Jejum Intermitente Para Iniciantes – O que é, Benefícios e Tudo O Que Você Precisa Saber

O jejum intermitente tem sido a estratégia alimentar mais discutida na Internet nos últimos tempos.

(Especialmente no contexto de uma dieta low-carb ou mesmo paleo.)

E, assim como qualquer nova dieta que surja como “a solução definitiva para todos os seus problemas”, ele tem sido distorcido e propagado das maneiras mais diversas que você pode imaginar.

Por isso, quisemos dar nossa pequena contribuição neste texto para ajudar a clarificar o assunto do jejum intermitente (comumente abreviado para JI).

Por isso, continue lendo.

Porque, ao concluir a leitura do artigo, você vai saber:

  • O que é exatamente o jejum intermitente,
  • A maneira mais fácil de começar a colher os resultados do JI,
  • Quem pode (e quem não pode) fazer o JI,
  • Quais os benefícios de se praticar jejum intermitente.

Então, antes de entrarmos nos detalhes das diversas modalidades de JI, vamos começar falando sobre o que exatamente é o jejum intermitente.

O que É Jejum Intermitente?

Neste caso, a definição mais precisa é justamente a mais simples.

O nome jejum intermitente consiste de duas palavras, e ambas são importantes para entendermos o que ele quer dizer.

A palavra jejum se refere aos períodos em que você fica sem comer.

E a palavra intermitente significa algo que não acontece de maneira contínua – do dicionário Houaiss: “intervalo em que ocorrem interrupções; que cessa e recomeça por intervalos; intervalado, descontínuo.”

Sendo assim, a palavra intermitente se refere a pausas no jejum.

Com esses dois termos, a prática do jejum intermitente é basicamente alternar períodos sem comer com períodos em que você pode comer.

Ou, para usar um termo comum entre adeptos do JI, alternar um período de jejum com uma janela de alimentação.

Já a duração de cada um desses períodos varia bastante, dependendo de qual protocolo de jejum intermitente você escolher.

(E, como mostramos em outro artigo, existem vários modos de se fazer jejum intermitente.)

Mas, por ora, vale dizer que as diferenças estão basicamente em quanto tempo por vez você passa sem comer.

Uma consequência lógica dessa definição é a de que todas as pessoas fazem alguma forma de jejum –  porque, se você não está comendo, você está jejuando.

No entanto, como a maioria das pessoas não tem um calendário estruturado de refeições (onde a janela de jejum é constante), elas não estão em um jejum intermitente, mas sim em um jejum relativamente curto, e bagunçado – o que retira alguns dos benefícios.

Com a exceção, claro, de quando dormimos – porque, durante o sono, não estamos nos alimentando.

Assim, é comum que a maioria de nós tenha um período de jejum bastante regular – entre 6 e 8 horas por noite – até comermos pela manhã.

(E é por essa razão que o café da manhã também é conhecido por “desjejum” – porque você está literalmente interrompendo o jejum feito durante a noite.)

E, falando em café da manhã, vamos começar logo apontando a forma mais fácil e direta para se iniciar a prática do jejum intermitente.

Como Iniciar o Jejum Intermitente de Forma Fácil: Pule o Café da Manhã

Já vamos começar dizendo uma verdade que costuma trazer muita polêmica: o café da manhã não é a refeição mais importante do dia.

(Uma bobagem propagada por meio de frases como “tome café da manhã como um rei, almoce como um príncipe e jante como um mendigo”.)

Mas a verdade é que realmente não “precisamos” dele.

Assim como não precisamos de nenhuma refeição específica – conforme provam os estudos e a história.

E é verdade que existe um estudo indicando uma correlação entre tomar café da manhã e  ter menor peso corporal.

Mais explicitamente, nesse estudo as pessoas que pulavam o café da manhã tendiam a pesar mais do que aquelas que o tomavam.

Mas o que estava acontecendo, de fato?

(Vale lembrar que esse é um estudo epidemiológico, que não estabelece causa e efeito – “correlação não implica causação”.)

O que acontece é que sempre fomos orientados a acreditar que tomar café da manhã era muito importante para uma vida saudável.

Dessa maneira, o estudo apenas reporta um viés: o de que pessoas que pulam o café da manhã – enquanto pensam que ele é necessário para uma vida mais saudável – são justamente aquelas mais inclinadas a adotar outros hábitos não-saudáveis: como comer fast food, fumar, e não praticar exercícios.

(Um caso muito semelhante acontece com o consumo de ovos e a incidência de colesterol, conforme o Doutor Souto escreveu brilhantemente neste artigo.)

Mas ainda existe um outro argumento para os defensores do café da manhã: o argumento da sensibilidade à insulina.

Aqui é válido lembrar que quanto mais sensível seu corpo for à insulina, mais provável será você perder gordura e ganhar massa muscular. O aumento da sensibilidade à insulina quase sempre está relacionado a uma dieta mais eficiente.

Nesse âmbito, como a sensibilidade à insulina é maior pela manhã, os entusiastas do desjejum matinal declaram que ingerir uma quantidade maior de calorias nessa refeição (em vez de concentrá-la em outras refeições) tende a produzir um melhor equilíbrio corporal, podendo-se ingerir uma grande quantidade de energia sem o perigo de ganhar peso.

O que é esquecido aqui é que a sensibilidade à insulina não é mais elevada “pela manhã”.

Na verdade ela é maior após os períodos de jejum de 6-8 horas, que a maioria das pessoas tem enquanto dorme.

Mais especificamente, a sensibilidade à insulina é maior quando os níveis de glicogênio estão quase nulos, e isso acontece pois glicogênio do fígado é consumido com o jejum durante a noite de sono.

O jejum intermitente leva isso um passo adiante: um período de jejum maior do que 10 horas, o que pode ser conseguido simplesmente pulando-se o café da manhã (e portanto esgotando um pouco mais o glicogênio), pode aumentar ainda mais a sensibilidade à insulina.

Resumidamente, o que quero dizer é que não há nada de especial com o café da manhã e não há nenhuma real necessidade de se fazer uma refeição logo ao acordar.

De toda forma, a primeira coisa que você comer para quebrar seu jejum ficará sujeita aos benefícios de uma maior sensibilidade à insulina.

Por outro lado, também quero deixar claro que não há nada ruim com o café da manhã.

Ou seja, mesmo que você pratique alguma forma de jejum, ainda assim pode tomar o café da manhã tranquilamente.

Lembre-se, a parte mais importante é a duração do jejum e não em qual parte do dia ele ocorre.

Pular o café só acaba sendo a maneira mais fácil de colocar o jejum em prática.

E falamos mais sobre os 5 principais protocolos de jejum intermitente nesse outro texto aqui – inclusive falamos sobre nosso próprio modo de jejuar.

Além da suposta importância do café da manhã, ainda temos um outro mito muito comum que diz respeito à importância de se manter uma boa frequência de refeições – e vamos abordá-lo agora.

Sobre a Frequência: Defensores do Jejum Intermitente Lutam Contra o Mito das Seis Refeições

dieta low-carb: conceitos e vertentes

Se você já tentou perder peso da maneira “tradicional” – ou leu um livro de dieta, consultou um nutricionista ou contratou um personal trainer – provavelmente já escutou que, para perder peso, você tem de comer 5-6 pequenas refeições por dia.

(Uma sugestão que é formulada muitas vezes como “3 refeições e 2 lanches”.)

E esse estilo de comer (em que você se alimenta de maneira bem frequente) é muito popular entre a maioria das pessoas – desde nutricionistas até fisiculturistas – e foi repetido tantas vezes, e por tanto tempo, que geralmente é tomado como fato.

O problema é que ele está errado.

Na verdade, os benefícios de se comer pequenas refeições mais vezes durante o dia nunca foram cientificamente comprovados.

Nós abordamos os 4 principais “motivos” que as pessoas acreditam justificarem este hábito em um texto dedicado:

Comer de 3 em 3 horas: E se tudo o que te contaram até hoje for uma mentira?

Se você gostaria de entender bem esse assunto (e nunca mais ter que dar explicações para aquela pessoa chata que acha que você vai morrer se pular uma refeição ou lanche), vale muito a pena ler o artigo.

De toda forma, agora vamos repassar rapidamente os 4 “motivos”:

O primeiro e mais comum conceito utilizado é que comer frequentemente aumentaria o metabolismo.

Em outras palavras, a teoria sugere que, já que comer aumenta sua taxa metabólica, quanto mais frequentemente você comesse, mais sua taxa metabólica se elevaria.

Isso de fato acontece, mas não leva a uma maior perda de gordura – e inclusive foi cientificamente comprovado que não há diferença alguma.

Isso porque, quando você come, sua taxa metabólica aumenta devido à energia necessária para digerir o alimento que você comeu.

Isso é chamado de Efeito Térmico dos Alimentos (ou do inglês, TEF).

Veja só, o TEF é diretamente proporcional à ingestão calórica (e à distribuição dos macronutrientes) e, se a ingestão calórica for igual, no final do dia, não haverá nenhuma diferença metabólica entre comer 5-6 refeições ou apenas 2-3.

Na verdade, contanto que o total de calorias e macronutrientes seja igual, você pode comer dez refeições ou uma refeição que você ainda terá o mesmo efeito metabólico:

O segundo motivo é o de que, comendo de 3 em 3 horas, você se sentiria mais saciado.

No entanto, estudos mostraram que comer mais frequentemente é menos benéfico do ponto de vista da saciedade – isto é, de se sentir “cheio” após a refeição.

O que significa que, quanto mais vezes você come, é mais provável você ficar com fome – levando a uma maior ingestão calórica, o que implicaria em ganho de peso.

Os outros supostos motivos dizem respeito à manutenção da glicemia sanguínea e à preservação da massa muscular – se quiser saber mais sobre por que eles não passam de mentiras, recomendo que clique aqui para ler.

Nossos 10 Benefícios Favoritos do Jejum Intermitente

whey protein,proteína,dieta,emagrecer,saúde,hipertrofia,músculos,hipertrofia,muscular,academia,treino,exercício,atividade,física

Obviamente, se o JI não tivesse benefícios, seria difícil engajar tantas pessoas.

Por isso, vamos aproveitar esta seção para listar alguns dos nossos favoritos.

Claro que alguns desses benefícios podem ser bem impressionantes – por isso, colocamos ao final do texto algumas evidências que apoiam essas afirmações.

No entanto, é importante que você saiba algo.

Que, por um lado, alguns dos benefícios mais “interessantes” (como prevenção do câncer, e aumento da expectativa de vida) encontram mais evidências em estudos com ratos, e que mesmo nos estudos com humanos os próprios pesquisadores insistem para que mais estudos sejam feitos.

Por outro lado, benefícios como a autofagia celular estão rendendo prêmios Nobel por aí – e os de perda de gordura você vai poder verificar em você mesmo ;)

De todo modo, não deixa de ser uma série incrível de benefícios para a sua saúde – e tudo o que você teria de fazer para obtê-los seria pular uma ou outra refeição ocasionalmente.

Benefício do Jejum Intermitente #1 – A Praticidade de Comer Menos Frequentemente

Este benefício nada mais é do que uma consequência lógica de se jejuar – isto é, não comer tantas vezes ao dia.

Sendo que, quando você começa a praticar jejum intermitente, já pode começar a percebê-lo na prática.

Afinal de contas, fazer menos refeições significa menos tempo e/ou menos dinheiro gasto com elas.

Esse pode ser um benefício valioso – por exemplo no caso de quem opta por pular o café da manhã.

Assim, muita gente começa a conseguir dormir alguns minutos a mais por não ter mais de acordar cedo nem para preparar nem para comer essa refeição.

Outras pessoas gostam sim de comer um café da manhã nutritivo e saudável – e nesse caso podem optar por ganhar uma horinha no almoço ou mesmo não ter de se preocupar com jantar quando chegam em casa.

De toda forma, não ter de se preocupar com pelo menos uma refeição por dia já é um grande ganho de tempo na corrida rotina da maior parte das pessoas.

(Um bônus adicional de jejuar é o de aumentar a aderência na dieta – afinal, se você come sempre os mesmos alimentos, o fato de comê-los com menos frequência já ajuda a apreciar melhor cada refeição.)

Afinal, como já diria Miguel de Cervantes:

“A fome é o melhor dos temperos.”

Benefício do Jejum Intermitente #2 – Emagrecer Com Mais Facilidade

Muitas pessoas que praticam jejum intermitente o fazem porque desejam emagrecer.

E, conforme falamos antes, jejuar vai fazer com que você coma menos refeições do que comeria em um modelo de alimentação frequente.

Desse modo, a não ser que você realmente compensasse em excesso, comendo muito a mais nas outras refeições, você acabaria por ingerir menos calorias.

Sendo assim, fazer jejum intermitente tende a resultar em uma menor ingestão de calorias totais.

Inclusive, em alguns modelos de jejum intermitente (como o Eat Stop Eat de Brad Pilon, que abordaremos em um próximo texto), você não comeria nada, por 24 horas, 2 vezes na semana.

Fazendo uma conta rápida, isso significa que você reduziria sua ingestão de alimentos em cerca de 30%. Com isso, não é difícil entender como o jejum intermitente pode promover uma boa perda de gordura corporal.

Adicionalmente, o JI auxilia o seu corpo a utilizar a gordura de maneira mais eficiente – especialmente num contexto onde seu corpo já esteja treinado a utilizar gordura como combustível, como em uma dieta cetogênica.

E, ao contrário do que muitos imaginam, jejuar não diminui o seu metabolismo.

Na verdade, devido ao aumento da concentração de catecolaminas, durante o JI o seu metabolismo aumenta!

Com isso, seu corpo é capaz de queimar ainda mais calorias quando está em jejum.

Dessa maneira, o JI não só reduz a quantidade de calorias que você ingere (por limitar a quantidade de refeições), mas também auxilia a aumentar a quantidade de calorias que você queima (por aumentar o gasto metabólico).

E claro que você provavelmente teme perder massa muscular quando emagrece.

(E prevenir isso é um dos motivos de aumentar a ingestão de proteína em uma dieta low-carb / paleo.)

Nesse caso, mais uma boa notícia: Em um estudo, o grupo que praticou jejum intermitente eliminou a mesma quantidade de gordura que o grupo que apenas restringiu calorias… porém o grupo que praticou JI perdeu menos massa muscular.

E, falando em benefícios metabólicos do JI…

Benefício do Jejum Intermitente #3 – Melhor Sensibilidade à Insulina

tabela completa de alimentos com baixo indice glicemico, índice glicêmico, dieta, emagrecer, saúde,açúcar

O jejum intermitente pode ajudar a promover uma melhor sensibilidade à insulina e diminuir os níveis de glicose sanguíneos.

(Mencionamos acima a sensibilidade à insulina, e agora é válido explicar que ela é o oposto de resistência à insulina – que é uma condição na qual o corpo não consegue utilizar a insulina de maneira eficiente, e por isso produz quantidades cada vez maiores dela – como no caso da diabetes tipo 2.)

Por isso, o fato de que, em alguns estudos, o simples ato de praticar o JI tenha sido capaz de reduzir os níveis de glicose em jejum de maneira significativa, e ainda mais os de insulina em jejum, é uma excelente notícia para aqueles que desejam combater essa doença cada vez mais presente na sociedade.

Benefício do Jejum Intermitente #4 – Aumento da Secreção de HGH

Aprofundando um pouco mais nos benefícios hormonais do jejum intermitente, eles também incluem um aumento da secreção do hormônio do crescimento.

O hormônio do crescimento traz diversos benefícios para a saúde, porém vale dizer que ele auxilia a construção de massa muscular, ao mesmo tempo em que ajuda a queimar gordura.

Neste texto completo, ensinamos 11 maneiras de aumentar a secreção do hormônio do crescimento de forma natural – sendo que o JI é uma das mais efetivas – e é completamente grátis.

(Inclusive, em um estudo, os níveis de HGH aumentaram impressionantes 300% após 3 dias de jejum.)

Então, se você se interessa por ganhar massa muscular ou emagrecer, os benefícios do JI são inegáveis.

Benefício do Jejum Intermitente #5 – Promoção da Autofagia Celular

Indo um pouco mais a fundo, ao restringir calorias, você estará forçando o corpo a procurar por energia em outros lugares que não nos alimentos, o que pode favorecer a reparação celular.

Em resumo, quando jejuamos, o corpo inicia um processo de “reciclagem” de componentes das células, que é chamado de autofagia celular.

Nesse processo, o lisossomo (uma organela dentro da célula) quebra e metaboliza proteínas danificadas que foram se acumulando dentro da célula ao longo do tempo.

Esse mecanismo de autofagia celular está associado à prevenção de diversas doenças, inclusive do câncer e do mal de Alzheimer.

Já a mencionamos uma vez neste texto aqui, então vamos apenas ressaltar:

“Simplificadamente, a autofagia celular é um processo de limpeza do interior das células, que funciona removendo os detritos celulares para um funcionamento mais saudável ou reciclando alguns componentes para reparo celular.

Esse processo de autofagia ainda previne a quebra de tecido muscular, auxiliando a preservar os seus músculos mesmo em contextos de jejum ou atividade física prolongada.

E não são apenas os tecidos musculares que se beneficiam desse tipo de limpeza: as células do sistema nervoso, especialmente os neurônios, se tornam mais saudáveis, robustas e melhores em formar novas conexões, num processo denominado neuroplasticidade, quando a autofagia é rotineiramente estimulada.”

Ou seja, a autofagia celular – e os seus benefícios – podem ser obtidos ao se praticar o jejum intermitente.

Benefício do Jejum Intermitente #6 – Combater O Stress Oxidativo E A Inflamação

Conforme falamos uma vez, parafraseando o Mark Sisson:

“A ciência demonstra que o stress oxidativo está ligado a diversas doenças em humanos, e por isso devemos sempre visar reduzir o dano oxidativo em nossas células – especialmente nas mitocôndrias.

E comer corretamente, evitar o stress e se exercitar apropriadamente (porque você não precisa fazer cardio extensivamente para ser saudável) são algumas maneiras simples de cuidar bem de nosso organismo.”

E, além das recomendações excelentes desse grande entusiasta Primal, podemos adicionar mais uma: praticar jejum intermitente.

(Sem contar o fato de que o JI pode ajudar a combater a inflamação, outro marcador associado a doenças degenerativas e envelhecimento.)

Desse modo, se você se interessa por combater doenças – e eu vou apostar que sim – o jejum intermitente é mais uma ferramenta para o seu arsenal.

Os próximos benefícios que abordaremos são promessas do jejum intermitentee, apesar de haver evidências para corroborar esses benefícios (e nós pessoalmente apostamos nelas), é importante ressaltar que mais estudos em humanos são necessários.

Benefício do Jejum Intermitente #7 – Prevenção de Doenças Cardíacas

Num primeiro momento, podemos ser levados a pensar que não há nenhuma relação aparente entre pular refeições e o coração funcionar melhor…

Entretanto, o jejum intermitente melhora diversos dos fatores de risco associados à saúde cardíaca, como:

  • Pressão sanguínea,
  • Colesterol total e LDL,
  • Triglicérides,
  • Marcadores inflamatórios, e
  • Glicemia sanguínea

Porém, muitos destes resultados são baseados em estudos feitos em animais – e são necessários mais estudos em humanos antes de podermos afirmar categoricamente que eles se traduzem em resultados concretos para eu e você.

Benefício do Jejum Intermitente #8 – Possível prevenção do câncer

Embora, novamente, sejam necessários mais estudos em humanos, os estudos feitos em animais indicam que jejuar pode ser benéfico para ajudar a prevenir o câncer.

Além disso, em um estudo, pacientes humanos jejuaram antes e/ou depois de sessões de quimioterapia, e nenhum dos pacientes envolvidos reportou efeitos colaterais significativos (além de fome ou tontura).

O jejum os ajudou a reduzir os efeitos colaterais da quimioterapia como fadiga, fraqueza e enjoos, sem prejuízo de eficácia do tratamento (nos pacientes em que isso pode ser observado).

No entanto, queremos deixar claro – esses casos sugeriram que combinar jejum com quimioterapia pode vir a ser útil, mas de maneira alguma estabelecem novas diretrizes ou práticas – sendo necessários mais estudos.

Benefício do Jejum Intermitente #9 – Prevenção de Doenças Neurodegenerativas Como o Alzheimer

Como todos nós sabemos, a doença de Alzheimer é uma das doenças neurodegenerativas mais comuns na atualidade, atacando milhares de pessoas todos os anos.

E não há cura disponível para essa doença, o que torna sua prevenção (ou postergação) ainda mais importante.

Estudos em ratos mostraram que o jejum intermitente pode atrasar a aparição da doença de Alzheimer ou ao menos reduzir sua severidade.

Em muitos casos reportados, uma mudança de estilo de vida, incluindo jejuns diários já se mostrou significativa para atenuar os sintomas de Alzheimer em 9 de cada 10 pacientes.

Outros estudos em animais sugerem que jejuar pode proteger ainda contra outras doenças neurodegenerativas como doença de Parkinson e doença de Huntington.

De toda forma, mais pesquisas nesse âmbito devem ser feitas em humanos para se ter certeza que tais benefícios também se aplicam a nós.

Benefício do Jejum Intermitente #10 – Aumento da Expectativa de Vida

Por último, mas não menos importante, algumas pesquisas têm apontado na direção de que o jejum intermitente teria capacidade inclusive de aumentar alguns anos de sua expectativa de vida.

Na verdade esses ainda são estudos feitos em ratos mas que mostram que o JI, assim como uma restrição calórica contínua, leva a aumento de suas vidas.

Em um desses estudos, os ratos que praticaram algum tipo de jejum todos os dias viveram impressionantes 83% a mais que aqueles ratos que não jejuaram.

Ainda que tais benefícios não tenham sido estudos e provados em humanos, jejuar tem se tornado uma prática bem comum entre os entusiastas do anti-envelhecimento.

Dado os já conhecidos benefícios do JI para o metabolismo e todos os tipos de marcadores de saúde, faz sentido pensar que o jejum intermitente poderia ajudar a viver uma vida mais longa e saudável.

Jejum Intermitente: Quem Pode Fazer JI?

[Receita] Shake Proteico Hipercalórico Super Barato Para Hipertrofia

A maioria das pessoas saudáveis pode fazer o jejum intermitente sem nenhum tipo de prejuízo a sua saúde e ainda colhendo todos os benefícios que apresentamos acima.

Claro que algumas pessoas vão ter mais dificuldades que outras para iniciar algum protocolo de jejum intermitente, afinal não é fácil reverter o cenário de anos e anos se alimentando majoritariamente de carboidratos e comendo a cada 3 horas.

Felizmente, a ciência já vem derrubando tais mitos e provando que comer em intervalos regulares (a cada 3 horas, por exemplo) não passa de balela e que a melhor e mais saudável forma de emagrecer é restringindo os carboidratos e não apenas as calorias ou as gorduras.

Se olharmos para trás na história da humanidade, ou mesmo traçarmos um paralelo com outros mamíferos carnívoros, vamos perceber facilmente que se sempre tivéssemos sido adeptos de tais práticas, certamente não estaríamos aqui agora.

Quero dizer que o ser humano em sua história jamais teve comida disponível a cada 3 horas e, ainda assim, tinha energia para sair em busca de alimento mesmo após horas de jejum.

Então não venha me dizer que tá com dor de cabeça ou mau humor porque está há algumas horas sem comer – se chegou nesse ponto, talvez seja hora de parar e reavaliar seus hábitos.

Por outro lado, aqueles já adaptados a uma baixa ingestão de carboidratos, como em dieta low-carb, certamente irão encontrar muito menos problemas ao iniciarem a prática do jejum intermitente, afinal esses indivíduos já treinaram seu corpo a queimar preferencialmente gordura como fonte de energia – e não mais os carboidratos como no primeiro grupo de pessoas.

Mas é claro que pra toda regra há uma exceção…

Jejum Intermitente: Quem Não Deve Praticar JI?

JI para mulheres grávidas e lactantes

Na verdade, não existem pesquisas suficientes sobre os efeitos do jejum sobre um feto.

Devido a essa ausência de conhecimento na área, achamos que é mais prudente, tanto para o feto quanto para a mãe, evitar praticar JI durante a gestação.

O mesmo ocorre com as lactantes .

JI para crianças

Via de regra é pouco aconselhável permitir que as crianças jejuem.

Inclusive, na Europa, há um grande debate acerca de permitir que as crianças jejuem durante o Ramadã (um mês durante o qual os muçulmanos praticam o jejum intermitente por motivos religiosos).

Por outro lado, também não achamos ideal obrigar uma criança a comer, ainda mais em se tratando de lanches poucos saudáveis à base de açúcar e farinha refinados.

JI para pessoas com desordens alimentares

Não é recomendada a prática de jejum intermitente para pessoas que sofrem com doenças como anorexia ou bulimia.

JI para pessoas que se recuperam de cirurgia ou enfermidade grave

Após uma intervenção médica, o ideal é que se leve algum tempo para se recuperar antes de iniciar um jejum.

Sendo que apenas um médico poderá avaliar caso a caso.

JI para pessoas com certas condições médicas

Você não deve iniciar a prática de jejuar se tem algum tipo de diabetes ou faz uso contínuo de medicamentos.

Também não é aconselhável o jejum intermitente se você apresenta alguma doença no fígado ou nos rins, se é extremamente magro, desnutrido, anêmico ou exausto.

Ou mesmo se você tiver um sistema imunológico enfraquecido, pressão arterial elevada, diabetes dependente de medicamentos ou fraca circulação causando desmaios freqüentes.

Em todos esses casos, você deve sempre consultar um médico de sua confiança e estar sob seus cuidados durante o jejum.

Com muitas condições, é possível jejuar, mas quanto mais grave a condição, mais você precisa de apoio profissional durante um jejum para evitar quaisquer problemas.

Se você estiver em qualquer medicação prescrita, as suas necessidades para esse medicamento podem variar de dia para dia, tornando necessário que você tenha um médico monitorá-lo diariamente.

JI para pessoas com medo de praticar jejum intermitente

O medo não o coloca no bom estado de emocional para jejuar e pode levar a uma experiência desagradável.

Emoções fortes, como o medo, são conhecidas por alterar os processos fisiológicos do corpo.

Em vez disso, prefira embarcar em um jejum de maneira relaxada e confiante, e esteja aberto para as mudanças positivas que jejum proporciona.

É válido lembrar que se você não tem certeza se pode praticar jejum intermitente ou, principalmente se pretende praticar jejuns de água ou jejuns com mais de 3 dias de duração (os quais nós não recomendamos e não vemos nenhum benefício que justifique tais práticas) nossa recomendação é que você sempre consulte um profissional de sua confiança antes de mais nada.

Um Resumo Sobre Jejum Intermitente

A coisa mais importante a ser lembrada em se tratando de jejum intermitente é que ele não é uma “dieta”, mas sim uma maneira de se alimentar.

Ou ainda: um estilo de vida nutricional que permitirá que você alcance seus objetivos de forma eficiente, conveniente e que torna possível a manutenção dos resultados obtidos.

É claro que fazer jejum intermitente não é uma prática para todos e nem tampouco é o plano perfeito para ter o corpo dos seus sonhos, mas, certamente, é uma forma muito eficaz de perder peso.

Além dos benefícios hormonais inerentes à prática, você também se sentirá mais saciado ao comer, sentirá fome menos frequentemente, provavelmente aumentará sua expectativa de  vida e ainda economizará algum dinheiro na conta do supermercado. 

Ou seja, o jejum intermitente é bem aceito assim que as pessoas se informam mais a respeito dele – e por um simples motivo: ele funciona e traz benefícios reais aos praticantes.

Em outro texto, iremos discutir as diversas formas de se praticar o jejum intermitente, abordando as teorias e o raciocínio por trás de cada protocolo, bem como os profissionais de fitness que popularizaram cada um deles.

Até o próximo texto!

Curiosidade: Este texto foi escrito ao longo de muitas manhãs em que experimentávamos o jejum intermitente.

Afinal de contas, conforme algumas pessoas relatam, o jejum intermitente aliado a uma dieta cetogênica pode ser considerado uma forma de biohacking para se atingir uma melhor clareza mental.

Referências

Para deixar a leitura mais fluida, separamos algumas das referências citadas no texto original e as agrupamos aqui:

  1. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/20339363
  2. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19943985
  3. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/9155494
  4. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/15640462
  5. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC329619/
  6. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/1548337
  7. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/12425705
  8. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/2355952
  9. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3106288/
  10. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/24048020
  11. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/2405717
  12. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/10837292
  13. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21410865
  14. https://www.hindawi.com/journals/bmri/2014/761264/
  15. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/17291990/
  16. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/17374948
  17. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23244540
  18. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19793855
  19. http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0104423013000213
  20. http://ibimapublishing.com/articles/ENDO/2014/459119/
  21. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21106691
  22. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19524509
  23. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23773064
  24. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/3245934
  25. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22323820
  26. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/16126250
  27. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/11835290
  28. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/20157582/
  29. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/11220789
  30. http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1046/j.0022-3042.2001.00747.x/full
  31. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/16011467
  32. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC151440/
  33. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2844782/
  34. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/17306982
  35. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2622429/
  36. http://geronj.oxfordjournals.org/content/38/1/36.short
  37. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/16815497
  38. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2638578/
  39. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22078874
  40. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19945408
  41. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/20534972
  42. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/18596167
  43. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19017649
  44. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/10398297
  45. http://www.aging-us.com/article/NjJf3fWGKw4e99CyC/text
  46. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2622429/
  47. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/17306982
  48. http://ramb.elsevier.es/pt/effects-of-intermittent-fasting-on/articulo/90197531/
  49. http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S193152441400200X
  50. http://www.karger.com/Article/Abstract/212538
  51. http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0047637400001093
  • Daniel Oliveira

    Olá, Guilherme e Roney. Na opinião de vocês eu quebrarei o regime intermitente se tomar água com limão após acordar? Obrigado pela atenção.

    • Ola Daniel!

      Segundo alguns estudos que lemos, se a quantidade for inferior a 40kcal você não sai do jejum

  • Mari

    Excelente texto, muito esclarecedor! Parabéns!

  • Ola Luiz, obrigado pelos elogios! Legal ver que gosto do nosso texto.

    Em relação a estocagem de energia, isso acontece caso você reduza bruscamente as calorias ingeridas; isso porque nessa situação o corpo tende a achar que você está em escassez de alimentos, e com isso, passa a querer armazenar o máximo possível.

    Isso não acontece quando as calorias ingeridas se mantém, porém ficam concentradas em um menor período de tempo. O que acontece nessa situação é que seu metabolismo aprende que pode usar as reservas sem problemas, pois não está em situação de risco

    Na verdade o JI pode ser adotado independente do tipo de alimentação que você faça, mas estando em uma dieta low carb, a tendência é você se adaptar mais facilmente a ele, devido a cetoadaptação.

  • Ola Luiz, obrigado pelos elogios! Legal ver que gosto do nosso texto.

    Em relação a estocagem de energia, isso acontece caso você reduza bruscamente as calorias ingeridas; isso porque nessa situação o corpo tende a achar que você está em escassez de alimentos, e com isso, passa a querer armazenar o máximo possível.

    Isso não acontece quando as calorias ingeridas se mantém, porém ficam concentradas em um menor período de tempo. O que acontece nessa situação é que seu metabolismo aprende que pode usar as reservas sem problemas, pois não está em situação de risco

    Na verdade o JI pode ser adotado independente do tipo de alimentação que você faça, mas estando em uma dieta low carb, a tendência é você se adaptar mais facilmente a ele, devido a cetoadaptação.

    • Luiz Maia

      Entendi,obrigado pela atenção.Descobri o site de vocês recentemente e estou acompanhando fielmente os excelentes textos publicados.Grande abraço e sucesso!

  • Iani

    Excelente!!! Parabéns! Adoro os textos de vocês! Que Deus vos abençoe…

    • Ola Iani, obrigado!

      Gostamos de saber que aprecia nossos artigos :)

  • Olá Rafael! Obrigado, legal saber que gostou do artigo :)

    Mas é isso sim, café ou chá sem açúcar, água com algumas gotas de limão ou gengibre não vão lhe tirar do jejum.

  • Ola Nathalia!

    Sendo direto na resposta a sua pergunta: não, você nao irá perder músculos; mas no início do processo, também vai ser difícil que ganhe.

    Conforme a nutricionista esportiva Lara Nesteruk fala neste podcast (emagrecerdevez.com/tribo-forte-020-alimentacao-exercicios-e-performance), a adaptação a fazer exercícios em jejum para algumas pessoas pode difícil e demorar até alguns meses, mas mesmo assim ela continua recomendando isso a seus atletas pelos benefícios que todo o processo apresenta.

    Pessoalmente eu acho que vale a pena tentar!

  • Ola Elaine! que legal que gostou tanto do nosso artigo, espero que ele possa te ajudar muito!

    Realmente esta técnica muitos fisiculturista usam em fase final de preparação, aonde precisam perder gordura. É uma técnica muito efetiva!

  • Ola Luana – obrigado! Legal saber que gostou do artigo, ficamos felizes em poder ajudar.

    Se você nao estiver consumindo calorias até o almoço, é um jejum sim!

    E a corrida + JI é uma ótima combinação. No começo você pode sentir alguma dificuldade (conforme o Dr Souto fala neste podcast: http://emagrecerdevez.com/tribo-forte-020-alimentacao-exercicios-e-performance ) a adaptação total pode levar até 4 meses, mas no final vale a pena! Até porque ninguém merece ser “escravo” daquele lanchinho pré treino, não é mesmo?!

  • Ola Estela, obrigado pela participação!

    Na verdade tudo é relativo e varia de pessoa pra pessoa. Realmente existem casos onde só o jejum já é suficiente para perda de peso, assim como também há casos onde o emagrecimento só ocorre com uma boa dieta. Varia muito de cada um.

  • Ola Fernanda!

    Em todos os nossos estudos e pesquisas, nunca vimos relação entre jejum intermitente e gastrite. Mas mesmo assim, achamos válido que faça algum testes e caso sinta dor, pare de pratica-lo.

    É bastante possível viver de forma saudável e Low Carb sem praticar JI, então acho que qualquer desconfiança de que ele esteja lhe prejudicando você pode para de fazer e manter-se apenas na dieta.

  • ola Ana!

    Nos nossos estudos e pesquisas nunca lemos nada de prejudicial que o jejum pudesse causar em pessoas com hipotireodismo.

    Porém é sempre válido consultar um profissional da área, aqui você encontra alguns que saberão lhe responder precisamente: profissionaislowcarb.blogspot.com.br

  • Olá Bianca!

    Nos nossos estudos e pesquisas nunca lemos nada sobre o jejum interferir na reposição do T4

    Porém é sempre válido consultar um profissional da área, aqui você encontra alguns que saberão lhe responder precisamente: profissionaislowcarb.blogspot.com.br

  • Ola Nathalia, nós que agradecemos!

    Ficamos felizes em saber que gosta dos nossos posts

  • Ola Angélica, obrigado pela participação. Muito pertinente seu comentário

    O ponto é que nunca encontramos nenhum estudo que investigasse o impacto do JI nas pessoas com essaa condições de saúde – além do mais, especialmente se elas já não praticavam o jejum anteriormente, talvez ele fosse só oferecer um estresse a mais para um corpo que precisa focar em sua recuperação. Por isso não recomendamos o JI neste caso, por não saber se pode ou não fazer mal.

    Em um contexto similar, nós podemos pegar o caso das atividades físicas – em casos onde as pessoas já tenham problemas de coração, elas muitas vezes não são recomendadas, por mais que em pessoas saudáveis elas ajudem a prevenir os problemas cardíacos. Acho que assim da pra entender melhor

    Desculpe a demora na resposta e continuamos a disposição para eventuais dúvidas

  • Ola Amanda!

    Durante o jejum a água, o café eo chá (ambos sem açúcar) são liberados.

    Espero ter ajudado e obrigado pelos elogios :)

  • Ola Daniela!

    É indicado sim! é uma otima opção para perder peso e ganhar saúde.

    Se quiser fazer um acompanhamento profissional devido a cirurgia, aqui tem algumas boas opções! Acesse: profissionaislowcarb.blogspot.com