanetto, R., Evans, W. S., Alberti, K. G., & Thorner, M. O. (1988). Fasting enhances growth hormone secretion and amplifies the complex rhythms of growth hormone secretion in man. Journal of Clinical Investigation, 81(4), 968–975. http://doi.org/10.1172/JCI113450 
  19. Hartman, M. L. (1992). Augmented growth hormone (GH) secretory burst frequency and amplitude mediate enhanced GH secretion during a two-day fast in normal men. Journal of Clinical Endocrinology & Metabolism, 74(4), 757–765. http://doi.org/10.1210/jcem.74.4.1548337 
  20. Webber, J., & Macdonald, I. A. (2008). The cardiovascular, metabolic and hormonal changes accompanying acute starvation in men and women. British Journal of Nutrition, 71(03), 437–447. http://doi.org/10.1079/BJN19940150 
  21. Zauner, C., Schneeweiss, B., Kranz, A., Madl, C., Ratheiser, K., Kramer, L., et al. (2000). Resting energy expenditure in short-term starvation is increased as a result of an increase in serum norepinephrine. The American Journal of Clinical Nutrition, 71(6), 1511–1515. http://doi.org/10.1093/ajcn/71.6.1511 
  22. Mansell, P. I., Fellows, I. W., & Macdonald, I. A. (1990). Enhanced thermogenic response to epinephrine after 48-h starvation in humans. American Journal of Physiology-Regulatory, Integrative and Comparative Physiology, 258(1), R87–R93. http://doi.org/10.1152/ajpregu.1990.258.1.R87 
  23. Nair, K. S., Woolf, P. D., Welle, S. L., & Matthews, D. E. (1987). Leucine, glucose, and energy metabolism after 3 days of fasting in healthy human subjects. The American Journal of Clinical Nutrition, 46(4), 557–562. http://doi.org/10.1093/ajcn/46.4.557 
  24. Heilbronn, L. K., Smith, S. R., Martin, C. K., Anton, S. D., & Ravussin, E. (2005). Alternate-day fasting in nonobese subjects: effects on body weight, body composition, and energy metabolism. The American Journal of Clinical Nutrition, 81(1), 69–73. http://doi.org/10.1093/ajcn/81.1.69 
  25. Antoni, R., Johnston, K. L., Res, A. C., 2014. (n.d.). The effects of intermittent energy restriction on indices of cardiometabolic health. https://ibimapublishing.com/articles/ENDO/2014/459119/ 
  26. Azevedo, F. R. de, Ikeoka, D., & Caramelli, B. (2013). Effects of intermittent fasting on metabolism in men. Revista Da Associação Médica Brasileira (1992), 59(2), 167–173. http://doi.org/10.1016/j.ramb.2012.09.003 
  27. Varady, K. A., Bhutani, S., Church, E. C., & Klempel, M. C. (2009). Short-term modified alternate-day fasting: a novel dietary strategy for weight loss and cardioprotection in obese adults. The American Journal of Clinical Nutrition, 90(5), 1138–1143. http://doi.org/10.3945/ajcn.2009.28380 
  28. Faris, M. A.-I. E., Kacimi, S., Al-Kurd, R. A., Fararjeh, M. A., Bustanji, Y. K., Mohammad, M. K., & Salem, M. L. (2012). Intermittent fasting during Ramadan attenuates proinflammatory cytokines and immune cells in healthy subjects. Nutrition Research (New York, N.Y.), 32(12), 947–955. http://doi.org/10.1016/j.nutres.2012.06.021 
  29. Aksungar, F. B., Topkaya, A. E., & Akyildiz, M. (2007). Interleukin-6, C-reactive protein and biochemical parameters during prolonged intermittent fasting. Annals of Nutrition & Metabolism, 51(1), 88–95. http://doi.org/10.1159/000100954 
  30. Johnson, J. B., Summer, W., Cutler, R. G., Martin, B., Hyun, D. H., Dixit, V. D., Pearson, M., Nassar, M., Telljohann, R., Maudsley, S., Carlson, O., John, S., Laub, D. R., & Mattson, M. P. (2007). Alternate day calorie restriction improves clinical findings and reduces markers of oxidative stress and inflammation in overweight adults with moderate asthma. Free radical biology & medicine, 42(5), 665–674. https://doi.org/10.1016/j.freeradbiomed.2006.12.005 
  31. Zhu, Y., Yan, Y., Gius, D. R., & Vassilopoulos, A. (2013). Metabolic regulation of Sirtuins upon fasting and the implication for cancer. Current Opinion in Oncology, 25(6), 630–636. http://doi.org/10.1097/01.cco.0000432527.49984.a3
  32. Alirezaei, M., Kemball, C. C., Flynn, C. T., Wood, M. R., Whitton, J. L., & Kiosses, W. B. (2010). Short-term fasting induces profound neuronal autophagy. Autophagy, 6(6), 702–710. http://doi.org/10.4161/auto.6.6.12376 
  33. Lee, J., Duan, W., Long, J. M., Ingram, D. K., & Mattson, M. P. (2000). Dietary restriction increases the number of newly generated neural cells, and induces BDNF expression, in the dentate gyrus of rats. Journal of Molecular Neuroscience : MN, 15(2), 99–108. http://doi.org/10.1385/JMN:15:2:99 
  34. Safdie, F. M., Dorff, T., Quinn, D., Fontana, L., Wei, M., Lee, C., et al. (2009). Fasting and cancer treatment in humans: A case series report. Aging, 1(12), 988–1007. http://doi.org/10.18632/aging.100114 
  35. Rocha, N. S., Barbisan, L. F., de Oliveira, M. L. C., & de Camargo, J. L. V. (2002). Effects of fasting and intermittent fasting on rat hepatocarcinogenesis induced by diethylnitrosamine. Teratogenesis, Carcinogenesis, and Mutagenesis, 22(2), 129–138. http://doi.org/10.1002/tcm.10005 
  36. Descamps, O., Riondel, J., Ducros, V., & Roussel, A.-M. (2005). Mitochondrial production of reactive oxygen species and incidence of age-associated lymphoma in OF1 mice: effect of alternate-day fasting. Mechanisms of Ageing and Development, 126(11), 1185–1191. http://doi.org/10.1016/j.mad.2005.06.007 
  37. Lee, C., Raffaghello, L., Brandhorst, S., Safdie, F. M., Bianchi, G., Martin-Montalvo, A., Pistoia, V., Wei, M., Hwang, S., Merlino, A., Emionite, L., de Cabo, R., & Longo, V. D. (2012). Fasting cycles retard growth of tumors and sensitize a range of cancer cell types to chemotherapy. Science translational medicine, 4(124), 124ra27. https://doi.org/10.1126/scitranslmed.3003293 
  38. Siegel, I., Liu, T. L., Nepomuceno, N., & Gleicher, N. (1988). Effects of short-term dietary restriction on survival of mammary ascites tumor-bearing rats. Cancer investigation, 6(6), 677–680. https://doi.org/10.3109/07357908809078034 
  39. Wolfe, D. M., Lee, J. H., Kumar, A., Lee, S., Orenstein, S. J., & Nixon, R. A. (2013). Autophagy failure in Alzheimer's disease and the role of defective lysosomal acidification. The European journal of neuroscience, 37(12), 1949–1961. https://doi.org/10.1111/ejn.12169
  40. Sogawa, H., & Kubo, C. (2000). Influence of short-term repeated fasting on the longevity of female (NZB×NZW)F1 mice. Mechanisms of Ageing and Development, 115(1-2), 61–71. http://doi.org/10.1016/S0047-6374(00)00109-3 
  41. Barnosky, A. R., Hoddy, K. K., Unterman, T. G., & Varady, K. A. (2014). Intermittent fasting vs daily calorie restriction for type 2 diabetes prevention: a review of human findings. Translational Research : the Journal of Laboratory and Clinical Medicine, 164(4), 302–311. http://doi.org/10.1016/j.trsl.2014.05.013 
  42. Halagappa, V. K., Guo, Z., Pearson, M., Matsuoka, Y., Cutler, R. G., Laferla, F. M., & Mattson, M. P. (2007). Intermittent fasting and caloric restriction ameliorate age-related behavioral deficits in the triple-transgenic mouse model of Alzheimer's disease. Neurobiology of disease, 26(1), 212–220. https://doi.org/10.1016/j.nbd.2006.12.019
  43. Martin, B., Mattson, M. P., & Maudsley, S. (2006). Caloric restriction and intermittent fasting: two potential diets for successful brain aging. Ageing research reviews, 5(3), 332–353. https://doi.org/10.1016/j.arr.2006.04.002 
  44. Bredesen DE. Reversal of cognitive decline: A novel therapeutic program. Aging (Albany NY). 2014; 6:707-717. https://doi.org/10.18632/aging.100690 
  45. Young, J. E., Martinez, R. A., & La Spada, A. R. (2009). Nutrient deprivation induces neuronal autophagy and implicates reduced insulin signaling in neuroprotective autophagy activation. The Journal of biological chemistry, 284(4), 2363–2373. https://doi.org/10.1074/jbc.M806088200 
  46. Alirezaei, M., Kemball, C. C., Flynn, C. T., Wood, M. R., Whitton, J. L., & Kiosses, W. B. (2010). Short-term fasting induces profound neuronal autophagy. Autophagy, 6(6), 702–710. https://doi.org/10.4161/auto.6.6.12376 
  47. Masiero, E., Agatea, L., Mammucari, C., Blaauw, B., Loro, E., Komatsu, M., Metzger, D., Reggiani, C., Schiaffino, S., & Sandri, M. (2009). Autophagy is required to maintain muscle mass. Cell metabolism, 10(6), 507–515. https://doi.org/10.1016/j.cmet.2009.10.008
  48. Charles L. Goodrick, PhD, Donald K. Ingram, PhD, Mark A. Reynolds, MA, John R. Freeman, BS, Nancy L. Cider, BS, Differential Effects of Intermittent Feeding and Voluntary Exercise on Body Weight and Lifespan in Adult Rats, Journal of Gerontology, Volume 38, Issue 1, January 1983, Pages 36–45, https://doi.org/10.1093/geronj/38.1.36 
  49. Arumugam, T. V., Phillips, T. M., Cheng, A., Morrell, C. H., Mattson, M. P., & Wan, R. (2010). Age and energy intake interact to modify cell stress pathways and stroke outcome. Annals of neurology, 67(1), 41–52. https://doi.org/10.1002/ana.21798 
  50. Duan, W., Guo, Z., Jiang, H., Ware, M., Li, X. J., & Mattson, M. P. (2003). Dietary restriction normalizes glucose metabolism and BDNF levels, slows disease progression, and increases survival in huntingtin mutant mice. Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America, 100(5), 2911–2916. https://doi.org/10.1073/pnas.0536856100 
Receba atualizações dos comentários
Notifique-me de
guest
72 Comentários
mais votados
mais novos mais antigos
Inline Feedbacks
View all comments
Allan A.
Allan A.
22 de agosto de 2020 11:17

Parabéns pelo artigo! Pratico JI por mais de 2 anos e posso comprovar muito do que está escrito nesse texto. Perda de gordura, capacidade de manter massa muscular (devido a pandemia, estou há mais de 6 meses sem pisar em uma academia e mantive muito da massa magra), tempo pela manhã, etc. Hoje não sinto a mínima vontade de tomar café da manhã e antes na tentativa de ganhar massa era acordar, fazer ovo, banana, aveia, etc… Em geral, janto umas 19h30-20h e só almoço no outro dia 12h-12h30. Evito comer qualquer coisa entre intervalo de almoço e janta para… Read more »

Ana Cristina
Ana Cristina
20 de agosto de 2020 16:19

Olá, gosto muito dos benefícios do chá de folhas de Stevia, sempre adiciono uma colher de chá a duas colheres de um outro chá, porém minha dúvida é se ele atrapalha o jejum intermitente.

Anderson
Anderson
8 de janeiro de 2020 09:42

Eu comecei a praticar JI no mês passado pois estava querendo perder gordura abdominal. Daí, quando fui pesquisar descobri uma infinidade de tantos outros benefícios. Fiz um de 16h, um de 20h e outro de 16h. Já perdi uns pneus e to me sentindo muito bem!!

Wagner corracini.
Wagner corracini.
13 de dezembro de 2019 19:58

Sem palavras ….
Muito top a explicação, mesmo para uma pessoa um pouco menos informada, com certeza terá um bom aprendizado básico sobre essa maravilha do ji.
Obrigado.
Muito bom.

Ana Patrícia
Ana Patrícia
8 de dezembro de 2019 07:16

poxa, que legal, sanou todas as minhas duvidas, obrigada vou começar a fazer apartir de hoje mesmo

Luis Antonio Miranda
Luis Antonio Miranda
26 de novembro de 2019 12:52

Boa tarde, eu fiquei sabendo dessa dieta através de colegas de trabalho, estou fazendo há dois dias, e a minha rotina é essa, sou bancário, acordo cedo e faço bicicleta ergométrica cerca de 01 hora, vou trabalhar e somente ás 15:00horas aproximadamente eu como frutas, e de noite eu como prato de saladas com o que tiver de mistura, ou seja isso dá um período mais ou menos de 16/17 horas em jejum, está correto? Quero aproveitar ainda que destacar e parabeniza los pela excelente matéria completa. Tirou várias dúvidas e de entendimento facilitado.

Juliana Ramos
Juliana Ramos
21 de outubro de 2019 09:07

Oi! Tenho duas perguntas!
1. A prática do JI é liberada para quem tem hipotireoidismo?
2. Fazer exercício físico em jejum é aconselhável? (Ex. Se eu pular o café da manhã e fazer exercícios pela manhã em jejum.)

Obrigada!

Ebraim Carvalho
Ebraim Carvalho
9 de setembro de 2019 20:05

Realmente esse portal é o mais completo que eu achei nas minhas pesquisas, muito grato pelas informações! De um tempo pra cá estou querendo fazer o jejum intermitente porque sinto que eu fico com fome muito rápido e várias vezes no dia. Tenho um corpo normal, e pratico exercícios livres regularmente, meu objetivo é diminuir percentual de gordura por ter um biotipo endomorfo. Minha dúvida é: o quanto eu perderia de resultados se fizesse o jejum intermitente sem seguir à risca o cardápio Low-carb? Eu não queria ter duas restrições num mesmo momento e a maior falta que faria para… Read more »

JULIANA
JULIANA
9 de setembro de 2019 20:00

Ótimo o texto. Muito esclarecedor e incentivador.
Eu costumo praticar corridas longas pela manhã em dias intercalados, e nos dias da corrida costumo fazer o jejum intermitente. E quando chego da pratica esportiva não tenho fome de imediato, geralmente leva um tempo de cerca de uma hora a duas horas para o corpo se restabelecer e começar a sentir fome. Meu objetivo é o emagrecimento e aumentar a resistência física para o aeróbico. Será que praticar o exercício físico intenso em jejum não traz nenhum prejuízo a saúde? Ou também é uma pratica saudável e eficaz para alcançar meus objetivos?

Guilherme e Roney
Guilherme e Roney
9 de setembro de 2019 20:00
Reply to  JULIANA

Oi Juliana! Tudo bom? Obrigado pelo seu email

Se você está com a saúde em ordem, não tem nenhum problema, pode ficar tranquila.

O nosso corpo é completamente apto a usar as reservas de energia!

Se te interessar, pesquise mais sobre os corredores quenianos de provas de resistência. De lá saem os melhores do mundo, e a prática mais comum dentre eles é a corrida em jejum, exatamente para melhorar a performance.

Essa não é a nossa especialidade, por isso não vou me alongar no assunto! Mas vale a pena dar uma pesquisada.

Forte abraço!

Mena Pires
Mena Pires
9 de setembro de 2019 19:59

Boa Tarde. Hoje tive um dia de boa leitura aqui com voçes. Conheço um pouco acerca do JI, iniciei a um mês atrás, porem tive de o interromper por questões de saúde, mas o retomei no dia 8/04 e estou firme e forte. A minha duvida é que tenho uma disfunção renal (proteinuria Isolada), já estive em consultas com o Nefro e não é um problema renal é só uma perda de proteínas pela a urina. Gostaria de saber vossa opinião, se posso continuar com o JI,pois eu estou adorando e vou ja respondendo que caso a vossa resposta seja… Read more »

Hugo
Hugo
9 de setembro de 2019 19:58

Pessoal, tenho feito jejum intermitente no protocolo 16h (janela de jejum) por 8h (janela de alimentação) qual a forma mais eficiente de aproveitar a janela de alimentação? Distribuir a alimentação em pequenas refeições ao longo das horas da janela? Ou concentrar a alimentação em duas refeições pontuais nos extremos da janela de alimentação? Exemplo, consideremos o início da janela de alimentação às 12:30 e o seu fim às 20:30. O ideal seria comer nos extremos (almoço às 12:30 e jantar às 20:30) ou distribuir refeições ao longo da janela? Há diferenças numa estratégia ou na outra? Como seria possível otimizar… Read more »

Guilherme e Roney
Guilherme e Roney
9 de setembro de 2019 19:59
Reply to  Hugo

Fala Hugo, boa tarde! Tudo bom? Obrigado pelo comentário. A melhor maneira é aquela em que você se sente melhor. Se o objetivo for ganho de massa magra, existem algumas evidências que mostram que distribuir um pouco mais a ingestão de proteínas ao longo do dia tem impacto positivo sobre a sua absorção. Nesse caso, almoço, janta e um “lanche” no meio deles seria o mais otimizado. Mas se pra você for difícil comer algo rico em proteínas no meio da tarde, ou mesmo se o foco não for hipertrofia, não existe a menor necessidade de fazer mais do que… Read more »

Hugo
Hugo
9 de setembro de 2019 20:00

Excelente, pessoal. Muito obrigado mais uma vez pela atenção e pelas informações valiosas!

Abraços,
Hugo

Jaque
Jaque
9 de setembro de 2019 19:56

Ótimo texto! Mas adolescentes podem fazer o JI?

Guilherme e Roney
Guilherme e Roney
9 de setembro de 2019 20:12
Reply to  Jaque

OLá, Jaque, muito obrigado!
O melhor a se fazer é perguntar a opinião do eu profissional de confiança.
Talvez não seja a melhor ideia fazer o JI em um momento de grande crescimento do corpo.

Eddie barroso
Eddie barroso
2 de janeiro de 2018 17:23

Gosto e pratico jejum intermitente como ideologia de vida e os resultados são sempre ótimos. Mas quanto mais conhecimento sobre o assunto, melhor para mim. Excelente artigo. Parabéns. Muito completo

Guilherme e Roney
Guilherme e Roney
7 de janeiro de 2018 11:08
Reply to  Eddie barroso

Muito obrigado, Eddie! Ficamos felizes que tenha gostado. Forte abraço!

Guilherme e Roney
Guilherme e Roney
18 de julho de 2017 17:42

Boa tarde Carlos, como vai?

Justamente pelo fato do Dr Jason Fung utilizar o jejum para tratamento de diabetes e/ou hipertensão que é recomendado que esse tipo de jejum seja feito com a coordenação de um profissional

Não é para as pessoas com essas enfermidades fazerem jejum por conta própria, até porque é necessário a regulação de medicamentos a partir de exames

Abraços

Guilherme e Roney
Guilherme e Roney
29 de junho de 2017 11:54

Jenny, bom dia!

Em primeiro lugar, é legal analisar direitinho a alimentação, e ver se realmente está alinhada a Low Carb. Talvez a soma de pequenos erros estejam atrapalhando

De todo modo, o jejum é uma boa opção! É chá de qualquer coisa sim…

Só no caso do chá que citou, o sumo de limão não seria chá e sim sumo de limão rs. Mas isso não será um problema, conforme falamos nesse vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=bYog1L1IQBg

Espero ter ajudado
Abração

Ana
Ana
11 de junho de 2017 04:16

Olá, estou precisando ser ilucidada, tenho diabetes tipo 2, tenho feito JI, não me sinto mal. Mas sempre que leio sobre o assunto dizem para não fazer. Minha pergunta é, posso ou não fazer o JI.
OBRIGADO aguardo feedback

Guilherme e Roney
Guilherme e Roney
12 de junho de 2017 21:17
Reply to  Ana

Boa tarde Ana!

Depende. Não há nenhuma evidência científica de que o jejum vá te fazer mal, pelo contrário.

Mas se você fizer o uso de medicações é bom que faça jejum com acompanhamento médico, pois o uso dela pode ir se tornando desnecessário, e um profissional que deve acompanhar e analisar isso.

Continuamos a disposição!

Guilherme e Roney
Guilherme e Roney
25 de maio de 2017 21:10

Boa noite Alex!

Na verdade nosso corpo não funciona como um relógio, os benefícios vão vindo aos poucos, ao longo do tempo. Quanto mais tempo de jejum, mas benefícios e efeitos colaterais também (mal humor e fome, por exemplo)

Por isso é legal que veja um ponto ideal, aonde você consiga horas que lhe trarão bastantes benefícios ao mesmo tempo em que não trás tantos efeitos colaterais

Esperamos ter ajudado!

Guilherme e Roney
Guilherme e Roney
25 de maio de 2017 21:05

Oi Ebraim! Obrigado pelos elogios. Ficamos muito felizes

É possível sim fazer JI sem alias com uma alimentação Low Carb. A adaptação é um pouco mais difícil sim, mas é possível

Alem disso, os picos de glicose causados por arroz e frutas, por exemplo, podem aumentar a fome durante a janela de alimentação

De todo modo acho que você pode ir testando e adaptando a alimentação e JI de acordo com os resultados que for obtendo e também com seu estilo de vida

Guilherme e Roney
Guilherme e Roney
25 de maio de 2017 21:02

Boa noite Tatá!

Nesse artigo temos tudo que você precisa saber para começar: https://www.senhortanquinho.com/jejum-intermitente-beneficios-ji/

De toda forma, estou confiante de que você vai atingir seus objetivos, e estou à disposição para o que precisar!

Guilherme e Roney
Guilherme e Roney
22 de maio de 2017 17:46

Boa tarde Angelo!

Na verdade se não há nenhuma má condição de saúde pré existente não existe um tempo máximo para jejum (no maior estudo acompanhado sobre jejum uma pessoa foi submetida a mais de 1 ano sem ingerir nenhuma caloria, apenas suplementos vitamínicos)

Mas o jejum deve ser uma prática saudável e natural, por isso recomendo que respeite seu corpo, principalmente no início

O melhor horário pra se alimentar é quando tiver fome. Falamos sobre isso aqui: https://www.senhortanquinho.com/comer-3-em-3-horas-mentira/

Espero ter ajudado!

alex
alex
21 de maio de 2017 10:59

quantos meses tem q ficar nessa dieta

Guilherme e Roney
Guilherme e Roney
22 de maio de 2017 17:35
Reply to  alex

Oi Alex

Na verdade o jejum não é uma dieta e sim uma estratégia alimentar. Você pode se manter em jejum intermitente durante a vida inteira caso não haja nenhuma condição negativa de saúde pré existente

Guilherme e Roney
Guilherme e Roney
3 de abril de 2017 23:11

Ola Fernanda!

Alguns estudos mostram que o BCAA no pré treino em jejum pode ajudar no ganho de massa magra sim, acho válido que tente.

E não precisa se preocupar, o jejum não é um ‘botão de liga/desliga’; uma pequena quantidade calórica vinda de uma fonte boa como o BCAA não irá te fazer perder os benefícios dele, pode ficar tranquila

Esperamos ter ajudado

Beijos :)

Guilherme e Roney
Guilherme e Roney
29 de março de 2017 20:33

Ola Tatiana!

Nós estudamos e lemos diversas fontes confiáveis e atualizadas (que ficam no final do texto, caso queira conferir) para escrever o artigo – e não encontramos evidência científica alguma sobre alteração hormonal prejudicial no longo prazo. As “alterações” hormonais que podem ser causadas pelo jejum são: aumento do GH, e melhora na sensibilidade à insulina – duas “alterações” muito boas para o corpo, por sinal.

Como sempre estamos empolgados em aprender mais, sugerimos que peça a sua nutri os estudos que ela usou para afirmar que há essa alteração hormonal que trará malefícios

Abraços!

Guilherme e Roney
Guilherme e Roney
16 de março de 2017 21:16

Ola Bernardete!

Se isso for feito após um período adaptativo, onde você vai as poucos aumentando o período do jejum junto a uma alimentação low carb no dia a dia, não haverão efeitos colaterais de dor de cabeça e mal estar :)

Abraços

Guilherme e Roney
Guilherme e Roney
13 de março de 2017 20:50

Ola Ruth! Exatamente, não faz nenhum sentido a necessidade de comer de 3h em 3h. Temos um artigo sobre isso aqui: http://www.www.senhortanquinho.com/comer-3-em-3-horas-mentira

Espero que se adapte ao jejum e estou a disposição para o que precisar :)

Guilherme e Roney
Guilherme e Roney
7 de março de 2017 18:40

Ola Lettícia!

Por eles contarem adoçantes que elevam a insulina, é recomendável que você não os consuma.

Dica que adoramos fazer em casa: 1L de água para 4 sachês de chá mate Leão. Depois de feito, acrescentar 2 limões espremidos e adoçante (stevia ou xilitol) a gosto. Levar à geladeira e ir tomando ao longo da semana. Natural e delicioso

Espero ter ajudado

Marcelo Cirino
Marcelo Cirino
22 de fevereiro de 2017 15:18

Quanto tempo de JI é o ideal?

Guilherme e Roney
Guilherme e Roney
22 de fevereiro de 2017 19:00
Reply to  Marcelo Cirino

Ola Marcelo!

Pessoalmente eu gosto de 16h diárias. É uma quantidade de tempo sustentável no longo prazo e que já traz inúmeros benefícios.

Mas há pessoas que preferem fazer fazer outros protocolos, ou o melhor adaptado ao estilo de vida. Vai de cada um

Espero ter ajudado

Guilherme e Roney
Guilherme e Roney
21 de fevereiro de 2017 22:22

Ola Paulo!

Eu não me preocuparia muito em perder massa magra devido ao jejum, mas acho que os motivos disso já apresentei no artigo.

Porém o JI DE 12/12 já apresenta alguns benefícios sim, e se você se sentir confortável em fazer já estará colhendo boas coisas, como regulação da insulina e da fome, por exemplo.

Espero ter ajudado

Guilherme e Roney
Guilherme e Roney
15 de fevereiro de 2017 13:31

Ola Túlio!

Como pediu uma opinião nossa, vou te contar o que eu faço

Ficar sem comer de manhã não é problema para mim, já no período da tarde/noite eu gosto de estar me alimentando. Por isso, treino sim de manhã em jejum e vou comer cerca de 4 horas depois. A “janela de oportunidade” após o treino ainda é algo muito debatido, e vários estudos desmentem que ela exista, por isso eu prefiro manter meu jejum sem pensar muito nisso.

Espero ter ajudado e continuo a disposição

Guilherme e Roney
Guilherme e Roney
8 de fevereiro de 2017 11:17

Ola Dani!

Obrigado pela sugestão, veremos se é possível fazer isso e se for, com certeza colocaremos em nosso site.

Abraços

Rony Freitas
Rony Freitas
1 de fevereiro de 2017 19:40

Amo seguir vcs.
Sempre indico aos amigos.
Adorei o texto.

Guilherme e Roney
Guilherme e Roney
2 de fevereiro de 2017 12:39
Reply to  Rony Freitas

Obrigado, Rony! Pelas palavras gentis e pelas recomendações :D

Abração!

Guilherme e Roney
Guilherme e Roney
27 de janeiro de 2017 08:58

Ola Luís! Bom dia. Fico feliz que o artigo tenha sido esclarecedor pra você :) Na verdade não corre risco de catabolizar não, desde que você tenha uma boa ingestão calórica e de proteínas na sua janela de alimentação. O que faz o corpo realmente catabolizar é uma longa restrição calórica (sabe aquelas pessoas que emagrecem e ficam “estranhas” magras? Então, muito provavelmente a alta restrição calórica fez ela perder muita massa magra junto com gordura). Ficando por dias nessa situação o corpo se sente em uma situação de risco, e além de diminuir o metabolismo, também começa, a ‘dividir’… Read more »

Guilherme e Roney
Guilherme e Roney
26 de janeiro de 2017 22:28

Ola Rizzya – obrigado pela participação Vamos às suas dúvidas: -para começar você pode ir indo aos poucos, com jejum de 12h ou 14h, até atingir o tempo que deseja (nós gostamos de 16h), mas muitas pessoas já começam “do nada” e se sentem bem com isso, varia de cada um; pode fazer todo dia sim. -o ideal, até para dar um “boost” na perda de peso é ter uma alimentação low carb -café turbinado (com manteiga ou oleo de coco) é uma opção low carb legal, mas se tomado durante o jejum você sai dele. Prefira café puro pela… Read more »

Guilherme e Roney
Guilherme e Roney
17 de janeiro de 2017 19:28

Ola Daniela!

É indicado sim! é uma otima opção para perder peso e ganhar saúde.

Se quiser fazer um acompanhamento profissional devido a cirurgia, aqui tem algumas boas opções! Acesse: profissionaislowcarb.blogspot.com

Guilherme e Roney
Guilherme e Roney
12 de janeiro de 2017 17:55

Ola Amanda!

Durante o jejum a água, o café eo chá (ambos sem açúcar) são liberados.

Espero ter ajudado e obrigado pelos elogios :)

Guilherme e Roney
Guilherme e Roney
23 de dezembro de 2016 16:06

Ola Angélica, obrigado pela participação. Muito pertinente seu comentário O ponto é que nunca encontramos nenhum estudo que investigasse o impacto do JI nas pessoas com essaa condições de saúde – além do mais, especialmente se elas já não praticavam o jejum anteriormente, talvez ele fosse só oferecer um estresse a mais para um corpo que precisa focar em sua recuperação. Por isso não recomendamos o JI neste caso, por não saber se pode ou não fazer mal. Em um contexto similar, nós podemos pegar o caso das atividades físicas – em casos onde as pessoas já tenham problemas de… Read more »

Guilherme e Roney
Guilherme e Roney
23 de dezembro de 2016 15:29

Ola Nathalia, nós que agradecemos!

Ficamos felizes em saber que gosta dos nossos posts

Guilherme e Roney
Guilherme e Roney
20 de dezembro de 2016 11:40

Olá Bianca!

Nos nossos estudos e pesquisas nunca lemos nada sobre o jejum interferir na reposição do T4

Porém é sempre válido consultar um profissional da área, aqui você encontra alguns que saberão lhe responder precisamente: profissionaislowcarb.blogspot.com.br

Guilherme e Roney
Guilherme e Roney
20 de dezembro de 2016 11:33

ola Ana!

Nos nossos estudos e pesquisas nunca lemos nada de prejudicial que o jejum pudesse causar em pessoas com hipotireodismo.

Porém é sempre válido consultar um profissional da área, aqui você encontra alguns que saberão lhe responder precisamente: profissionaislowcarb.blogspot.com.br

Guilherme e Roney
Guilherme e Roney
20 de dezembro de 2016 10:29

Ola Fernanda!

Em todos os nossos estudos e pesquisas, nunca vimos relação entre jejum intermitente e gastrite. Mas mesmo assim, achamos válido que faça algum testes e caso sinta dor, pare de pratica-lo.

É bastante possível viver de forma saudável e Low Carb sem praticar JI, então acho que qualquer desconfiança de que ele esteja lhe prejudicando você pode para de fazer e manter-se apenas na dieta.

Guilherme e Roney
Guilherme e Roney
19 de dezembro de 2016 09:28

Ola Estela, obrigado pela participação!

Na verdade tudo é relativo e varia de pessoa pra pessoa. Realmente existem casos onde só o jejum já é suficiente para perda de peso, assim como também há casos onde o emagrecimento só ocorre com uma boa dieta. Varia muito de cada um.

Guilherme e Roney
Guilherme e Roney
19 de dezembro de 2016 09:23

Ola Luana – obrigado! Legal saber que gostou do artigo, ficamos felizes em poder ajudar.

Se você nao estiver consumindo calorias até o almoço, é um jejum sim!

E a corrida + JI é uma ótima combinação. No começo você pode sentir alguma dificuldade (conforme o Dr Souto fala neste podcast: http://emagrecerdevez.com/tribo-forte-020-alimentacao-exercicios-e-performance ) a adaptação total pode levar até 4 meses, mas no final vale a pena! Até porque ninguém merece ser “escravo” daquele lanchinho pré treino, não é mesmo?!

Guilherme e Roney
Guilherme e Roney
19 de dezembro de 2016 09:16

Ola Elaine! que legal que gostou tanto do nosso artigo, espero que ele possa te ajudar muito!

Realmente esta técnica muitos fisiculturista usam em fase final de preparação, aonde precisam perder gordura. É uma técnica muito efetiva!

Guilherme e Roney
Guilherme e Roney
19 de dezembro de 2016 09:08

Ola Nathalia!

Sendo direto na resposta a sua pergunta: não, você nao irá perder músculos; mas no início do processo, também vai ser difícil que ganhe.

Conforme a nutricionista esportiva Lara Nesteruk fala neste podcast (emagrecerdevez.com/tribo-forte-020-alimentacao-exercicios-e-performance), a adaptação a fazer exercícios em jejum para algumas pessoas pode difícil e demorar até alguns meses, mas mesmo assim ela continua recomendando isso a seus atletas pelos benefícios que todo o processo apresenta.

Pessoalmente eu acho que vale a pena tentar!

Guilherme e Roney
Guilherme e Roney
19 de dezembro de 2016 09:04

Olá Rafael! Obrigado, legal saber que gostou do artigo :)

Mas é isso sim, café ou chá sem açúcar, água com algumas gotas de limão ou gengibre não vão lhe tirar do jejum.

Iani
Iani
18 de dezembro de 2016 14:35

Excelente!!! Parabéns! Adoro os textos de vocês! Que Deus vos abençoe…

Guilherme e Roney
Guilherme e Roney
19 de dezembro de 2016 08:58
Reply to  Iani

Ola Iani, obrigado!

Gostamos de saber que aprecia nossos artigos :)

Guilherme e Roney
Guilherme e Roney
15 de dezembro de 2016 11:08

Ola Luiz, obrigado pelos elogios! Legal ver que gosto do nosso texto. Em relação a estocagem de energia, isso acontece caso você reduza bruscamente as calorias ingeridas; isso porque nessa situação o corpo tende a achar que você está em escassez de alimentos, e com isso, passa a querer armazenar o máximo possível. Isso não acontece quando as calorias ingeridas se mantém, porém ficam concentradas em um menor período de tempo. O que acontece nessa situação é que seu metabolismo aprende que pode usar as reservas sem problemas, pois não está em situação de risco Na verdade o JI pode… Read more »

Luiz Maia
Luiz Maia
15 de dezembro de 2016 11:55

Entendi,obrigado pela atenção.Descobri o site de vocês recentemente e estou acompanhando fielmente os excelentes textos publicados.Grande abraço e sucesso!

Guilherme e Roney
Guilherme e Roney
19 de dezembro de 2016 08:58
Reply to  Luiz Maia

Ola Luiz, que legal! Seja muito bem vindo

Abraços!

Guilherme e Roney
Guilherme e Roney
15 de dezembro de 2016 11:05

Ola Luiz, obrigado pelos elogios! Legal ver que gosto do nosso texto. Em relação a estocagem de energia, isso acontece caso você reduza bruscamente as calorias ingeridas; isso porque nessa situação o corpo tende a achar que você está em escassez de alimentos, e com isso, passa a querer armazenar o máximo possível. Isso não acontece quando as calorias ingeridas se mantém, porém ficam concentradas em um menor período de tempo. O que acontece nessa situação é que seu metabolismo aprende que pode usar as reservas sem problemas, pois não está em situação de risco Na verdade o JI pode… Read more »

Mari
Mari
15 de dezembro de 2016 08:30

Excelente texto, muito esclarecedor! Parabéns!

Guilherme e Roney
Guilherme e Roney
15 de dezembro de 2016 10:43
Reply to  Mari

Ola Mari, obrigado! Que bom que gostou :)

Guilherme e Roney
Guilherme e Roney
15 de dezembro de 2016 10:52
Reply to  Mari

Obrigado, Mari! Ficamos felizes que tenha gostado

Daniel Oliveira
Daniel Oliveira
14 de dezembro de 2016 21:28

Olá, Guilherme e Roney. Na opinião de vocês eu quebrarei o regime intermitente se tomar água com limão após acordar? Obrigado pela atenção.

Guilherme e Roney
Guilherme e Roney
15 de dezembro de 2016 10:44

Ola Daniel!

Segundo alguns estudos que lemos, se a quantidade for inferior a 40kcal você não sai do jejum